Gestalt - O Início

Quase simultaneamente à revolução behaviorista, que juntava forças nos Estados Unidos, outra revolução começava a se manifestar na Alemanha, a revolução da Gestalt. Esta revolução ia, ainda, contra as idéias de Wundt.

Para podermos entender o protesto da psicologia da Gestalt, vamos voltar para o ano de 1912. Neste ano a psicologia behaviorista começava a causar grande impacto com suas pesquisas em animais. Ela também começou a atacar Wundt e Titchener. Embora a psicologia da Gestalt e o behaviorismo terem idéias contraria a Wundt, elas são dois movimentos completamente independentes.

A psicologia da Gestalt não era contra as idéias de Wundt apenas. Eles acreditavam no valor da consciência humana, enquanto os psicólogos behavioristas descartavam a consciência. Os psicólogos da Gestalt também não aceitavam a tentativa de reduzi-la a elementos ou átomos.

Mas porque os psicólogos da Gestalt eram contra as idéias de Wundt? Eles acusavam Wundt de afirmar que a percepção seria uma soma de vários elementos e formaria uma espécie de pacote. Os psicólogos da Gestalt acreditavam que quando juntava-se os elementos ele formaria um novo padrão que não existia antes da soma das partes, ou seja, o todo é diferente da soma das partes.

Exemplo de Figura-fundoE de onde surgiram as idéias contestadoras da Gestalt? Bem, existiram alguns autores que deram sua contribuição para a psicologia da Gestalt, assim como utilizaram idéias de outro movimento filosófico que ocorreu também na psicologia da Alemanha, a fenomenologia.

O enfoque na unidade da percepção encontra-se no trabalho do filósofo alemão Immanuel Kant. Ele alegava que, quando percebemos o que chamamos de objeto, encontramos os estados mentais que parecem compostos de partes e pedaços. Para Kant, esses elementos são organizados de forma que tenham algum sentido, e não por meio de processos de associação, como defendiam os empiristas e os associacionistas. Durante o processo de percepção, a mente forma ou cria uma experiência completa, ou seja, a percepção é uma organização ativa dos elementos, de modo que forme uma experiência coerente.

Franz Brentano considerava artificial a introspecção utilizada por Wundt e defendia uma observação menos rígida e mais direta da experiência na forma como ela ocorre.

Ernst Mach exerceu influência mais direta sobre o pensamento da Gestalt com a obra The analysis of sensations, no qual discutia os padrões especiais, como figuras geométricas, bem como os padrões temporais, como as melodias, e os considerava sensações.

Mach afirmava que a percepção de um objeto não muda, ainda que modifiquemos nossa orientação em relação a ele.

Christian von Ehrenfels propôs qualidades de experiência que não podem ser explicadas como combinações de elementos sensoriais. Chamou essas qualidades de Gestalt qualitäten, que são percepções baseadas em algo além da aglutinação de sensações individuais.

Max Wertheimer, um dos três principais fundadores da psicologia da Gestalt, percebeu que do trabalho de Ehrenfels vinha o maior incentivo para o movimento da Gestalt.

A fenomenologia é uma doutrina baseada na descrição imparcial da experiência imediata na forma como ela ocorre e que não é reduzida a elemento e nem analisada. Os trabalhos dos psicólogos fenomenológicos precedeu a escola formal da Gestalt, que mais tarde acabou adotando a visão desse mundo.

Os três fundadores da psicologia da Gestalt foram: Max Wertheimer, Kurt Koffka e Wolfgang Köhler.

Referências:

KIYAN, Ana Maria Mezzarana. E a gestalt emerge: vida e obra de Frederick Perls. Sao Paulo: Altana, 2001.

RODRIGUES, Hugo Elidio. Introdução a gestalt - terapia: conversando sobre os fundamentos da abordagem gestaltica. Petropolis: Vozes, 2000.

SCHULTZ, Duane P.; SCHULTZ, Sydney Ellen. História da psicologia moderna. 16ed. Sao Paulo: Cultrix, 2002