Esta costuma ser uma das perguntas mais feitas pelos iniciantes na Psicologia, é uma dúvida muito comum também para os leigos em geral. Há um erro de percepção sobre o que é a psicologia e o que faz o psicólogo, essa percepção errônea se deve principalmente ao modo como a mídia tratou a psicologia e, também, às controversas práticas de alguns profissionais da área.

A psicologia é tanto uma área de atuação (ciência aplicada) quanto uma área de pesquisa (ciência acadêmica) que estuda basicamente o comportamento humano e o funcionamento da mente humana. Os pesquisadores da psicologia têm como objetivo entender e explicar como funcionam os pensamentos, comportamentos e as emoções. Dentre as aplicações práticas da psicologia podemos citar como exemplos a seleção, recrutamento, ergonomia, tratamento de distúrbios mentais, auto-ajuda, melhorar a auto-eficácia, dentre muitas outras áreas que se envolvem diretamente com a saúde e o cotidianos das relações humanas.

No sentido etimológico, a psicologia seria a ciência da alma ou o estudo da alma. Teles (2003) define a psicologia como a ciência que busca compreender o homem e seu comportamento, para facilitar a convivência consigo próprio e com os o outro. “Pretende-se fornecer subsídios para que ele saiba lidar consigo e com as experiências de vida.” (pág. 9). Como destaca Figueiredo (2005) psicologia não existe no singular. O que há são inúmeras maneiras de conceber o campo do “psicológico” e outras tantas maneiras de se inserir nesse campo, intervindo nele, praticando “psicologia”.

Entre as maneiras de pensar o “psicológico” há mesmo quem pretenda descartar-se desta denominação e dar preferência a outros conceitos, como “conduta” ou “comportamento” entre os que se situam no campo do psicológico, há também os que pretendem fazer outra coisa que não “psicologia” como, por exemplo, “psicanálise”.

Página 3 de 3