Resumo: O presente artigo tem como objetivo fazer uma análise sobre duas orientações teóricas que sustentam o fazer psicológico. De uma maneira mais específica, esse trabalho tratará das características e das diferenças entre ambas no que se refere ao processo de entrevista psicológica. Utilizaram-se livros, artigos e posterior ilustração de um caso clínico, o caso Schreber, com o intuito de responder o problema que nos motivou: “Quais são as principais características da abordagem psicanalítica e da cognitivo-comportamental e quais são as diferenças mais marcantes no processo da entrevista psicológica?”.

Palavras Chaves: Linha teórica, Psicanálise, Terapia cognitivo-comportamental, Schreber.

O projeto de Wundt

Wundt (1832-1920) foi pioneiro na formulação de psicologia como ciência independente, na criação de uma instituição destinada à pesquisa e ao ensino de psicologia e na formação de profissionais de psicologia (que vinham de vários países para estudar com ele). Para wundt a psicologia era uma ciência intermediaria entre as ciências da natureza e as ciências da cultura (sua psicologia social). Ele não estava interessado pelas diferenças individuais entre os sujeitos. Wundt acreditava que os processos superiores da vida mental (como o pensamento, por exemplo) só poderiam ser entendidos por meio de uma análise dos fenômenos culturais, por meio dos produtos sócio-culturais. Na investigação da psicologia social não utilizava o método experimental, mas os métodos comparativos da antropologia e da filosofia.