Resumo: A cliente, que chamarei de Amanda chegou à terapia queixando-se de crises de ansiedade, compostas de ataques de pânico, sudorese e pensamentos de morte. Observou-se também ao longo do processo psicoterápico, baixa auto- estima, falta de repertório de auto-observação e tatos descritivos. No presente artigo haverá a descrição das hipóteses, intervenções e resultados alcançados. Tendo inicio intervenções focadas nas crises de ansiedade devido à hipótese de Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) e posteriormente intervenções focadas para o desenvolvimento de novos repertórios comportamentais, com ênfase na relação terapêutica, como método de intervenção, tendo como resultados aumento do repertório de auto-observação e tatos descritivos.

Palavras-chave: terapia analítico comportamental, auto-observação, tatos descritivos, relação terapêutica.

Resumo: Este artigo trata-se de dois assuntos de grande preconceito e negação da nossa sociedade, pois, a velhice e a morte são consideradas como algo não desejável. O objetivo desse artigo foi de dar voz aos longevos e compreender como eles lidam com o fato de que estão mais próximos da própria finitude. Foi possível concluir que tanto as relações sociais como a espiritualidade tem grande influência na forma como eles lidam com a aproximação do fim da vida. Alguns teóricos, tanto da psicologia como da filosofia, foram utilizados para uma melhor compreensão sobre o tema.

Palavras-chave: Velhice, Morte, Finitude, Preconceito.

Resumo: Buscou-se neste trabalho discutir o Autismo e seus enfoques de identificação e tratamento. A palavra autismo vem do grego “autos” que significa a “de si mesmo” ou “próprio” e começou a ser usada em 1906. O autismo se apresenta como uma anormalidade específica à condição cerebral, de origem complexa, assumindo-se como um transtorno no seu desenvolvimento comportamental.Este trabalho é resultado de uma pesquisa de natureza bibliográfica de caráter qualitativo. Ao longo do desenvolvimento do artigo pode ser percebido os inúmeros programas e métodos que existem para lidarem com o Transtorno do Espectro do Autismo. As técnicas ABA e TEACCH, cada qual com suas características, mas podendo trabalhar em conjunto; são amplamente utilizadas e respaldadas não somente pelos profissionais que as desenvolveram, mas também pelas instituições que fazem delas instrumentos de capacitação e socialização autista.

Palavras-chave: Autismo, Asperger, Transtorno do Espectro Autista, Psicologia Clínica

Resumo: O presente artigo tem como proposta explanar a distinção da timidez e do fóbico social, pois ambos percorrem caminhos tênues. O primeiro se apresenta na forma de não oferecer grandes prejuízos nas habilidades sociais, mas que podem ser um dos preditores no desenvolvimento da fobia social. Já o segundo é um transtorno de ansiedade (fobia social) intensamente prevalente, e que está dividido em subtipos: generalizado  ou  restrito/não  generalizado.  Significações que serão esclarecidas no decorrer  desse  artigo,  e que na carência de  tratamento,  exibem  um  curso  cíclico, incapacitante. Através do divertido mundo cinematográfico, foi concretizada uma breve apreciação do aspecto comportamental do personagem do filme Adaptação, muito bem representado pelo ator Nicolas Cage. Para essa análise diagnóstica fictícia utilizamos como base fundamental o Manual de Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais DSM-IV-TR da American Psychiatric Association (2003), seguido de alguns teóricos.

Palavras-chave: Cinema e Loucura, Fobia Social, Analogia Diagnóstica.

Resumo: O ciúme é um tema que gera muita discussão na população em geral. Ele é um sentimento egoísta onde a pessoa que está acometida desse mal se sente incapaz de obter a atenção da pessoa amada. Neste artigo, foi realizada uma revisão de literatura em outros artigos e livros, além de revistas e sites relacionados ao tema, e será discorrido sobre os três tipos de ciúmes, Normal, o Neurótico e o Delirante (Paranóico). Onde o normal é aquele que ocorre quando a pessoa amada dá motivo para o parceiro sentir ciúmes. O neurótico é aquele cujo o sentimento de angústia é permanente. Aqui o ciumento tem consciência de que seu ciúme é exagerado, mas não consegue se controlar. E o terceiro caso, onde é visto como o mais grave e de maior preocupação, pois é aquele onde o indivíduo fantasia uma possível traição podendo ser agressivo e até mesmo cometer insanidades contra o parceiro. Além disso, falará sobre o ciúme e sua divergência entre Homens e Mulheres; quando o ciúme se torna patológico e necessita de Tratamento Psicológico e/ou Psiquiátrico para uma melhora significativa do quadro; as causas do ciúme e por fim as consequências que este sentimento pode trazer no relacionamento conjugal

Palavras-chave: Ciúmes, Ciúme Patológico, Relacionamentos Conjugais.

Resumo: Este trabalho teve como objetivo analisar as buscas da mulher contemporânea pelo corpo perfeito, e como essa imagem corporal, que está no imaginário feminino, vem sendo construída e alimentada através da mídia, influencia na construção da identidade feminina. Muitas são as práticas apresentadas para obtenção deste corpo perfeito, tratando dele como se fosse eterno, havendo, na realidade, uma divinização do mesmo. Desta forma, ser bela se transformou numa questão moral e, com isso, ignora-se toda a história da mulher, genética e/ou a sua condição socioeconômica, como se todas, sem exceção, pudessem alcançar este padrão de beleza socialmente estabelecido. Nessa busca, a mulher tem adoecido de várias formas, algumas, colocando a vida em risco, se utilizando de todos os artifícios, que a medicina e o mundo da estética dispõem com seus resultados imediatos, enquanto outras estão deprimidas, por não terem a condição de utilizar tais recursos.

Palavras-chave: Cultura, Mulher, Beleza, Corpo Ideal, Mídia.

Resumo: Para compreender o significado da sexualidade e a vulnerabilidade dos idosos, a partir dos sessenta anos, o presente trabalho teve a finalidade de abordar sobre a sexualidade na perspectiva do sexo, do amor, da sensualidade, em relação as marcas e preconceitos que a sociedade lhe impõe, com a existência de estereotipo de uma velhice obrigada a ser assexuada. Por ter recebido uma educação rígida, o idoso evita falar do assunto, muitas vezes concorda com o que lhe é imposto, mesmo sabendo e sentindo que não tem fundamento. Essa postura é fruto de uma cultura hierárquica onde transmite que o velho não tem sexualidade, é assexuado. A sexualidade, portanto, para os “garotos maduros” é rodeada de muitas dificuldades. Nessa circunstância falar de amor, de desejo, de sexualidade torna-se algo sem propósito, em razão de uma cultura convencionalista. Com o objetivo de conhecer esse fenômeno de forma teórica, empírica e cognitiva, foi-se a campo pesquisar sobre a intimidade sexual e a sexualidade na terceira idade, na observação de um comportamento que é intrínseco e muito subjetivo. Conclui-se que a sexualidade é muito mais  que sexo, é carinho, afeto, cumplicidade, amor, companheirismo. A pesquisa revela um sexo vivo e uma sexualidade aflorada na terceira idade.

Palavras-chave: amor, sexualidade, envelhecer, desejo.

Resumo: A menopausa é um marco biológico na vida da mulher, que representa a transição da fase reprodutiva para não reprodutiva, e pode ocasionar mudanças biopsicossociais nas mulheres que a vivenciam. Esta pesquisa teve como objetivo verificar a relação entre depressão e menopausa em mulheres com idade entre 45 e 65 anos, que estão em atendimento ginecológico em uma unidade de saúde do município de Rolim de Moura- RO. Em relação à metodologia, foi uma pesquisa de campo, descritiva e exploratória com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada com 19 sujeitos e os instrumentos utilizados para coleta de dados foram o Inventário de Depressão de Beck e um questionário sócio demográfico. Os resultados gerais sobre a incidência de depressão indicaram que (63,17%) das participantes apresentaram depressão, (26,32%) na categoria leve, (26,32%) na categoria moderada e (10,53%) na categoria grave, sendo que pelo menos um dos sintomas característicos de depressão esteve presente em todas as participantes. A elevada prevalência de sintomas depressivos em mulheres na menopausa pode estar associada tanto as alterações hormonais, como também as mudanças sociais que acontecem nesse período.

Palavras-chave: Depressão, Menopausa, Depressão na menopausa.