1. Introdução

A priori esse trabalho é realizado a partir de uma revisão bibliográfica dos textos do próprio Freud e de outros autores que se debruçaram sobre esse tema, enfatizando-se que os teóricos que endossam este trabalho contribuem no que diz respeito ao entendimento dos sujeitos dependentes químicos.

Deste modo, entende-se que compreender como se dá a transferência nesse processo, a partir da experiência clínica, contribui para abrir perspectivas de manejo neste campo. Considera-se importante no tratamento com o sujeito toxicômano propiciar condições de se expressarem numa associação livre. Percebe-se que a dependência química aparece como primária aos conflitos que vivenciam como dependentes de substâncias psicoativas. Finalmente, conclui-se que a reflexão e ampliação das possibilidades de conceber o que é "ser sujeito" por estes sujeitos podem interferir no vínculo simbiótico entre o sujeito e a droga, potencializando, portanto, o processo psicoterapêutico.

Resumo: Este artigo visa explanar sobre a temática da literatura associada à prática clínica psicanalítica. Sabe-se que a aquisição da linguagem, aproximada ao conceito de inconsciente, é para a Psicanálise, um fator decisivo para a formação e estruturação do sujeito. É justamente a linguagem que “funda” o sujeito e que  faz diferenciar as estruturas clínicas: a neurose, psicose e perversão.  O uso da arte faz emergir fantasias e toca em questões subjetivas, já que a verdade do sujeito pode estar subjacente a uma ficção.  Pensaremos, neste artigo, sobre como a figura do personagem, a poesia, a prosa, enfim, como a literatura é capaz de promover processos inconscientes, na medida em que o trabalho intelectual consiste em uma forma sublimada de obter prazer.

Palavras-chave: Literatura, arte, psicanálise, psicose, sujeito e inconsciente.

Resumo: Pela sua designação de origem grega, histeria que traduz útero, era considerada uma manifestação da frágil e carente mulher. Era impossível falar da histeria masculina, sem um útero, e ainda hoje não se faz sem reservas, tanto pelo homem afetado como pelos médicos que diagnosticam. Este artigo discorre justamente sobre homens que tiveram suas vidas significativamente comprometidas pelos diagnósticos equivocados, e também incita uma reflexão sobre o translado da predominância da histeria feminina para a masculina, principalmente pelo fator agravante de aspectos socioculturais contemporâneos.

Palavras-chave: Histeria, masculino, psicanálise

Resumo: A adolescência, como período do desenvolvimento é marcado por conflitos e desafios na construção da identidade do sujeito. O processo social e econômico da atualidade traz desafios adicionais, que expõe o adolescente ao culto ao consumo e prazeres imediatos. A anorexia nervosa e a bulimia se apresentam como novos sintomas, surgidos dessas novas interações. Este artigo aponta a Psicanálise como uma abordagem capaz de propor uma escuta diferenciada dos novos sintomas, apontando caminhos para o acolhimento e tratamento do sujeito que sofre, nos novos tempos, com estes desconfortos.

Palavras-chave: Adolescência, Anorexia Nervosa, Bulimia, Interação Social, Novos Sintomas.

Resumo: O conceito de narcisismo se estabelece a partir da psicanálise como a ideia de um sujeito que admira exacerbadamente sua própria imagem e nutre uma paixão por si mesmo. Este artigo visa promover discussões sobre o conceito de narcisismo e identificar como ele se constitui na formação do sujeito. Para tanto, realizou-se um levantamento bibliográfico na perspectiva de alguns autores, como: Freud, Heinz Kohut e Alexander Lowen. Nessa perspectiva, é possível construir um embasamento teórico que explique esse processo. 

Palavras-chave: Psicanálise, Freud, Heinz Kohut, Narcisismo, Alexander Lowen.

Resumo: A busca da Felicidade torna-se quase um dever no mundo pós-moderno e obtê-la é um desejo comum a quase todas as pessoas. Ao analisar o conceito de felicidade, focando o papel da sociedade e da cultura, a psicanálise reflete como a vida em sociedade exige sacrifícios pulsionais da ordem do desejo, causando no sujeito certo mal-estar. Com isso tem-se como objetivo desenvolver uma análise sobre o tema felicidade, evidenciando as perspectivas de Sigmund Freud, correlacionando suas ideias com as de outros autores da psicologia sócio-histórica A questão norteadora indaga em que aspectos a literatura psicanalítica dos conceitos de Freud pode contribuir na compreensão sobre as perspectivas de felicidade no mundo pós-moderno. Para tanto se utiliza como método a revisão bibliográfica com leitura e análise de obras científicas (livros, artigos e revistas), obras resultantes de videoconferências e seminários. O mundo pós-moderno perpetua um ideal ilusório de completude que leva pessoas infelizes a se portarem como se fossem felizes, por meio da busca de objetos transitórios ofertados como promotores de felicidade, mascarando o desprazer. No entanto, vivenciar ou alcançar a felicidade parece ser um desejo comum a todos os seres humanos, em todas as épocas da história, sendo que cada um escolhe o meio que interpreta como sendo o mais adequado para alcançá-la. Conclui-se que a temática da felicidade, como objeto de desejo, é pouco estudada cientificamente e não existe como um conceito já pronto e acabado, abrindo espaços para novas pesquisas acerca do tema.

Palavras-chave: Consumo, Felicidade, Psicanálise, Pós-modernidade.

Objetivos: Meu objetivo com este trabalho foi de apresentar algumas contribuições de diversos autores acerca da concepção de sintoma e diagnóstico, tanto em psicanálise como em psiquiatria, discutindo as implicações de cada perspectiva. Apresentei algumas definições de sintoma em medicina e psicanálise, retomando o caminho percorrido pela psiquiatria até ser tragada pelo ideal científico da sociedade moderna, e discutindo suas implicações no campo da subjetividade.

Resumo: O estudo deste artigo aborda o processo de comunicação e relacionamentos amorosos no ambiente virtual que hoje faz parte do cotidiano da sociedade, possibilitando maior interação entre as pessoas, uma vez que rompeu com o padrão presencial. Nessa pesquisa participaram quatro usuárias da Internet, que responderam a um questionário sobre suas opiniões e comportamentos relacionados à afetividade e relacionamento virtual. A amostra foi composta por mulheres adultas, solteiras, com e sem filhos, com níveis socioeconômico médio a alto. Para esse estudo, utilizou-se o método qualitativo onde foram realizadas entrevistas abertas, gravadas e posteriormente transcritas e analisadas conforme o método de Bardin, onde visou identificar quais as razões que levam as mulheres a estabelecer relacionamentos afetivos através de chats, comunidades, sites como Par Perfeito, Facebook, MSN e outros meios eletrônicos. Verificou-se que as participantes acreditam na possibilidade de relacionamentos virtuais duradouros, no entanto relataram necessidade de confiar para depois ter um contato face a face.

Palavras-Chave: Afetividade. Facebook. Internet. Relacionamento Virtual. Par Perfeito.