Segundo Freud em seu artigo “Instinto e suas Vicissitudes”, a pulsão seria:

“(...) O conceito na fronteira entre o somático e o mental..., o representante psíquico das forças orgânicas (...)” (FREUD, 1915, p.118).

A droga na toxicomania entra como um produtor de obtenção de prazer e um “amortecedor” do desprazer. Com isso, a droga se torna sua única fonte de prazer e o sujeito passa a ter uma relação de exclusividade com a mesma passando a abandonar suas atividades da vida diária.

Sigmund Freud nasceu Sigismund Schlomo Freud [01] nasceu em 1856, em Freiberg, na Morávia, à época parte do Império Austro-Húngaro. Sigismund era um nome germânico, cuja raíz Sieg, significa vitória e Schlomo – Salomão, nome hebraico escolhido em homenagem ao seu avô recém-morto – um costume tipicamente judaico/ashkenazi [02] - esses dois nomes traduzem o grande paradoxo entre a vida judaica tradicionalista e a emancipação dos judeus em meados do século XIX – refletindo, também, o contexto histórico e cultural vividos pela família de Freud, por ocasião de seu nascimento.

Resumo: O presente artigo aponta o movimento de sublimação do sujeito por meio da arte, como um caminho para atividades psíquicas superiores, caminho por onde sempre transitará a libido vinculada às suas origens sexuais, porém pela sublimação tal libido é elevada por meio de atividades idealizadas socialmente e aceitas pela cultura, a saber: a ciência, a intelectualidade e a arte. Pretende-se focar na atividade artística, mais delimitadamente às artes plásticas e pinturas, numa comparação da plasticidade psíquica revelada na concretude da obra, resultado do movimento de sublimação, o qual é por sua vez sublime, pois transcreve a outro nível o psiquismo do artista, usando a linguagem plástica das cores e texturas para falar de amor, castração e morte, enquanto um retorno mais refinado e em ressignificação do horror no fato de se estar em desamparo e perpetuamente em falta.

Palavras-chave: Morte, pulsões, elevação, arte.

Resumo: O presente trabalho pretende fazer uma comparação entre a teleologia filosófica de Raimundo de Farias Brito e a psicanálise de Sigmund Freud acerca da insatisfação do homem na civilização, apesar de todos os avanços em ciência, tecnologia e conhecimento que esta proporcionou à humanidade. Ambos nasceram em mundos bem distintos, em países e até mesmo continentes com realidades sociais bem diferentes. Enquanto Freud nasceu em uma família e sociedade que propiciou sua independência de pensamento e ateísmo, Farias Brito nasceu em uma família com apreço muito grande pela religião. Tanto o ateísmo como a espiritualidade estará presente nos pensamentos de Freud e Farias Brito, respectivamente. Através deste trabalho, busca- se um melhor conhecimento de reflexões distintas, de dois pensadores contemporâneos, de realidades sociais igualmente distintas, acerca de um determinado tema.

Palavras-chave: Civilização, cultura,  Freud,  Farias Brito, psicanálise, filosofia

1. Introdução

O termo família pode ser pensando a partir de diversos aspectos: como unidade doméstica, garantindo as condições materiais necessárias à sobrevivência, como instituição, referência e local de segurança, como formador, divulgador e contestador de um amplo conjunto de valores, imagens e representações, como um conjunto de laços de parentesco, como um grupo de afinidade, com variados graus de convivência e proximidade e de várias outras formas. Há uma pluralidade de formas e sentidos para a palavra família, construída com o aporte das Ciências Sociais e podendo ser pensada sob os mais diversos enfoques através dos diferentes referenciais acadêmicos.

Resumo: O presente artigo busca trazer uma contribuição acerca da compreensão do autismo, com enfoque principal na identificação precoce através da teoria psicanalítica. As considerações teóricas abordadas por Freud, Winnicott, Melanie Klein, Lacan e outros autores, presentes nessa revisão bibliográfica, foram importantes para se conjecturar que as identificações dos sinais dessa desordem afetiva têm sido realizadas, em muitos casos, tardiamente.  A identificação tardia dos sinais do autismo dificulta o tratamento, pois impede uma reconstrução da vida psíquica-emocional da criança, causando-lhe prejuízos consideráveis como o grave impedimento em estabelecer vínculos afetivos com acometimentos significativos no desenvolvimento, bem como grande sofrimento para a família. Por outro lado, a identificação precoce e a intervenção psicanalítica primária focada no restabelecimento dos vínculos oferecem a reinserção da criança no campo do afeto-linguagem com consequências positivas na ampliação da área cognitiva e do restabelecimento dos relacionamentos socioafetivos.  

Palavras-chave: Autismo, Psicanálise, Identificação precoce, Relação mãe-bebê.

Resumo: O presente trabalho tem como objetivo apresentar alguns dos principais conceitos que permeiam a psicanálise, no que se refere à adolescência e os conflitos envolvidos nessa importante fase da vida humana. Buscar-se-á desenvolver, com base em uma pesquisa bibliográfica, as relações existentes entre o fenômeno da adolescência e sua relação com a cultura ocidental contemporânea que tem feito da juventude, ao longo das décadas, o seu ideal cultural de realização e felicidade.

Palavras-chave: Adolescência, Psicanálise, Cultura, Sociedade Contemporânea.

Página 1 de 18