Resumo: Atualmente, com o avanço dos estudos sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é possível destacar a música como um recurso eficaz em seu tratamento. A musicoterapia vem crescendo junto com as demais intervenções realizadas entre esses pacientes, já que o objetivo principal é criar através da música uma janela de comunicação social. Este artigo objetiva apresentar a musicoterapia como um recurso terapêutico de grande representação no tratamento de crianças com TEA, possibilitando compreender que qualidade de vida é essencial, e que por mais complexo que seja o transtorno é importante que o sujeito seja acompanhado e tratado. Para a realização deste artigo foi utilizado pesquisa bibliográfica em livros, artigos, teses entre outros recursos. O Transtorno do Espectro Autista, após a atualização do DSM-V, passou a agrupar vários transtornos que possuem características comuns, tais como, a dificuldade relacionada à interação social, que pode ocorrer devido ao comprometimento da linguagem, da comunicação, de habilidades sociais, entre outros fatores. Vale esclarecer que este transtorno, antes conhecido como Autismo, surge na infância. Ele tem tratamento e, por isso, é necessário um diagnóstico, assim, favorecendo o desenvolvimento das crianças e adultos. O tratamento para este público alvo é feito de maneira multidisciplinar, já que o transtorno abrange vários aspectos da vida. Dentre os vários recursos que podem ser utilizados em seu tratamento, a música tem a capacidade de trazer benefícios para os pacientes, assim como para a vida de quem a utiliza.

Palavras-chave: Transtorno do Espectro Autista. Musicoterapia. Autismo. Criança. Tratamento.

Resumo: Esta pesquisa, de caráter bibliográfico, apresenta uma reflexão sobre os mecanismos de produção de verdade, trazendo a história da loucura de Michel Foucault, o projeto de modernidade, para pensarmos as relações, sob o ponto de vista de uma prática e de produção de subjetividades, que se estabelecem no cuidado do autismo na contemporaneidade. Esta reflexão nos revela a construção sócio-histórica do diagnóstico, e dos mecanismos de  exclusão do diferente e seu efeito desingularizante. Nesse sentido, pensamos na ampliação do olhar para a condição autista através dos pressupostos teóricos e filosóficos da Gestalt-terapia, mais notadamente, a teoria organísmica, a fenomenologia e a relação dialógica, com o intuito de aproximar a relação Eu-Tu ao campo do autismo.

Palavras-chave: autismo, psicodiagnóstico, gestalt-terapia.

Resumo: O presente artigo propõe uma reflexão referente às intervenções psicopedagógicas junto a jovens e adultos usuários de “crack e/ou similares”, ou seja, usuários de derivados da cocaína. Considera-se como “crack e/ou similares” a pasta base, merla e oxi, além do crack em si, e os prejuízos cognitivos causados pelo uso e/ou abuso destas substâncias. O objetivo principal desse trabalho é apontar a necessidade de um profissional inteirado com conhecimentos e habilidades necessárias a um bom prognóstico deste público quando inseridos nos programas de elevação de escolaridade. Tem como objetivo específico destacar a necessidade de um especialista em psicopedagogia que atue na área de reabilitação cognitiva, com vistas a corrigir, organizar e estimular as funções prejudicadas pelo uso e/ou abuso de substâncias psicoativas. Diante desse contexto, questiona-se quem são estes sujeitos que procuram ou não estes “programas”, e quais são os motivos que não os permitem iniciar ou concluir seus estudos em idade regular? A psicopedagogia, por estabelecer conexões entre saúde e educação e por ser uma área de conhecimento multidisciplinar, compreende as dificuldades de interação na busca de desconstrução e reconstrução deste sujeito cognoscente, seu processo de conhecimento e sua subjetividade, favorecendo o pensar sobre propostas que apontam para as particularidades desses sujeitos. A intervenção psicopedagógica no âmbito clínico e educacional credibilita o psicopedagogo a capacidade de despertar o desejo de fazer o sujeito apreender e perceber a complexidade da natureza dos seus problemas, os quais possuem múltiplos fatores envolvidos.

Palavras-chave: Psicopedagogia, Reabilitação cognitiva, Crack.

Resumo: Este artigo busca apresentar de maneira sintética a compreensão Existencial-Humanista da ansiedade, buscando embasar no pensamento de três importantes representantes desta escola: Rollo May, Viktor Frankl e Irvin Yalom. Assim, mostra que a ansiedade é um componente existencial do ser humano na luta por sua existência subjetiva e que a posição existencial do sujeito vai definir o caráter construtivo ou destrutivo desta.

Resumo: A exclusão das pessoas com transtorno mental conota uma destruição de valores e autonomia, além de proporcionar impotência das mesmas na inserção do mercado no trabalho. Neste sentindo, torna-se menos complexo esse processo de inserção, na medida em que o indivíduo já tenha desenvolvido algum tipo de atividade laboral. Partindo desse pressuposto, o Centro de Atenção Psicossocial – CAPS é um dispositivo que acolhe pessoas em sofrimento psíquico e desenvolve tais atividades. Com isso, o objetivo geral desta pesquisa foi verificar a importância das atividades laborais do Centro de Atenção Psicossocial da cidade de Campo Maior/PI para inserção dos usuários no mercado de trabalho e como objetivos específicos, identificar as contribuições, os entraves e/ou facilitadores que as atividades laborais do CAPS proporcionam para a inserção de usuários no mercado de trabalho e, investigar as contribuições das atividades laborais desenvolvidas nos CAPS para evolução do tratamento.  Esta pesquisa foi um estudo de campo, com aspecto qualitativo, de caráter descritivo, utilizando a entrevista semi-estruturada, como instrumento de coleta de dados, com oito usuários. As entrevistas foram analisadas através da analise de conteúdo e categorizadas. Através deste estudo verificou-se que as atividades laborais, tiveram uma contribuição significativa, tendo em vista que, proporcionam benefícios como, resgate para ressocialização na sociedade e no contexto familiar, bem como no mercado de trabalho informal. Pôde-se notar também, o comprometimento que a família tem nesse processo, pois esta oferece diversas oportunidades de emprego pactuando o poder de contratualidade para essas pessoas com o mercado de trabalho.

Palavras-chave: Saúde Mental. Trabalho. Inserção.

Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar os riscos para a Síndrome de Burnout nos trabalhadores da enfermagem que atuam como socorristas no serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU), pois trata-se de uma categoria de profissionais exposta a inúmeras situações estressantes. A metodologia de pesquisa utilizada foi do tipo exploratória de natureza qualitativa. Teve como instrumentos de coleta de dados o inventário para identificar sintomas de estresse (ISS) e o questionário Jbeili para identificação preliminar da Burnout, baseado no Maslasch Burnout Inventory-MBI. A pesquisa foi realizada com dois participantes de uma cidade de médio porte da região norte catarinense. Os resultados indicam possibilidade de desenvolver a fase inicial da Síndrome.

Palavras-chave: Síndrome de Burnout, Socorristas, Profissionais da enfermagem.

Plano de Ação

1. Introdução

Este documento refere-se ao plano de ação que tem por finalidade identificar os fatores de risco associados ao consumo de drogas, assim como os fatores de proteção associados ao não uso de drogas entre estudantes matriculados na 3ª série do Ensino Médio da Escola de Educação Básica Santa Teresinha. Vale destacar que este se trata de um plano de ação composto por dinâmicas e atividades voltadas à investigação de aspectos favorecedores ao consumo de substâncias e aspectos que minimizam seu impacto. No entanto, devido ao desconhecimento da real necessidade da amostra, o projeto será norteador para a intervenção, devendo sofrer alterações em sua estrutura caso seja necessário.

Resumo: Objetiva-se colocar através de pesquisas e achados, as contribuições advindas dos Modelos Biomédico em contraponto ao Biopsicossocial no tocante à explicação e tratamento do fenômeno da depressão, abordando a Psicologia Analítico-comportamental como representante deste último modelo. O modelo biomédico clássico apresentou desde sua origem, uma visão mecanicista, organicista e reducionista acerca da doença psicológica, levando em conta somente os aspectos biológicos, mensuráveis e quantificáveis, objetivando, desta forma, padronizar e catalogar a etiologia das doenças. O modelo biomédico vigente é inspirado nesse molde e constitui o alicerce conceitual da moderna medicina científica. No decorrer dos tempos, o foco de interesse da Medicina passou de uma abordagem biográfica à nosográfica; no entanto, não oferece respostas satisfatórias aos anseios de ordem psicológica. O Modelo biopsicossocial ou modelo sistêmico é aquele que privilegia a visão integral do sujeito nas dimensões física, psicológica e social e a prevenção em vez do tratamento, se contrapondo, portanto, ao modelo biomédico. A Psicologia Analítico- comportamental explica os transtornos psiquiátricos através da intervenção de modelos interativos e experimentais vendo o sujeito único em sua interrelação com o ambiente (interno e externo) e sua história comportamental, através da tríplice contingência (filogenético, ontogenético e cultural), mostrando-se, deste modo mais adequada para explicar e tratar a depressão numa perspectiva interativa e sistêmica.

Página 1 de 7