Introdução:

É muito importante o lugar das psicoterapias no tratamento do alcoolismo em todo o percurso do acompanhamento terapêutico. O êxito do tratamento depende em grande parte da estabilidade de uma relação individual de apoio. São largamente utilizadas diversas formas de psicoterapias, sejam elas inspiradas na psicanálise, nas terapias cognitivo-comportamentais, terapias de grupo informais ou estruturadas, terapias corporais ou psicoterapias familiares.  Nenhuma delas comprovou a sua eficácia específica, mas na sua maior parte e integradas em programas de cuidados, revelaram-se úteis no acompanhamento da maturação psicológica e na reinserção sócio familiar dos pacientes. As suas indicações, adaptadas ao perfil individual dos sujeitos, dependem da competência e experiência das equipes especializadas.

Palavras-chave: alcoolismo, aliança terapêutica, luto, objeto pulsional, gozo.

Resumo: O presente artigo aborda a discussão ética e técnica na atuação do psicólogo clínico, fazendo reflexões sob o ponto de vista ético do profissional, considerando a relevância da formação acadêmica, sendo a teoria e a técnica instrumentos constituintes da clínica e a ética como definição do fazer clínico. A metodologia utilizada neste trabalho foi pesquisa bibliográfica. Nesse sentido, baseia-se no pensamento e nas idéias de autores e estudiosos da Psicologia, como Figueiredo, Dutra, dentre outros. Portanto, propomos uma revisitação ao legado da clínica psicológica com um profundo compromisso ético e técnico teórico, considerando as diferentes Psicologias. Refletimos e discutimos sobre o dilema ético e técnico diante das dificuldades na clínica psicológica pós-moderna. Pensamos sobre os desafios do psicólogo clínico no contexto atual. Discutimos sobre a postura ética do psicólogo e o uso da técnica. Consideramos a discussão sobre ética e técnica pertinente a todos que estão comprometidos com a clínica psicológica e compreendemos que esse tema está em pauta nos dias atuais. Repensamos sobre a importância do uso da técnica enquanto instrumento promovedor do exercício da clínica psicológica ética e questionamos o desafio ético da nossa cultura. Como enfrentá-lo e qual será esse desafio?

Palavras-Chave: Psicologia clínica; Formação do Psicólogo; Alteridade; Ética do cuidado.

A terapia comportamental converteu-se em um movimento visível no princípio dos anos 60, nesse período, a terapia comportamental havia se convertido num movimento formal, estendendo-se as idéias através de diversos desenvolvimentos, incluindo diferentes enfoques para proporcionar unidade ao campo. Esses denominadores consistiam em um enfoque para o tratamento que se apoiava na aprendizagem, como um ponto de partida conceitual, e nos métodos objetivos ou experimentais de investigação (Caballo, 2003).

Trata-se de uma abordagem fenomenológica terapêutica fundamentada nas descobertas do alemão Bert Hellinger.

Bert Hellinger é nascido em 1925, na Alemanha, e formou-se em Filosofia, Teologia e Pedagogia. Como membro de uma ordem de missionários católicos, estudou, viveu e trabalhou durante 16 anos no sul da África, dirigindo várias escolas de nível superior. Posteriormente, aprofundou seus estudos e pesquisas tornando-se psicanalista e, por meio da dinâmica de Grupos, da Terapia Primal, da Análise Transacional, de diversos métodos hipnoterapêuticos e demais técnicas desenvolveu sua própria Terapia Sistêmica e Familiar a qual denominou: Familienstellen (respectivamente: “O lugar da Família/do Familiar”, traduzido para: Constelações Familiares, no Brasil).

Nosso objetivo é correlacionar as atividades na Clínica de Psicoterapia e as teorias dos filósofos Nietzsche e Spinoza, a fim de enriquecer o trabalho na Clínica de Psicoterapia. Nosso modo de compreender o processo terapêutico não exclui o corpo físico, aliás, a percepção sensorial (senso-percepção) deve ser ativada, conscientizada e “educada” no processo terapêutico. Enquanto Nietzsche enfatiza o corpo como “uma superfície de inscrição dos acontecimentos, um lugar de dissociação do "eu", marcado de história”, Espinosa considera o corpo e a “alma” (ou psique) como uma mesma essência. Incentivar a consciência corporal nos seus múltiplos atravessamentos – historicidade e alma – ajuda o paciente a conectar partes de si mesmo e de sua constituição cultural, de modo a ampliar sua rede de possibilidades psíquicas, de modo a construir novas possibilidades da subjetividade coletiva e pessoal.

Este artigo tem por objetivo apresentar um caso clínico, fruto de atendimentos realizados junto ao Pronto Socorro Psicopedagógico de uma universidade particular do Estado de São Paulo – Brasil. Para delinear e atender aos assuntos mais emergentes dos alunos que buscavam ajuda junto a esse setor foi utilizada a EDAO – Escala Diagnóstica Adaptativa Operacionalizada (SIMON, 1989), em especial seus setores adaptativos: afetivo-relacional (AR), produtivo (PR), orgânico (OR) e sócio-cultural (SC),

Resumo

O que se tem percebido, cada vez mais intensamente, são modificações do papel de mãe e do homem-pai no cenário paterno na gravidez adolescente até o puerpério. No entanto o serviço de saúde publica, ainda não dispõem de espaços de atendimento de psicoterapia às mães adolescentes durante o período de pré-natal. Tendo em conta de que muitas meninas adolescentes grávidas se sentem envergonhadas em dizer que o pai de seu filho é também seu marido, preferindo identificá-lo como sendo seu namorado, muito embora a gestantes adolescentes tenha o acompanhamento pré-natal o apoio psicológico só acontece, por ventura, durante o atendimento pré-parto nas maternidades. Ainda que o pai tenha direito e necessidades próprias frente ao processo reprodutivo e à paternidade ele não se sente preparado para esta nova configuração e não encontram incentivos para o enfrentamento deste novo contexto. Portanto, evidencia-se que estes pais adolescentes carecem receber apoio psicossocial dos profissionais de saúde no sentido de serem informados de seus direitos e deveres no que tange ao bem estar psicológico e emocional deste futuro “ser”, bem como dar o direito de cidadão ao recém nascido providenciando registro de nascimento, apoiando emocionalmente mãe e filho no processo de amamentação, formação do vínculo afetivo e cuidados com o bebê.

Palavra chave: Mãe e pai adolescente; gravidez; recém-nascido; saúde pública; acompanhamento e psicoterapia.

Resumo: Este artigo apresenta algumas das técnicas de fixação de fronteiras, instrumento de intervenção terapêutica, desenvolvida pelo psicólogo e terapeuta familiar, Salvador Minuchin.
Palavras-chave: Fronteira. Sistema. Técnicas

Abstract: This article presents some techniques for setting boundaries, therapeutic intervention tool, developed by psychologist and family therapist, Salvador Minuchin.
Keywords: Border. System. Techiques.