A Gestalt-terapia é uma abordagem psicológica que teve influência de várias correntes filosóficas. As mais importantes dessas correntes são o humanismo, o existencialismo e a fenomenologia. Para Ribeiro (1985), o homem, enxergado nesta tríplice visão, se torna inteligível e os modos de abordá-lo se tornam mais eficazes.

A Gestalt Terapia e o Humanismo

Para Ribeiro (1985), no humanismo, o homem é o centro do mundo e da existência. Heidegger (apud Ribeiro, 1985), afirma que o homem é o centro das coisas porque só o homem existe, as coisas são, pois só ele tem maneiras características de se fazer e de se realizar.

Este artigo trata de elucidar resumidamente o objetivo da fenomenologia de Husserl e, consequentemente, desvelar o significado da redução fenomenológica. Com este fim, proponho-me a focar na crítica de Husserl à atitude natural do homem e promover a possibilidade de retirar a atenção habitualmente dirigida ao mundo, tão comum e cada vez mais intensa por conta de nossa sociedade, a fim de ver o mundo tal como ele é.

RESUMO

Esse artigo procura transpor a fundamentação teórica da fenomenologia para o contexto do profundo encontro Eu-Tu, ou seja, do amor, embasado nos conceitos dos filósofos que servem como fundamentação teórica para a fenomenologia e também pelos psicólogos que tem essa abordagem como sua visão de homem, tentando, assim, buscar uma aproximação do conceito real do mesmo.

A Teoria da Gestalt, em suas análises estruturais, encontrou determinadas leis que regem a percepção humana das formas, facilitando a compreensão das imagens e idéias. Essas leis seriam conclusões sobre o comportamento natural do cérebro, no que concerne ao processo de percepção. Os elementos constitutivos são agrupados de acordo com as características que possuem entre si, como semelhança, proximidade e outras que veremos a seguir. 

Veja mais em: Exemplos gráficos das leis da Gestalt.

Max Wertheimer era um psicólogo de origem tcheca. Era músico. Inicialmente estudou Direito, mas optou pela Psicologia. Passou a parte inicial de sua vida acadêmica entre Praga, Berlim e Viena. Estudou Fenomenologia com Carl Stumpf, principal discípulo de Franz Brentano. No que foi acompanhado por W. Köhler e por Kurt Koffka. Juntos eles desenvolveram a Escola de Berlin de Psicologia da Gestalt, inspirada na Fenomenologia da tradição de Brentano, e que buscava desenvolver uma Psicologia de cunho fenomenológico.

Quase simultaneamente à revolução behaviorista, que juntava forças nos Estados Unidos, outra revolução começava a se manifestar na Alemanha, a revolução da Gestalt. Esta revolução ia, ainda, contra as idéias de Wundt.

Página 2 de 3