Resumo: O presente artigo exibe uma leitura cartográfica sobre possíveis conversações entre as políticas públicas e o Serviço de Psicologia da Faculdade de Tecnologia e Ciências do município de Jequié/BA. Compreende-se a clínica como um campo potencial interdisciplinar, que abarca a produção social, na qual está inserida como instituição, mesmo que a priori esta nasça com ideias privadas no saber/fazer científico. Pondo como dialético e não oposto o objeto de estudo e o pesquisador, este artigo propõe não um novo conhecimento, mas a possibilidade de novos olhares sobre as construções e desconstruções que são legítimas do campo clínico. Os procedimentos metodológicos utilizados foram divididos em duas etapas. No primeiro momento, foram aplicadas entrevistas semi-estruturadas com os estagiários do Serviço de Psicologia com o intuito de investigar se os mesmos já receberam pessoas encaminhadas dos dispositivos sociais de saúde ou se encaminharam, bem como desejos, limites, impasses e/ou possibilidades e potencialidades encontradas nesse processo. Na segunda etapa, foi realizado um levantamento documental a fim de verificar a ocorrência de encaminhamentos em meio às diversas atuações entre as políticas públicas o Serviço de Psicologia nos dois sentidos. Compreende-se que a relação encontrada dos estagiários junto às políticas públicas reflete uma situação que não lhe é particular, mas que é própria da Psicologia como ciência e profissão, caracterizadas pelo positivismo, pela neutralidade, tendo como tendência a naturalização dos problemas sociais. Trazer esta discussão para academia indica uma mudança de olhar sobre paradigmas estabelecidos como verdade no cotidiano da clínica, que precisa ser revistas e questionadas, acompanhado o movimento transdisciplinar que legitima o campo clínico.

Palavras-chave: Serviço de Psicologia, Políticas Públicas, Cartografia, Ciência e profissão.

O processo saúde-doença tem tido significados conforme a época, uma vez que o conceito que se tem de saúde depende do entendimento que se tem do organismo vivo e de sua relação com o meio ambiente. Como esta compreensão muda de uma cultura para outra e de um momento histórico para outro, as noções de saúde e de doença também mudam. Desta forma a conceituação do processo saúde-doença é condicionada pelo homem em cada contexto histórico e pelas suas condições de existência

Palavras-chave: Apoio Matricial, Atenção Primária a Saúde, Centro de Atenção Psicossocial.  

Resumo: Os Direitos Humanos podem ser vistos como sendo uma arma de defesa para os menos favorecidos pelo sistema sócio-econômico, mas isso não se configura exatamente como verdade, pois os direitos na realidade servem para garantir e preservar o mesmo, e para a manutenção de uma ordem social desigual, fundada nos pilares do capitalismo. Esta pesquisa tem por objetivo geral: investigar a produção científica, na área da Psicologia, referente aos Direitos Humanos e violações de direitos, a partir de 2003. Os objetivos específicos pretenderam analisar o conceito de Direitos Humanos em cada artigo; identificar e discutir o entendimento dos autores pesquisados sobre violação de direitos; verificar se os autores referenciam ou relacionam os seus artigos ao Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH), a partir de uma pesquisa documental com a combinação das palavras-chave Direitos Humanos e Violação, Direitos Humanos e Psicologia no Banco de Dados BVS-Psi, compondo um corpus de 21 artigos. Essa pesquisa contempla aprodução científica, na área da Psicologia, referente à temática dos Direitos Humanos e violações de direitos, considerando apenas os artigos que pela tabela QUALIS estão entre a classificação A1 a B1, sendo cada artigo analisado de uma forma crítica e reflexiva. Para análise do corpus da pesquisa, foi realizada uma Análise de Conteúdo Temática, com os seguintes núcleos de sentido: Conceituação de Direitos Humanos, compreensão de violação de direitos e referencia ao PNDH. A partir da Investigação dos artigos coletados, conclui-se que, embora tenhamos uma grande produção científica sobre Direitos Humanos, necessitamos escrever com propriedade na luta pelos Direitos Humanos e com uma visão crítica e reflexiva sobre este tema.

Palavras-chave: Direitos Humanos. Violação de Direitos. Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH).

1. Introdução

Neste artigo pretende-se descrever a experiência de estudantes dos cursos de psicologia, enfermagem, fisioterapia, administração e sistema de informação no processo de organização e participação na XI Conferência Municipal de Saúde e I Conferência Municipal de Políticas Públicas para Diversidade Sexual de Betim em Minas Gerais. Na análise dessa prática extensionista, identificamos os desafios para a democratização do Sistema Único de Saúde – SUS, problematizando a relação entre participação popular e o acesso à informação. Compreende-se, assim, que estabelecer conexões entre democracia, participação popular e acesso à informação é fundamental nesta discussão, uma vez que, a democracia é um sistema político no qual todos os cidadãos têm a oportunidade de participar das decisões (Dahl, 1968). Segundo este autor, é importante ressaltar que uma sociedade democrática deve ir além da consolidação de um sistema político democrático, assegurando outros sistemas que contribuam direta e indiretamente para o fortalecimento dos processos democráticos. Os sistemas de produção e disseminação da informação são, então, indispensáveis.

Resumo:  em um mundo onde as transformações encontram-se cada vez maiores, a temática “juventude” tem ocupado uma visão ampla no cenário brasileiro, principalmente no que concerne a questões pertinentes à implementação de Políticas Públicas direcionadas ao universo juvenil. O presente estudo está organizado de forma a subsidiar o debate sobre a questão da juventude e as políticas públicas, revelando a possibilidade de mudança dos cenários a partir da visão de alguns autores da Psicologia.
Palavras- chave: Juventude; Políticas Públicas; Psicologia.

Página 2 de 2