Construção de Cartilha Educativa: Sexualidade na Terceira Idade

Resumo: A sexualidade faz parte das necessidades do ser humano, desenvolve-se por toda vida e não se reduz ao ato sexual, não desaparece com o avançar da idade. “A sexualidade é uma energia que nos motiva para encontrar amor, contato, ternura e intimidade; ela se integra no modo como sentimos, movemos, tocamos e somos tocados, é ser sensual e ao mesmo tempo ser sexual. A sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, ações e interações e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental”. O estudo teve como objetivo elaborar uma cartilha educativa sobre sexualidade na terceira idade, orientando-os sobre a promoção da saúde e qualidade de vida. É uma pesquisa do tipo metodológica, com intuito de elaborar um instrumento que facilite o entendimento do idoso a expressão de sua sexualidade. A cartilha é destinada aos idosos de todas as idades, independente de cor, raça, classe social, estado civil e religião.

Palavras-chave: Sexualidade, Idoso, Terceira idade, Cartilha educativa.

1. Introdução

A velhice constitui uma das etapas da vida, onde ocorrem mudanças inevitáveis do processo fisiológico do envelhecimento, independente de raça, classe ou sexo. É algo determinante em nossa vida, porém mesmo com estas alterações e algumas limitações proveniente do envelhecimento, pode-se viver saudável.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece a velhice por meio de um critério cronológico. Em países desenvolvidos são considerados idosos, pessoas com idade igual ou superior a 65 anos. Já em países em desenvolvimento, como o Brasil a idade limite é de 60 anos ou mais.

O Brasil passa hoje por uma importante mudança em sua pirâmide demográfica, com progressivo e acelerado envelhecimento da população. Esse novo padrão demográfico brasileiro é consequência de mudanças que acometem aos idosos em curto espaço de tempo (VONO, 2007).

Na gerontologia, o envelhecimento é a sequência da vida. É cercado de mudanças fisiológicas, sexuais, tendo suas peculiaridades e características específicas. Atualmente vem se construindo uma visão mais positiva e produtiva para o idoso mesmo com essas modificações (ALMEIDA; LOURENÇO, 2007).

Com o crescimento da população dos idosos, gera-se a necessidade de estudos em benefício de melhorar a qualidade de vida destes idosos, identificando fatores biológico, psíquico, social e funcional, de acordo com a necessidade, para que possamos intervir e obter resultados satisfatórios.

Existem modificações na resposta sexual humana com o envelhecimento. Ao ultrapassar o tempo da capacidade ovariana, a mulher vivenciará uma nova realidade hormonal. Esses hormônios sexuais são diretamente relacionados com comportamento e utilização das funções intelectuais. Vários autores têm demonstrado que a sexualidade está diretamente relacionada aos esteroides sexuais (GUIMARÃES; CUNHA, 2004).

Entretanto, sua expressão nunca foi naturalizada e, mesmo nos dias atuais, a temática sexualidade caracteriza-se como de difícil discussão, nos diversos espaços da sociedade, inclusive no ambiente das práticas da saúde (MELO et al,2009).

A sexualidade é algo que se expressa naturalmente em tudo àquilo que nos diz respeito. É a maneira como uma pessoa expressa seu sexo. Na terceira idade, pode se dizer que se perde em quantidade, mas, seguramente pode-se ganhar em qualidade. A idade permite as pessoas vivenciar o sexo em suas sutilezas, como uma linguagem que aperfeiçoa, reforça e enriquece a relação humana (NETTO, 2007).

A possibilidade de doenças sexualmente transmissíveis (DST) é outra consideração. Os fatores de risco das DST incluem sexo com parceiros múltiplos, uso de drogas injetáveis, sexo com uso de drogas injetáveis, sexo com pessoas que se prostituem por dinheiro ou drogas. Os idosos sexualmente ativos com múltiplos parceiros devem ser alertados a praticarem o sexo seguro, usando preservativos e orientados quanto à importância das vacinas contra as hepatites A e B (GALLO et al, 2001).

A sexualidade é um elemento fundamental para uma boa qualidade de vida e é questão pouco abordada nesta fase. Observa-se, empiricamente que as questões relacionadas a esta temática são discutidas abertamente quando se trata de adolescentes e adultos, enquanto, para os idosos muitas vezes são negadas (PINTO et al.,2005).

Em nossa sociedade prevalece a crença de que a atividade sexual desaparece com a idade, deixando o idoso constrangido para falar acerca do assunto. Além de diversos tabus relacionados a esse tema. Desta forma, a sexualidade e a autoestima devem ser trabalhadas nesta população.

A sexualidade quando relacionada ao envelhecimento remete a mitos e estereótipos levando idosa a condição de pessoas assexuadas, condicionado a um tabu. Mesmo com a modernidade de alguma concepção na prática sexualidade, ainda podemos registrar preconceitos (COELHO et al., 2010).

Entende-se que a sexualidade não está relacionada somente a relação sexual, a penetração em si, envolve sentimentos, carícias, palavras, gestos, olhar, entre outros aspectos (FREITAS, 2006).

Na realidade, os idosos têm dificuldade de vivenciar sua sexualidade devido à auto-reprensão. Sentem vergonha de falar sobre o assunto e relatar suas experiências. Os idosos vivenciam sua sexualidade de diferentes formas e cada pessoa expressa sua sexualidade de maneira particular e única, cada idoso manifesta ou entende sexualidade de acordo com sua vivência anterior (RODRIGUES, 2008).

 Sabe-se que o ser humano passa por modificações fisiológicas com o decorrer do tempo e que ao chegar à senescência existem limitações e mudanças estéticas, o que faz com que as pessoas pensem que os idosos perdem a sedução e a sexualidade. Vivenciar a satisfação sexual de um lado e a rejeição dos demais membros da sociedade do outro não deve ser fácil (SILVEIRA, 2008).

Diante do exposto, percebe-se, no entanto que a sexualidade dos idosos é um assunto complexo e pouco explorado nos dias de hoje. Tal fato pode ser influenciado ainda por alguns valores de uma educação conservadora e preconceituosa, a qual ainda predomina nos dias de hoje.

O desenvolvimento deste estudo permitirá explorar a compreensão do idoso na sua vivencia, objetivando assim melhor atendê-lo e ajudá-lo a compreender a sexualidade em meio a tantas limitações próprias da idade.

Faz-se necessário desmistificar o conhecimento errôneo que a sociedade tem sobre a sexualidade buscando ainda, a quebra de tabus em que vivemos nos dias atuais, uma vez que o assunto é pouco ou quase nunca abordado em meios familiares, escola e sociedade em modo geral.

Este estudo fornecerá subsídios relevantes para que profissionais da área da saúde que lidam direta ou indiretamente com idosos possam melhor atende-los quanto as suas necessidades relacionadas à sexualidade, tendo impacto na qualidade de vida desses idosos. A importância de cartilha educativa se dá na sensibilização da sociedade com relação a sexualidade, além de informar os idosos, esclarece opiniões distorcidas pela sociedade, através de definições sobre velhice, sexualidade, explicando as principais alterações físicas com o envelhecimento que podem afetar a sexualidade, curiosidades relacionadas ao efeito das doenças sobre a sexualidade, fatores emocionais que podem influenciar na sexualidade e informação sobre mitos e tabus através de perguntas e respostas.

2. Metodologia

2.1 Tipo de estudo

Trata-se de um estudo tipo metodológico, que possui como objetivo investigar os métodos de obtenção, organização e análise dos dados com elaboração, validação e avaliação de instrumentos, através de passos implementados e debatidos à cada etapa concluída (POLIT; BECK; HUNGLER, 2004).

O estudo trata-se da elaboração de um material educativo no formato de cartilha, no intuito de contribuir na disseminação de informações sobre a sexualidade na terceira idade. A cartilha poderá ser utilizada por profissionais e estudantes da saúde como instrumento para educação em saúde da população idosa nos diversos setores da sociedade.

2.2 Etapas do estudo

O processo de elaboração da cartilha foi composto por três etapas consecutivas (Figura 01), conduzidas no período de janeiro a junho de 2013.

Figura 01 – Processo  de elaboração da cartilha

Figura 01 – Processo de elaboração da cartilha

2.2.1 Etapa 1

Na primeira etapa foi realizada uma seleção dos conteúdos que seriam utilizados na construção da cartilha. Fez-se um levantamento bibliográfico sobre a sexualidade na terceira idade nas bases de dados da literatura científica Lilacs e Scielo. Dentre os artigos encontrados foram escolhidos os que mais se adequavam a temática escolhida, sendo verificados através da leitura dos resumos. Além dos artigos encontrados foram utilizados livros. Ao final selecionou-se 26 documentos que atendiam a proposta do estudo.

2.2.2 Etapa 2

Para tornar a cartilha mais atrativa e dinâmica para a população idosa foram selecionadas ilustrações em sites de busca da internet que se relacionassem com as informações que estariam contidas na cartilha. Buscamos figuras de casais demonstrando afeto, carinho mútuo. Algo que pudesse diferenciar o sexo de sexualidade.

2.2.3 Etapa 3

A terceira etapa refere-se a montagem do layout. Nessa etapa ocorreu o agrupamento das informações com as ilustrações coletadas. Procurou-se propiciar ao leitor uma leitura interessante, de fácil entendimento associada a uma estrutura visual atrativa.

Por não haver pesquisa direta com seres humanos para a construção da cartilha e não se tratar da validação da mesma, o presente estudo não foi submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa conforme regulamenta a Resolução 196/96.

3. Resultados e Discussões

A construção da cartilha foi realizada de forma sequencial, ou seja, todas as etapas ocorriam em uma ordem definida para facilitar a organização e promover a coerência entre as informações, proporcionando a compreensão do assunto contido no material pelo público alvo.

As etapas que compuseram o estudo foram três: etapa 1, onde ocorreu a seleção dos conteúdos; etapa 2, seleção das ilustrações para a cartilha e etapa 3, a montagem do layout da cartilha.

3.1 Etapa 1: seleção de conteúdos

Na primeira etapa foi realizada uma seleção dos conteúdos que seriam utilizados na construção da cartilha. Essa seleção tinha por finalidade embasar cientificamente o assunto que seria abordado no material, proporcionar domínio do conteúdo pelas autoras e informações corretas e atualizadas para o público alvo.

Foi realizado um levantamento bibliográfico nas bases de dados Lilacs (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde) e Scielo (Scientific Eletronic Library Online) utilizando os descritores de saúde: sexualidade, idoso, terceira idade.

Dentre os artigos encontrados foram selecionados, através da leitura dos seus resumos, os que mais se adequavam ao assunto que seria abordado e que estavam disponíveis na íntegra. Além dos artigos encontrados foram utilizados livros e o consenso sobre sexualidade na terceira idade.

A partir da leitura dos artigos, foram selecionados os tópicos referentes a sexualidade na terceira idade que iriam compor o conteúdo da cartilha intitulada . O conteúdo foi abordado de forma que houvesse concordância entre o título da cartilha e o texto interno, bem no objetivo de difundir as informações sobre a sexualidade, elaboramos perguntas e respostas para proporcionar um dinamismo durante a leitura e envolver o idoso no contexto da conversa.

No início da cartilha, há a apresentação para esclarecer o seu objetivo, aborda a temática envelhecimento, sexualidade e pensamentos errôneo da população sobre o tema escolhido. Em seguida através de perguntas e respostas conceitua velhice, sexualidade, mostrando para o leitor que envelhecer, não é o fim da vida sexual. Há tópicos intitulados, onde é esclarecido para o leitor os seguintes temas: alterações físicas  que ocorrem devido a idade, no homem e na mulher que podem afetar a sexualidade. Logo após, colocamos uma abordagem com curiosidades a respeito a sexualidade, explicando  o efeito das doenças sobre esta ; fatores emocionais e psicossociais que podem influenciar . Para finalizar dá-se início as perguntas e respostas, explicando mitos e tabus.

As perguntas realizadas e respondidas na cartilha para um melhor entendimento sobre mitos e tabus foram as seguintes: Até que idade um homem é potente sexualmente ? Um idoso é capaz de manter uma ereção? Os idosos têm desejo sexual? Os idosos podem ejacular? As mulheres perdem o interesse por sexo depois da menopausa? Por que é que depois da menopausa a penetração vaginal é mais difícil? As mulheres idosas podem ter orgasmo?

Ao final foram colocadas as referências bibliográficas utilizadas na construção teórica da cartilha e uma figura de um casal unido, demonstrando afeto um pelo outro.

3.2 Etapa 2: seleção das ilustrações

Nessa etapa foram selecionadas as figuras para ilustração da cartilha. Todas as figuras foram retiradas de sites de domínio público para propiciar um entendimento eficaz para o público alvo e para tornar a cartilha mais atrativa.  Optou-se por trabalhar somente com figuras evitando utilizar imagens de pessoas.

3.3 Etapa 3: montagem do layout

A montagem do layout da cartilha foi feito pelas próprias pesquisadoras. Foi utilizado o programa coreldraw. O tamanho da folha foi A4 (21x29.7cm) sendo que a cartilha foi construída para ser impressa no tamanho 10x14cm, pois nessas dimensões a cartilha caberá facilmente no lugar que o leitor desejar, ficando sempre disponível para leitura em qualquer lugar, podendo assim também ser compartilhada com outras pessoas.

O texto foi escrito com a fonte times new, sendo que o tamanho variou entre 16 a 18 e o espaçamento entre linhas utilizado foi de 1,3. A cor de predominância na cartilha bege, escolhemos uma cor clara, para uma melhor visualização e para que a leitura não se torne cansativa.

Na capa da cartilha foi utilizada uma figura de um casal idoso, demonstrando que a sexualidade, não é apenas relação sexual propriamente dita, como muitos pensam, mais sim, a troca de sons, cheiros, olhares, toques e carícias.

Processo de elaboração da cartilha- parte 1
Processo de elaboração da cartilha- parte 2
Processo de elaboração da cartilha- parte 3
Processo de elaboração da cartilha- parte 4
Processo de elaboração da cartilha- parte 5
Processo de elaboração da cartilha- parte 6

4. Considerações Finais

O presente estudo permitiu a elaboração de uma tecnologia sobre sexualidade na terceira idade para ser utilizada na educação em saúde da população idosa.

A construção de um material educativo, como a cartilha, irá contribuir para orientá-los sobre a promoção e qualidade, de vida facilitando a compreensão e o entendimento do idoso de como expressar sua sexualidade, em meio a tantas limitações próprias da idade. A cartilha é destinada aos idosos de todas as idades, independente de cor, raça, classe social, estado civil e religião.

Mediante levantamentos bibliográficos foi possível identificar as principais dúvidas que acometem os idosos relacionados à sexualidade na terceira idade, estes questionamentos juntamente com suas respostas foram abordados na cartilha para que o leitor possa tirar suas dúvidas e até mesmo propagar a informação a outros idosos.

A formatação da cartilha foi voltada para o público idoso atendendo suas limitações naturais da idade. A cor da cartilha, o tamanho e tipo de letra, as figuras, os textos e o layout foram os mais criativos e dinâmicos possíveis para uma leitura chamativa e agradável.

A divulgação de tecnologias para educação em saúde tem-se mostrado de grande relevância. Diante disso pretende-se posteriormente submeter a cartilha para avaliação por especialistas para sua validação, e assim, possa ser utilizada na promoção da saúde da população idosa.

Sobre os Autores:

Adriana Maria Lopes - Enfermeira.Graduada pela Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza (FAMETRO). Emai: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Renata Pereira Costa Silva - Enfermeira Assistencial  do Hospital Monte Klinikum Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Referências:

ALMEIDA, T; LOURENÇO, M. L. Envelhecimento, amor e sexualidade: utopia? Revista BRASILEIRA GERONTOLOGICA,v.10,n.1,p.101-113,2007.

COELHO,D.N.P; et al.Percepção de mulheres idosas sobre sexualidade: Implicações de gênero e no cuidado de enfermagem,Rev. Rene.Fortaleza,v.11,n.4,p.167-173,2010.

FREITAS,E.V; et al. Tratado de Geriatria e Gerontologia,2ª Ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

GALLO, J.J,et al . Reichel Assistência ao idoso; aspecto clínico do envelhecimento, 5ª. Ed. Rio de Janeiro, Guanambara, 2001.

GUIMARÃES, R. M; CUNHA, V. G. Sinais e sintomas em geriatria, 2ª edição, São Paulo: Atheneu, 2004.

MELO.K.M.T; et al. Sexualidade na gravidez: representação social de gestantes, Rev. Tendências da Enfermagem Profissional, v2,n.2 p.98-1003,2009.

NETTO,M.P. Tratados de gerontologia,2ª. Ed.São Paulo, Atheneu, 2007.

Organização Mundial da Saúde(OMS), Envelhecimento ativo: uma política de saúde,

Brasília. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br

PINTO,A.C.M et al.Sexualidade na terceira idade.Faculdade da Saúde e Ecologia Humana. Minas Gerais, Primeira semana Cientifica, 2005.

POLIT, D. F.; BECK, C. T.; HUNGLER, B. P. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004;

RODRIGUES,L.C.B.Vivencias da sexualidade de idosos. Dissertação(Mestrado)-Pós-graduação de enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande, 2008.

SILVEIRA,T.M. Solidão, Amor e Sexo na mulher de mais de sessenta anos,Revista da Abordagem Gestáltica,v.14,n.1,p.15-20,2008.

VONO,Z.L. Enfermagem gerontologia: atenção a pessoa idosa. São Pulo: Ed.SENAC, 2007.