Resumo: A pesquisa interessou-se por identificar os significados dos processos seletivos (ENEM e vestibular) em jovens do 3º ano do ensino médio de um colégio particular do município de Fortaleza para ingresso na universidade. Foi um estudo sobre as ideias e sentimentos para sujeitos que geralmente começam a “se preparar” antes mesmo do 3º ano do ensino médio para garantirem uma vaga numa instituição de ensino superior. Os dados foram levantados a partir de uma pesquisa com 17 alunos de ambos os sexos, de uma instituição privada. Para fundamentar a questão, buscou-se estudar alguns autores que abordam o fenômeno da adolescência e aspectos relacionados a este período, destacando-se o ingresso para a vida profissional. A realização deste estudo deu-se na forma bibliográfica e de campo utilizando-se como instrumento de dados a entrevista não estruturada.

Palavras-chaves: Adolescência, Vestibular/ENEM, Escolha Profissional

Resumo: As críticas ao modelo formal de ensino fazem-se maior a cada ano. Dentro das salas de aula, os professores apresentam os conteúdos, os alunos simplesmente ouvem o assunto, mas não reservam um tempo para refletir, para absorver o conteúdo. Para que haja aprendizado, o aluno deve construir uma representação pessoal do conteúdo que não se dilua enquanto o professor passa o conhecimento. Cada aluno tem sua forma de aprender, de contextualizar o conteúdo apresentado. O processo de ensino e aprendizagem envolve vários fatores, como o modelo de ensino do professor, o conteúdo das matérias e as características individuais da aprendizagem. As formas como os alunos assimilam e processam as informações que estão a sua volta são chamadas de estilos de aprendizagem que auxiliam os alunos a se conhecerem e auxiliam o professor no processo de ensino-aprendizagem. A quantidade cada vez mais crescente de estudos nesta direção aponta para um movimento que busca a qualidade de ensino. Para tanto, este trabalho objetivou-se analisar os estilos de aprendizagem dos alunos do terceiro ano do Ensino Médio de uma Escola Pública no Município de Cacoal-RO.

Palavras-Chave: Ensino, Aprendizagem, Estilos de aprendizagem.

Introdução

O trabalho foi realizado na Unidade Integrada “Osmar Ferreira Brandão”, instituição de ensino pública, localizada na cidade de Parnarama-MA, com alunos cursando o 6ª ano (5ª série) do ensino fundamental. 

Este trabalho busca a observação dos processos de ensino e aprendizagem dos alunos, especialmente, na disciplina de matemática e a indisciplina. E também tenta incluir a esses processos alguns exercícios psicomotores, a fim de tentar uma conciliação entre a educação tradicional e a educação do corpo, visando uma melhoria nesta aprendizagem.

Resumo: O lúdico na educação infantil tem sido um dos instrumentos que fomentam um aprendizado de qualidade para a criança, a partir das técnicas que promovem o desenvolvimento das habilidades fundamentais nesse processo. Nesse sentido, esse trabalho tem a finalidade de compreender a inserção da criança e das atividades lúdicas no contexto da educação infantil e os reflexos dessa prática em seu desenvolvimento global. Para tanto, utilizou-se uma pesquisa de natureza bibliográfica e elencou-se assuntos pertinentes para esse entendimento. Desse modo, foi explanado sobre a história do brincar, o lúdico na educação infantil e a importância do brincar. A partir dessas idéias houve um entendimento de que as brincadeiras com objetivo pedagógico favorecem o processo de ensino-aprendizagem e tornam o sujeito mais consciente de seu papel na sociedade.

Palavras-Chave: lúdico, educação infantil, ensino-aprendizagem.

1. Introdução

Sabe-se que o papel do professor transcende às metas de aprendizagem tradicionais e desta forma, demanda comportamentos pertinentes ao contexto social no qual o mesmo está inserido para a facilitação do processo de ensino-aprendizagem.  No meio educacional, há muitos estudos envolvendo estudantes e professores.

Por ser referência em produção de conhecimento, a Universidadepode e deve fazer parte da Rede de Enfrentamento à Violência Domestica contra Crianças e Adolescentes que a cada dia tem seus índices aumentados e submersos, ou pela falta de compromisso dos profissionais que atuam nos Órgãos de defesa e proteção da criança e adolescente, ou pelo “complô do silêncio” vivenciado pela família e testemunhas da violência que tem impedido consideravelmente a denúncia e/ou notificação dos casos verificados, sejam eles na escola, nos bairros e até mesmos nos postos de saúde e consultórios ambulatoriais.

Resumo: O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é considerado pelos professores uma preocupação maior na fase escolar, pois este é o momento propício à observação de alguns sintomas no aluno. Esse transtorno é caracterizado por desatenção, impulsividade e hiperatividade, sendo recomendado em alguns casos o uso de medicamentos para diminuir a manifestação hiperativa. Deste modo, o objetivo desta pesquisa foi investigar a percepção dos professores sobre o TDAH numa escola pública do interior de Rondônia. Para realização da pesquisa, utilizou-se de pesquisa de campo com método descritivo e exploratório, em abordagem qualitativa e quantitativa. Como instrumento utilizou-se um questionário validado, com perguntas abertas e fechadas, elaborado por Seno (2010), e adaptado para este trabalho. Participaram da pesquisa sete professores que atuam no primeiro ciclo do ensino fundamental de uma escola pública. Os resultados obtidos excluem a hipótese de pouco conhecimento e instrução sobre o conceito de hiperatividade, constatou-se que todos os colaboradores souberam identificá-la, apesar dos educadores não terem conhecimento suficiente para discorrer com propriedade sobre o TDAH, se apresentaram de modo favorável na análise da classificação causas/identificação de sintomas. Conclui-se que o TDAH ainda é um assunto pouco conhecido pela maioria dos educadores, assim, sugere-se realização de cursos de formação acerca desse e demais transtornos, para um melhor desenvolvimento escolar dos alunos.

Palavras-chave: Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. Escola. Professores. Aprendizagem.

Considerações Iniciais

A prática do psicólogo na escola é reconhecida como um modo de atuação do psicólogo enquanto profissional, tendo como fins para o cumprimento de seus objetivos, um olhar diferenciado para o aluno, a família, a instituição e a sociedade.

O trabalho do psicólogo escolar deve ser apoiado em suportes psicológicos a partir de uma articulação com as vertentes educacionais, para que assim, atue no sentido de promover a disseminação de um processo educativo pautado no compromisso social.