A Formação da Personalidade Segundo Neal Miller e John Dollard

(Tempo de leitura: 6 - 11 minutos)

Resumo: Muitos autores se destacam quando falamos em Personalidade. Neal Miller e John Dollard nos propõem a Teoria da Aprendizagem Social, onde eles afirmam que criamos um padrão de comportamentos para cada situação específica. Nosso desenvolvimento teórico aborda as biografias de cada autor, suas publicações em conjunto e a Teoria da Formação da Personalidade desenvolvida por eles. Utilizamos livros e matérias para formar nosso referencial teórico. A teoria da Aprendizagem Social teve influência de outras teorias, sem perder seu foco, que seriam nossas características sendo modificadas e aprendidas pelas experiências vividas. 

Palavras-chave: Aprendizagem, Miller, Dollard.

1. Introdução

Este trabalho apresenta um estudo sobre os autores Neal Miller e John Dollard, responsáveis pela criação da Teoria da Aprendizagem Social. Dividiu-se o trabalho em 3 tópicos, sendo eles: A biografia dos autores, os livros publicados por eles, e a teoria sobre a formação da personalidade.

Esta breve pesquisa tem por objetivo desvendar um pouco sobre a teoria da Aprendizagem Social que foi proposta pelos autores citados, para que se pudesse pensar em uma construção aprendida e constantemente modificada sobre a personalidade, através de uma organização interior entre os estímulos recebidos e as recompensas geradas a partir de comportamentos escolhidos para determinadas situações.

Para uma melhor compreensão, organizou-se uma breve biografia dos autores, passando por sua formação, e rapidamente lembrando outras teorias com as quais eles também tiveram contato. Há também, um breve relato das principais obras que a dupla de autores realizou em conjunto, e para finalizar compilamos os principais conceitos da Teoria da Aprendizagem social sintetizada por eles.

2 Neal Miller e John Dollard: Biografia

Neal Elgar Miller nasceu em 3 de agosto de 1909, em Milwaukee, nos Estados Unidos. Teve sua formação como bacharel em Psicologia pela Universidade de Washington em 1931, seu mestrado pela Universidade Stanford em 1932, e tornou-se doutor (Ph.D) em psicologia em 1935 pela Universidade Yale. Fez seu pós doutorado  no Instituto de Psicanálise de Viena. Posteriormente, também especializou-se como psicólogo fisiologista (FRIEDMAN et al., 2004).

De 1932 a 1935 trabalhou como assistente em psicologia no Instituto de Relações Humanas, onde se tornaria instrutor e professor, entre os anos de 1936 a 1940. Entre 1942 e 1946 coordenou um projeto de pesquisa para a Força Aérea do Exército. Em 1950 tornou-se professor da Universidade Yale, onde permaneceu até 1966, quando foi para a Universidade Rockefeller, onde trabalhou por mais 15 anos, como professor e chefe do Laboratório de Psicologia Fisiológica. Em 1961 foi presidente da Associação Psicológica Americana. Morreu aos 92 anos, no dia 23 de março de 2002, em Hamden, também nos Estados Unidos (FRIEDMAN et al., 2004; HALL et al., 2000)

John Dollard nasceu em 29 de agosto de 1900, em Menasha, nos Estados Unidos. Em 1922, graduou-se na Universidade de Winsconsin. No ano de 1931, concluiu seu doutorado (Ph.D) em sociologia pela Universidade de Chicago. Em 1932 começou a lecionar antropologia na Universidade Yale, e no ano seguinte tornou-se professor de sociologia no Instituto de Relações Humanas. Em 1935 tornou-se pesquisador e em 1948, professor de psicologia. Estudou psicanálise no Instituto Psicanalítico em Berlim. Morreu com 80 anos, no dia 8 de outubro de 1980 (PERVIN et al., 2001; HALL et al., 2000).

John Dollard e Neal Miller ensinaram e trabalharam no Instituto de Relações Humanas, da Universidade Yale, que foi fundado em 1933, com o intuíto de explorar relações interdisciplinares entre psicologia, psiquiatria, sociologia e antropologia (ENGLER, 2009).

3. Principais Obras

O trabalho conjunto entre os dois autores, é apresentado em três obras. O primeiro, Frustration and Agression, de 1939, que foi publicada por vários membros do Instituto de Relações Humanas, incluindo Dollard e Miller, onde os autores analisaram a frustração e suas consequências. Esta obra integrou os conceitos de Estímulo-Resposta, formulações psicanalíticas e evidências antropológicas. O segundo, Social Learning and Imitation, de 1941, que foi uma tentativa de aplicar uma versão simplificada da teoria de Hull aos psicólogos sociais, e o terceiro, Personality and psychotherapy, de 1950, aos psicólogos clínicos ou da personalidade. (HALL et al., 2000)

4. Teoria Sobre a Formação da Personalidade

Assim como muitos pesquisadores da década de 30, Neal Miller e John Dollard foram fortemente influenciados por Clark Hull, professor da Universidade de Yale, onde eles se conheceram (FRIEDMAN, 2004).

A união de Dollard e Miller representava a dominância de praticamente todas as importantes teorias do estudo da personalidade da época, pois em sua trajetória, Miller já havia desenvolvido uma pesquisa de reforços ambientais com ratos – seguindo a linha behaviorista – e dado continuidade ao projeto de Hull sobre os impulsos internos. Além de ter trabalhado com essas duas vertentes, procurou compreender as grandes questões da psiqué levantadas por Freud. Dollard por sua vez era representante da abordagem sociológica e antropológica da psicologia social, com ênfase na natureza social ou relativa do self. Também realizou estudos ligados à psicanálise, em Berlim. A união de Dollard e Miller representava diferentes e importantes teorias, o que os levou a sintetizar a Teoria da Aprendizagem Social (FRIEDMAN, 2004).

A teoria proposta por esses dois autores estabelece uma hierarquia de reações aprendidas, que irá determinar padrões de comportamentos para situações específicas. A conexão entre estímulo e resposta é chamada de hábito, e o conjunto de nosso hábitos, e as relações entre eles, formam nossa personalidade (FRIEDMAN, 2004).

As vivências do indivíduo vão gerando probabilidades de respostas comportamentais para determinadas situações, com o objetivo de gerar recompensa através da manipulação entre a probabilidade de resposta para determinada ocasião e a recompensa gerada pelo comportamento exercido; Através da observação e avaliação do comportamento exercido e a recompensa gerada, o individuo vai desenvolvendo uma hierarquia de seus hábitos, determinando uma classificação pessoal para comportamentos. As teorias de aprendizagem acreditam que esta organização hierárquica é responsável por diferenças individuais que determinam o que chamamos de estilo de personalidade (MILLER E DOLLAR, 1941 apud FRIEDMAN, 2004).

Dentro da teoria da Aprendizagem Social temos o conceito dos impulsos secundários, que nos reporta a ideia de que a personalidade humana em toda a sua complexidade pode estar sendo moldada desde as primeiras fases na infância. A reflexão sobre o conceito de extroversão – o ato de relacionar-se com o outro – interliga-se ao primeiro ato do bebê como o de chorar para saciar o seu instinto que é a fome, ou seja, o alimento é a recompensa e o comportamento aprendido é o de chamar atenção através do choro. As crianças passam o tempo todo num processo de socialização aonde vão aprendendo e moldando seus impulsos e comportamentos (PERVIN, 2001; FRIEDMAN, 2004).

Como uma extensão dos conceitos de Hull, Dollard e Miller tentaram explicar alguns conflitos internos que podem resultar em comportamentos sintomáticos de algumas patologias. Desenvolveram assim alguns tipos de conflitos:

Conflito Aproximação-Esquiva: Origina-se quando o individuo é punido por seguir seu impulso; O que gera um conflito entre impulsos primários e secundários. Como consequência, condiciona o medo ao impulso primário, gerando ansiedade e comportamentos neuróticos (RANGÉ 1994; FRIEDMAN, 2004).

Conflito aproximação-aproximação: Este conflito se dá quando o individuo tem tendência positiva a ceder a dois estímulos e a escolha de um gera o abandono do outro, transformando  escolha em um momento conflituoso. Um exemplo é quando é necessário escolher entre comprar um carro ou realizar uma viagem, a escolha de uma alternativa elimina automaticamente a outra opção (RANGÉ, 1994).

Conflito esquiva-esquiva: Neste conflito o individuo encontra-se entre dois estímulos vistos de forma negativa, provocando confusão e indecisão na hora da escolha (RANGÉ 1994; FRIEDMAN, 2004).

Dollard e Miller propuseram ainda um conceito de comportamento agressivo que vem precedido de uma frustração, ou seja, a frustração precede a agressão. Após o estímulo que desencadeia a frustração no individuo, ele pode descarregar sua agressividade em outro individuo, e não no que disparou o estímulo. Essa observação assemelha-se a ideia de deslocamento proposta por Freud, mas nessa teoria o comportamento agressivo é visto de forma a ser desencadeado e vivenciado de forma diferente em cada situação e por cada indivíduo, podendo este comportamento ser aprendido ou extinguido (RANGÉ 1994; FRIEDMAN, 2004).

Essa teoria da construção da personalidade relacionada ao conceito de aprendizagem social procura integrar aspectos de outras teorias, mas sempre direcionando os conceitos para um olhar de origem aprendida, postulando que nosso conjunto de características vem sendo construído e modificado ao longo de nossas experiências comportamentais entre ações e reações desde o principio de nossa vida (FRIEDMAN, 2004)

“O bebê humano nu e impotente nasce com impulsos primários, como a fome, sede e reações à dor e ao frio. Entretanto, ele não tem muitos dos motivos que distinguem do adulto como membro de uma certa tribo,nação,classe social, ocupação ou profissão. Muitos impulsos extremamente importantes, como o desejo por dinheiro, a ambição de se tornar um artista ou um erudito e, particularmente,medos e culpas, são aprendidos durante a socialização.” (PERVIN, 2001, p.297 apud DOLLARD e Miller,1950, p.62).

5. Conclusão

A partir dessa pesquisa teórica pode-se observar que os autores John Dollard e Neal Miller, receberam influências de muitas teorias, mas mantiveram-se firmes em sua convicção de que desenvolvemos um padrão comportamental a partir de situações experienciadas.

A teoria da Aprendizagem Social nos remete a ideia de que estamos aprendendo nossos comportamentos desde os primeiros contatos com nossos estímulos e as recompensas que recebemos através de nosso comportamento. Isso propõe que desde o primeiro choro de fome e a primeira mamadeira recebida já estamos associando um estímulo com uma resposta que é capaz de gerar recompensa.

Para essa teoria, nossos comportamentos aprendidos vão se organizando através de uma hierarquia de hábitos, considerando que hábito é uma relação entre o estímulo recebido e a probabilidade de resposta para obter determinada recompensa.

É importante ressaltar que eles trazem uma ideia muito relevante sobre a agressividade, para Dollard e Miller o comportamento agressivo é uma reação a um estímulo frustrante, mas  normalmente a resposta agressiva não vai se dirigir a pessoa que estimulou  a frustração e sim a outra, salientando sempre que este tipo de resposta comportamental também poderá ser aprendido ou extinguido.

Vamos assim criando um conjunto de hábitos para determinadas situações que ao se relacionarem vão construindo e moldando nossa personalidade, portanto para essa teoria vivemos em constante evolução, estamos a todo momento criando e recriando padrões de comportamento através das situações que vivenciamos.

Referências:

Livros:

ENGLER, Barbara. Personality Theories. Disponível em: http://books.google.co.in/books?id=UHCdjI36q9cC&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false Acesso em: 27/10/2014

FRIEDMAN, Howard S.; SHUSTACK, Miriam W. Teorias da Personalidade: da teoria à pesquisa moderna. São Paulo, Prentice Hall, 2004.

HALL, Calvin S.; LINDZEY, Gardner; CAMPBELL, John. Teorias da Personalidade. Disponível em: http://books.google.com.br/books?id=iHYYyG0-a8IC&pg=PA422&lpg=PA422&dq=john+dollard+psicologia&source=bl&ots=TUxZFlk_jV&sig=l59Twsn0JSEFimUX6Dde2V6kmBw&hl=pt-BR&sa=X&ei=3n5OVMPfOpGm8QGJn4FY&ved=0CFMQ6AEwCw#v=onepage&q&f=false Acesso em: 29/10/2014

PERVIN, Lawrence A.; JOHN, Oliver P. Personalidade, teoria e pesquisa. Disponível em: http://books.google.com.br/books?id=e0l4prXA69kC&pg=PA296&lpg=PA296&dq=personalidade+e+psicoterapia+dollard&source=bl&ots=YRg3c6t-ix&sig=QFEXehg_9qmN2VrDQf8hie5tXtk&hl=pt-BR&sa=X&ei=oIZPVO_OCKOf8AGH6YCgDQ&ved=0CCEQ6AEwAA#v=onepage&q&f=false Acesso em: 28/10/2014

RANGÉ, Bernard. Bases filosóficas, históricas e teóricas da Psicoterapia Comportamental e Cognitiva. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/183927474/Bernard-Range-Bases-filosoficas-historicas-e-teoricas-da-Psicoterapia-Comportamental-e-Cognitiva Acesso em: 17/11/2014.

Websites:

http://psychology.wikia.com/wiki/John_Dollard Acesso em: 28/10/2014

http://www.yale.edu/opa/arc-ybc/v30.n25/story11.html Acesso em: 28/10/2014

http://www.nytimes.com/2002/04/02/nyregion/neal-e-miller-is-dead-at-92-studied-brain-and-behavior.html Acesso em: 28/10/2014

http://www.newworldencyclopedia.org/entry/Neal_E._Miller Acesso em: 30/10/2014