A Interferência dos Comportamentos Inadequados/Disfuncionais (Hiperativos e Impulsivos) no Processo de Ensino-Aprendizagem

(Tempo de leitura: 14 - 28 minutos)

Resumo: O presente artigo foi elaborado a partir de uma pesquisa bibliográfica, bem como da experiência vivenciada na escola através do estágio supervisionado de pós-graduação em neuropsicopedagogia clinica. Essa pesquisa tem como base teórica a abordagem neuropsicopedagógica. O objetivo desse artigo é de fazer um breve estudo sobre os comportamentos inadequado/disfuncionais (hiperativos e impulsivos) apresentados por crianças que possui TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade), bem como os prejuízos acadêmicos, sociais e afetivos desses na vida das mesmas. Descreveu-se também algumas práticas neuropsicopedagógicas que podem e devem ser desenvolvidas pelos pais e professores com a intenção de melhorar a aprendizagem e proporcionar a mudança de comportamento da criança.

Palavras-chave: TDAH. Desatenção. Hiperatividade. Impulsividade. Aprendizagem.

1. Introdução

O presente artigo é resultado de uma pesquisa bibliográfica, bem como da experiência vivenciada na escola através de um estagio supervisionado. O mesmo é um dos requisitos de avaliação para aprovação na disciplina Metodologia Científica, do Curso de Especialização em Neuropsicopedagogia Clinica da Instituição de Ensino CENSUPEG (Centro Sul-Brasileiro de Pesquisa, Extensão e Pós-graduação).

O objetivo desse artigo é de fazer um breve estudo sobre os comportamentos disfuncional/inadequado (hiperativos e impulsivos) apresentado por crianças que possui TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), bem como os prejuízos sociais, acadêmicos e afetivo desses na vida das mesmas.

Para atingir o objetivo, a presente pesquisa foi desenvolvida através de um referencial teórico embasado em vários autores renomados na área da neurologia, psicologia e pedagogia. Também foi descritas algumas práticas neuropsicopedagógicas para a família e a escola desenvolverem, com a intenção de melhorar a aprendizagem e proporcionar a mudança de comportamento da criança.

Segundo Ausubel (1982), para haver aprendizagem significativa é necessário primeiramente à disposição para aprender e depois o que deve ser aprendido tem que ser potencialmente significativo, ou seja, o significado lógico não depende somente da natureza do conteúdo, mas sim do significado psicológico que cada indivíduo dá ao mesmo.

Dessa forma pode-se entender que a aprendizagem está relacionada diretamente com o desejo, pois o ser humano só se dedica em aprender o que de fato tenha sentido em sua vida. A aprendizagem é muito mais significativa à medida que um novo conteúdo é incorporado às estruturas de conhecimentos e adquire significado para ele a partir da relação com seu conhecimento prévio.

O tema tratado nesse artigo é de extrema relevância, pois a cada dia que passa mais crianças são diagnosticadas no Brasil e no mundo com TDAH e na maioria das vezes os pais e professores desconhecem esse transtorno, além disso, não possuem habilidades para lidar com a criança, limitando a vida das mesmas em um âmbito geral.

A proposta na realização dessa pesquisa é para que se possa conhecer mais sobre esse transtorno, as possíveis causas e fatores desencadeantes bem como as intervenções terapêuticas disponíveis para melhorar a qualidade de vida dessas crianças.

2. História do TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) e Possíveis Causas/Fatores Desencadeantes

Quando eu nasci veio um anjo safado/
O chato dum querubim/
E decretou que eu tava predestinado/
A ser errado assim/
Já de saída a minha estrada entortou/
Mas vou até o fim.
“Até o Fim”
(Chico Buarque)
(SILVA, 2003. p 175).

De acordo com Silva (2003), desde 1902, quando foram realizados os primeiros estudos em relação ao TDAH , até os dias atuais, muita coisa mudou inclusive o nome do transtorno e as possíveis causas, fatores desencadeantes atribuídos. A autora diz ainda que apesar de toda evolução ocorrida nos últimos anos no processo de identificação do funcionamento do TDAH, o panorama no Brasil ainda é um tanto desanimador. Segunda ela milhares de crianças ainda sofrem desconfortos e são rotuladas em função dos impulsos ou hiperatividade física e/ou mental.

Segundo Kazdin (2002), foi a partir do século XIX que as ciências biológicas e físicas tiveram grande desenvolvimento no estudo do cérebro e sua relação com as funções humanas (p.ex., a fala, a memória e o comportamento), bem como o surgimento da psicologia da aprendizagem, como base crítica na compreensão do comportamento humano.

Para Solomon (2013), quando se refere aos fatores desencadeantes, ele sugere que devido á transmissão de identidade de uma geração para a seguinte, a maioria dos filhos compartilha ao menos alguma característica com os pais. São os chamados de identidades verticais. Ainda para o mesmo autor, atributos e valores são transmitidos de pai para filho através das gerações, não somente através da cadeia do DNA, mas também de normas culturais compartilhadas.

Muitas vezes, porém, a criança tem uma característica inata herdada ou adquirida diferente dos pais, é o que o autor chama de identidade horizontal. Essas identidades podem refletir genes recessivos, mutação aleatória, influencia pré-natais, ou valores e preferências que uma criança não compartilha com seus genitores. (SOLOMON, 2013).

Ainda de acordo com o mesmo autor as famílias tendem a reforçar as identidades verticais desde a primeira infância, mas muitas se opõem as horizontais dessa forma as identidades verticais em geral são respeitadas, enquanto que as horizontais são tratadas como defeitos.

Para Sampaio (2011), o TDAH, é um transtorno ligado ao desenvolvimento, acredita-se que as características e sintomas começam a ser apresentados pela criança desde cedo, antes dos seis anos de idade. Muitas possíveis causas do desenvolvimento do TDAH foram apresentadas ao longo de estudos realizados. Estas podem estar ligadas a fatores exógenos (pré-natal, perinatal e pós-natal) e endógenos (hereditariedade e ambiente).

Segundo Solomon (2013), os fatores ambientais podem alterar o cérebro, inversamente, que a química e a estrutura cerebral determinam em parte o quanto podemos ser afetados por influencias externas, no entanto é mais fácil para os pais tolerar as síndromes atribuídas à natureza do que aquelas consideradas resultado da criação.

De acordo com ABDA, (Associação Brasileira de Déficit de Atenção) o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico do desenvolvimento, com possíveis causas genéticas e fatores ambientais, que aparece na infância e frequentemente acompanham o indivíduo por toda a sua vida.

Segundo o DSM-IV-TR (2002) em relação ao padrão familiar o TDAH é encontrado com mais frequência nos parentes biológicos em primeiro grau do que na população em geral. Evidencias considerável atestam a forte influencia de fatores genéticos. No entanto, as influencias da escola, da família e dos pares também são cruciais na determinação do grau de comprometimento e comorbidade.

Em sua obra “Longe da árvore” Solomon (2013) relata ainda que as sociedades pré-industriais eram cruéis com aqueles que eram diferentes, mas não o segregavam; o cuidado dessas pessoas era de responsabilidade de suas famílias. Já as sociedades pós-industriais criaram instituições benevolentes para os deficientes, que muitas vezes eram levados para longe de casa ao primeiro sinal de anomalia.

Segundo Fuentes (2014), a complexidade da etiologia e a heterogeneidade clínica do TDAH vêm motivando o estudo de endofenótipos neuropsicológicos. Endofenótipos são traços herdados e mensuráveis, encontrados ao longo do caminho que liga um genótipo a transtornos neuropsiquiátricos complexos.

A área do cérebro mais atingida é o córtex pré-frontal com desordem nas substâncias químicas dos neurotransmissores: noradrenalina e dopamina. O TDAH se caracteriza por uma combinação de três tipos de sintomas: Desatenção; Hiperatividade; Impulsividade.

Na infância, em geral, se associa à dificuldade na escola e no relacionamento com demais crianças, pais e professores, comprometendo muito a área social, porque na maioria das vezes essas crianças são rejeitadas pelos colegas.

Segundo Knapp (2002), o TDAH é um transtorno do funcionamento de certas áreas do cérebro que comandam o comportamento inibitório, a capacidade de executar tarefas de planejamento, a memória de trabalho, determinando que o indivíduo apresente sintomas de desatenção, agitação e impulsividade: a tríade do transtorno.

Soares (2012) sugere também que o TDAH, em geral é multifatorial com alteração na região cerebral relacionado ao funcionamento de substâncias químicas chamadas de neutransmissores. Menciona ainda alguns fatores causais do TDAH, como: hereditariedade, substâncias ingeridas na gravidez, sofrimento fetal e exposição ao chumbo.

3. Comportamentos Disfuncionais, Inadequados (Hiperatividae/Impulsividade)

Quando os astronautas foram à lua/
Que coincidência eu também estava lá/
Fugindo de casa, do barulho da rua/
Para recompor meu mundo bem devagar/
Que lugar mais silencioso/
Eu poderia no universo encontrar/
Que não fosse de desertos da lua/
Pra recompor meu mundo bem devagar.
“No mundo da Lua”
(Biquíni Cavadão)
(SILVA 2003. p 19).

De acordo com ABDA, (Associação Brasileira de Déficit de Atenção) as crianças com TDAH são tidas como ''avoadas'', ''vivendo no mundo da lua'', geralmente são ''estabanadas'', com ''bicho carpinteiro'',''sem limites'', ''dispersos'',  ou ''ligados por um motor'', isto é, não param quietas por muito tempo. Os meninos tendem a ter mais sintomas de hiperatividade e impulsividade que as meninas, mas são todos desatentos.

O TDAH é definido por níveis prejudiciais de desatenção, desorganização e/ou hiperatividade. Desatenção e desorganização envolvem incapacidade de permanecer em uma tarefa, aparência de não ouvir e perda de materiais em níveis inconsistentes com a idade ou nível de desenvolvimento. Hiperatividade implica atividade excessiva, inquietação, incapacidade de permanecer sentado, intromissão em atividades de outros e incapacidade de aguardar – sintomas que são excessivos para a idade ou nível de desenvolvimento ( ROSSO, 2015. P. 86).

Ainda para a ABDA, (Associação Brasileira de Déficit de Atenção) na escola a criança com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) tem a tendência de responder aos professores com agressão, não respeitando limites, xingando e batendo nos colegas, não se concentrando e atrapalhando as aulas, o que prejudica seu rendimento escolar.

Segundo Silva (2003), enquanto a criança com TDAH convive apenas no meio familiar, muitas de suas características repousam em estado de latência. Porém as dificuldades maiores começam a surgir no âmbito escolar quando a criança é solicitada a cumprir metas, seguir rotinas, executar tarefas e for recompensada ou punida de acordo com a eficiência com que são cumpridas.

Ainda para a mesma autora nesse novo ajustamento a criança com TDAH, muitas vezes enfrentará dificuldades, principalmente quando o professor desconhece o problema e pode acabar concluindo que essa criança é irresponsável e rebelde. Acaba que por atrair a atenção do professor, porém de forma negativa.

Segundo Sampaio (2011), muitas crianças apresentam prejuízo acadêmico que, quando comparados ao potencial intelectivo, geram distorções no processo de investigação. O fracasso em suas vidas acadêmicas ocorre não por não serem capaz de aprender, mas por não conseguirem manter a atenção necessária para garantir a aprendizagem.

Ainda de acordo com Oliveira (1999), para que a atenção seja focalizada, devem ser inibidos outros impulsos sensoriais competitivos. Como a criança possui deficiência nos neurotransmissores inibitórios, não consegue realizar isso.

Segundo a mesma autora as alterações perceptuais possíveis são: auditivas, visuais, especiais, kinestésicas, audio-viso-espacais, viso-espaciais, viso-motoespacial, viso-motoras e espaço-motoras.

Para Brandão (2004), se a criança com TDAH não é convenientemente tratada, outros distúrbios somam-se a condição inicial. Assim poderão surgir atrasos de desenvolvimento na coordenação multissensorial e na linguagem, baixo desempenho em testes cognitivos e de distúrbios de aprendizagem e memória. As reações dos professores, colegas e autoimagem negativa podem transformar o ambiente escolar um lugar de infelicidade, frustração e de difícil inserção social.

As habilidades sociais de acordo com Caballo (2003) é um conjunto de comportamentos emitidos por um indivíduo em um contexto interpessoal que expressa os sentimentos, atitudes, desejos, opiniões ou direitos desse indivíduo, de um modo adequado à situação, respeitando esses comportamentos nos demais, e que geralmente resolve os problemas imediatos da situação enquanto minimiza a probabilidade de futuros problemas.

A dificuldade de inibir comportamento para o TDAH, ou seja, em esperar para responder, prejudica as seguintes funções executivas: memória de trabalho, internalização da palavra auto-dirigida, controle das emoções, motivação e estado de vigília e reconstituição.  A criança de modo geral cresce e desenvolve a capacidade de esconder alguns de seus sentimentos e comportamentos dos outros. Porém as crianças com TDAH não retêm essa habilidade e, por conseguinte, mostram muito publicamente o seu comportamento e suas palavras. (KNAPP, 2004).

Segundo Rosso (2015) o lobo frontal, contém a área motora, a área de broca, a área relacionada ao comportamento e a memória de trabalho. Essa área esta ainda relacionada ao planejamento e análise das ações futuras, relativas ao comportamento. Para a mesma autora, pessoas com lesões nessa área apresentam deficiência na formulação ou na execução de planos e no desempenho de tarefas que impõem um intervalo entre sua idealização e execução.

As principais habilidades que integram as funções executivas, além das mencionadas por Rosso (2015), estão o controle inibitório e monitoramento.  A regulação emocional diz respeito a um processo complexo caracterizado pela expressão de emoções de forma controlada e, sobretudo, de manejar sua intensidade e modular sua expressão de forma adaptativa em consonância com os vários contextos sociais. Para as pessoas que tem o TDAH esses comportamentos acima citados são tarefas difíceis de serem automonitoradas.

Para Sampaio (2011), a hiperatividade geralmente é o fator de maior ênfase em que detecta o TDAH. A caracterização predominante é a hiperatividade motora. Esta traz como consequência à dificuldade de permanecer muito tempo em um mesmo lugar. Ficar quieto para essas crianças é algo que gera muito estresse, daí o incomodo de estar por um longo período em sala de aula. Além disso, podem falar em demasia, principalmente em ambientes aonde o silencio é esperado. A hiperatividade é o sintoma gerador de insatisfação social.

Já a impulsividade que é outro comportamento característico do TDAH, gera dificuldades e frear uma resposta. É muito comum que a criança que tem esse déficit não conseguir esperar a sua vez nas mais diversas situações: interrompem conversas, dão respostas antes que a pergunta seja concluída, não aguardam a vez nas filas. (SAMPAIO, 2011).

4. Relações Ensino-Aprendizagem

Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo/
E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo/
Corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva/
E se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva/
Se um pinguinho de tinta cair num pedacinho azul do papel/
Num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu/
Vai voando, contornando a imensa curva Norte e Sul/
Vou com ela viajando Havaí, Pequim ou Istambul.
“Aquarela”
(Toquinho)
(SILVA 2003. p 90).

Para Sampaio (2011), o TDAH, é uma síndrome ligada ao desenvolvimento neurobiológico que interfere diretamente no comportamento, contudo, por desequilibrar os mecanismos de atenção e memória, muito utilizados na aprendizagem, o TDAH tem contribuído de forma considerável ao fracasso escolar.

Segundo Rosso (2015) para a psicologia do desenvolvimento a hereditariedade e o ambiente, a maturação e a aprendizagem são fatores que determinam o processo de desenvolvimento em todas as suas fases, as condições estruturais e orgânicas atuam simultaneamente com estímulos ambientais.

Ainda para a mesma autora o cérebro é a matéria prima para o processo de aprendizagem. É o principal responsável pela integração do organismo com seu meio ambiente. Se considerarmos a aprendizagem a resultante da interação do indivíduo com o meio ambiente, percebemos que é ele que propicia o arcaboso biológico para o desenvolvimento das habilidades cognitivas.

Em relação à dificuldade de aprendizagem Codo e Gazzotti (1999), relatam que o ato de educar, para ser um sucesso, necessita que uma relação afetiva se estabeleça, pois se o educando não se envolver, pode até fixar conteúdos sem uma aprendizagem significativa, mas tal não contribuirá no sentido de preparar para a vida futura, podendo ocasionar lacunas no processo de ensino-aprendizagem.

Dessa forma podemos entender que a aprendizagem está relacionada diretamente com o desejo, pois o ser humano só se dedica em aprender o que de fato tenha sentido em sua vida. A aprendizagem é muito mais significativa à medida que um novo conteúdo é incorporado às estruturas de conhecimentos e adquire significado para ele a partir da relação com seu conhecimento prévio. “O ideal da educação não é aprender ao máximo, maximalizar os resultados, mas é antes de tudo aprender a aprender; é aprender a se desenvolver e aprender a continuar a se desenvolver depois da escola. (PIAGET, apud. PILETTI, 2013, p. 65)”.

De acordo com Rosso (2015) as dificuldades de aprendizagem caracterizam-se por um funcionamento substancialmente abaixo do esperado, considerando a idade cronológica do sujeito e seu quociente intelectual. Explicar o mecanismo da aprendizagem é esclarecer a maneira pela qual o ser humano se desenvolve, toma conhecimento do mundo em que vive, organiza sua conduta e se ajusta ao meio físico e social.

Vindo de encontro ainda com a questão da aprendizagem, Sampaio (2011), relata que, infelizmente, muitas crianças e adolescentes apresentam concomitantemente ao TDAH outros transtornos ligados à saúde mental. A associação de um transtorno a outro chama-se comorbidade e os mais comuns são: agressividade, transtorno de conduta, transtorno desafiador opositor, dislexia e discalculia.

De acordo com Piletti (2013), a educação é vista como algo importante na vida da pessoa, tendo em vista que a mesma consiste em um arranjo de contingências de reforço sob os quais o educando aprende, lembrando que a educação está relacionada com a cultura na qual o indivíduo está inserido.

Ainda para o mesmo autor, o reforço positivo que falta muito em sala de aula, é mais eficaz do que a punição quando se quer alterar comportamento, quando se quer que algo seja aprendido. Além disso, a punição desvia a atenção para o comportamento indesejável, ao invés de indicar comportamento desejável.

No processo de educação também cabe ao mestre um papel mais ativo: o de cortar, talhar e esculpir os elementos do meio combiná-los pelos mais variados modos para que eles realizem a tarefa de que ele, o mestre, necessita. Desse modo, o processo educativo já se torna trilateralmente ativo: é ativo o aluno, é ativo o mestre, é ativo o meio criado entre eles. (VIGTSKI, apud. PILETTI 2013, p. 81).

Segundo Sampaio (2011), vale lembrar que o TDAH, é um transtorno neurobiológico e não de aprendizagem, contudo, por comprometer significativamente a atenção, acaba por acarretar prejuízos acadêmicos significativos à criança ao longo de sua vida escolar.

De acordo com Antunes (2014), todas as nossas inteligências, nada mais são do que segmentos componentes de uma ecologia cognitiva que nos engloba. O indivíduo, portanto, não seria inteligente sem sua língua, herança cultural, ideologia, crença, escrita, seus métodos intelectuais e outros meios do ambiente.

Ainda de acordo com o mesmo autor as aprendizagens e as bases destas são alicerçadas nos primeiros anos de vida e são essências para o desenvolvimento humano apresentando períodos sensíveis, ou seja, períodos em que a aprendizagem de habilidades ou desenvolvimento de aptidões e competências se faz de modo mais facilitado, são as famosas “janelas de oportunidades”.

As “janelas de oportunidades” segundo Antunes (2014) estão escancaradas em determinadas faixa etárias, a partir do momento em que a criança passar da idade apontada como o momento mais propício para a aprendizagem de determinados conteúdos/coisa, as janelas vão se fechando, porém vale lembrar que a aprendizagem fica mais lenta, mais dificultosa, mas não impossível.

Para Soares (2012), toda criança, inclusive as que apresentam qualquer tipo de “problema”, tem condições de aprender se for submetida a um tratamento adequado, dentro dos limites de seu nível mental e grau de maturidade.

5. Possíveis Métodos de Tratamento

Estamos meu bem, por um triz/
Pro dia nascer feliz/
O mundo inteiro acordar/
E a gente dormir.
“Pro dia nascer feliz”
(Cazuza e Frejat)
(SILVA 2003. p 159).

A Neuropsicopedagogia é uma área de conhecimento e pesquisa na atuação interdisciplinar, voltada para os processos de ensino-aprendizagem, que integra avaliação e a intervenção em situações que envolvam esses processos no plano individual ou coletivo.

Para Rosso (2015) a neuropsicologia faz uso de instrumentos especificamente padronizados para a avaliação das funções neuropsicológicas, envolvendo principalmente as habilidades de atenção, percepção, linguagem, raciocínio, abstração, memória aprendizagem, habilidades acadêmicas, processamento da informação, visuoconstrução, afeto, funções motoras e executivas.

Partindo do conhecimento dessa prática e da intervenção direta, participativa e ainda do embasamento teórico de vários autores conceituados na área da psicologia, neurologia e pedagogia, pode-se dizer que o trabalho para auxiliar uma criança deve ser multidisciplinar. O tratamento não pode acontecer de forma unilateral, ou seja, apenas focando a criança, mas sim de forma profunda, atingindo a criança, a família, a escola em suas necessidades particulares de adaptações.

De acordo com Soares (2012), há casos de TDAH que podem ser enfrentados apenas com tratamento psicoterápicos, mas muitas vezes há necessidade de medicação/estimulantes para tratar a base orgânica.

Considerando que o TDAH além dos demais fatores desencadeantes tem-se os fatores ambientais, Gomide (2004), sugere que o modelo de comportamento dos pais é a principal fonte de novos comportamentos da criança, desde a forma de falar, vestir e comer. Pais e professores devem evitar que seus humores sejam um fator decisivo na forma de aplicar regras, disciplinar a criança e dar exemplo.

Ainda para a mesma autora, as regras e formas de castigo e punição devem ser acordadas entre os pais e revistas a cada fase do desenvolvimento da criança, para evitar a confusão na criança e a escolha por um parente preferido por tratá-lo com libertinagem, ou seja, dar-lhe todas as liberdades para fazer o que quiserem quando e como quiserem.

Gomide (2004), em sua obra Pais Presentes, Pais Ausentes relata que uma das principais práticas parentais positivas é a Monitoria Positiva, na qual os pais são os principais mediadores da criança com o mundo, é através deles que a criança aprende o que é certo e errado, como agir e reagir, como mudar o mundo. A Monitoria Positiva é demonstrar carinho, dar atenção, amor aos filhos, elogiar suas conquistas não importando sua dimensão e momento, é deixar de lado todas as dificuldades e ajudá-lo em todos os aspectos.

Ainda de acordo com a mesma autora uma prática parental negativa muito presente em nossa sociedade independente de classe social é a Negligência, ela é caracterizada pela desatenção, ausência, descaso, omissão ou falta de amor. É considerado o principal fator para o desencadeamento de comportamentos antissociais, e está muito associada à história de vida de usuários de álcool, drogas e adolescentes com comportamento infrator. A negligência está presente em pais que trabalham demais e não participam da vida dos filhos.

Crianças negligenciadas são frágeis, não receberam afeto suficiente, são apáticas ou agressivas, segundo Gomide (2014) essas crianças crescem acreditando que são más, em alguns casos podem sofrer cárcere privado por conta de seus pais e ficarem presas em suas próprias casas. Em casos extremos de negligência, é possível o surgimento da psicopatia, de serial killers (assassinos em série), entre outros tipos de perpetuadores de violência grave.

Segundo Sampaio (2011), não existe “receita” ou solução para tratar os problemas de aprendizagem. Quando se fala em TDAH, encontramos uma diversidade extensa, pois o número de combinações entre os sintomas é diverso. Além disso, existem as particularidades em cada caso. Contudo de acordo com a mesma autora, pode-se pensar em estratégias que certamente auxiliarão a criança na adaptação ou universo escolar.

Ainda para Sampaio (2011), o trabalho voltado à formação familiar assim como o de apoio as necessidades de equilibrarão são de fundamental importância para o sucesso da criança, bem como para a harmonia do lar.  Para tanto o primeiro passo é esclarecer para os pais sobre o TDAH, as possíveis causas, o desenvolvimento e como agir em diferentes situações que possam ocorrer.  

A ABDA, (Associação Brasileira de Déficit de Atenção) relaciona algumas práticas que podem ser aplicadas para melhorar o comportamento, bem como o aprendizado da criança que tem o TDAH:

a) Para os pais:

1- Reforçar o que há de melhor na criança.

2 - Procurar conversar sempre com a criança sobre como está se sentindo.

3 - Aprender a controlar a própria impaciência.

4 - Estabeleça regras e limites dentro de casa.

5- Não esperar ‘’perfeição’’.

6 - Não cobre resultados, cobre empenho.

7- Elogie! O estímulo nunca é demais.

8 - Manter limites claros e consistentes, relembrando-os frequentemente.

9 - Use português claro e direto, de preferência falando de frente e olhando nos olhos.

10 - Não exigir mais do que a criança pode dar: deve-se considerar a sua idade.

11 - Não sobrecarregar a criança com excesso de atividades.

12 - Tenha contato próximo com os professores para acompanhar melhor o que está acontecendo na escola.

13 - Dar tarefas menores que possam ser realizadas mais facilmente e em menor tempo.

b) Para a escola/professor (a):

1 – Quando o professor der alguma instrução, pedir ao aluno para repetir as instruções.

2- Quando o aluno desempenhar a tarefa solicitada ofereça sempre um feedback positivo (reforço) através de pequenos elogios e prêmios.

3 - Os feedback e elogios devem acontecer SEMPRE E IMEDIATAMENTE após o aluno conseguir um bom desempenho compatível com o seu tempo e processo de aprendizagem

4 – NÃO criticar e apontar em hipótese alguma os erros cometidos como falha no desempenho.

5 - Alunos com TDAH precisam de suporte, encorajamento, parceria e adaptações.

 6- A atitude positiva do professor é fator DECISIVO para a melhora do aprendizado.

7 – Na medida do possível, oferecer para o aluno e toda a turma tarefas diferenciadas.

8 – Optar por, dar aulas com materiais audiovisuais, computadores, vídeos, DVD.

9 – Utilizar a técnica de “aprendizagem ativa: trabalhos em duplas, respostas orais”.

10 - Mudar as mesas e/ou cadeiras para evitar distrações. Não é indicado que sentem junto a portas, janelas. Mas que sentem nas primeiras fileiras.

11 – Usar sinais visuais e oral Exemplo: o professor combina com o aluno que todas as vezes que percebê-lo desatento durante as atividades, colocará levemente a mão sobre seu ombro para que ele possa retomar o foco das atividades.

12 – Etiquetar, iluminar, sublinhar e colorir as partes mais importantes de uma tarefa, texto ou prova.

c) Inibição e Autocontrole:

1 – Buscar sempre ter uma postura pró-ativa.

2 - Identificar no ambiente de sala de aula quais são os piores elementos distratores (situações que provocam maior desatenção) na tentativa de manter o aluno o mais distante possível.

3- Permitir que o aluno se levante em alguns momentos.

4 – Realizar alguma atividade motora Exemplo: pedir que vá ao quadro (lousa) apagar o que está escrito solicitar que vá até a coordenação buscar algum material, etc.

5 - Ou mesmo permitir que vá rapidamente ao banheiro ou ao corredor beber água.

6 Considerações Finais

A partir dessa pesquisa, a qual teve como objetivo fazer um breve estudo sobre os comportamentos disfuncional/inadequado (hiperatividade e impulsividade) apresentado por crianças que possui o TDAH, (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade), bem como os prejuízos acadêmicos, sociais e afetivos desses na vida das mesmas, percebe-se que apesar de toda informação que se tem nos dias atuais sobre os vários tipos de transtornos de aprendizagem, ainda há muito desconhecimento por parte dos profissionais da área da saúde e educação.

Percebe-se ainda que por falta de informação dos professores e das escolas não possibilita muitas vezes uma identificação precoce e, quando ocorre, geralmente houve perdas significativas de conteúdos que garantiriam a base da vida acadêmica. Ao mesmo tempo, a estrutura rígida imposta pelas instituições não proporciona adaptações que, muitas vezes são simples e que favoreciam a todos, caso fossem de fato implantadas.

Para Silva 2003, só existe um caminho para ajudar essas crianças que sofrem em função do TDAH, é a informação através da educação para o grande público, pais e educadores principalmente. Sendo assim, o objetivo ao escrever sobre o tema foi de mostrar para as pessoas que tenham interesse nessa área, que possuem ou convivem com alguém que tem esse transtorno, que existem muitas formas de controlar, superar e viver melhor socialmente, porém há necessidade de buscar ajuda.

Aprender a controlar os sintomas é o passo crucial para o desenvolvimento acadêmico da criança que apresenta o transtorno do TDAH, porém isso só vai ser possível por meio de encaminhamentos adequados e da colaboração da escola, pois é nesse espaço que a criança permanece a maior parte do dia. Sendo assim, o professor precisa desenvolver um “olhar clínico” mais apurado em relação ao avanço acadêmico dos seus alunos.

Percebe-se que não há milagres na área de tratamento dos transtornos e dificuldades de aprendizagens. O que há é uma forma eficiente de tratamento que depende também da motivação e empenho do indivíduo que está com esse sofrimento. Se o tratamento for feito de modo consistente, a resposta positiva pode ser apenas uma questão de tempo.

Referências:

ABDA – Associação Brasileira do Déficit de Atenção – Como diagnosticar crianças e adolescentes – em <http://www.tdah.org.br/diag01.php. Acesso em 29/11/15.

ANTUNES, Celso. As inteligências múltiplas e seus estímulos. 17 ed. Campinas SP. Ed. Papiros, 2012.

AUSUBEL, David. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Ed. Moraes, 1982.

BRANDÃO, Marcos lira. As bases biológicas do comportamento: introdução á neurociência. São Paulo. Ed. EPU, 2004.

CABALLO, Vicente E. Manual de Avaliação e Treinamento das habilidades sociais. 1ª ed. São Paulo. Ed. Livraria Santos, 2003.

________. Terapia cognitivo-comportamental na prática psiquiátrica. Porto Alegre. Ed. Artmed, 2004.

CODO, Wanderley, e GAZZOTTI, Andréa A. Trabalho e Afetividade. In: Codo, Wanderley. (Org). Educação: carinho e trabalho. Burnout, a síndrome da desistência do educador, que pode levar à falência da educação. Petrópolis: Vozes/ Brasília. Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação: Ed. Universidade de Brasília. S/d.

 DSM-IV-TR – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 4ª ed. Porto Alegre: Ed. Artmed, 2002.

FUENTES, Daniel. Orgs. Neuropsicologia: teoria e prática. 2ª ed. Porto Alegre. Ed. Artmed, 2014.

GOMIDE, Paula Inês Cunha.  Pais Presentes, Pais Ausentes – Regras e Limites.  Petrópolis. Ed. Vozes, 2004.

KNAPP, Paulo. Terapia cognitivo-comportamental no transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: manual do paciente. Porto Alegre. Ed. Artmed, 2002.

MACKAY, William. Neurofisiologia sem lágrimas. Ed. Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa, 1999.

OLIVEIRA, Maria Aparecida Domingues de. Neurofisiologia do comportamento. Canoas. Ed. ULBRA, 1999.

KAZDIN, Alan E. Aspectos Conceituais e Empíricos da Terapia Comportamental. CABALLO, Vicente E. (Org.). Manual de técnicas de terapia e modificação do comportamento. São Paulo-SP. Ed. Com. Imp. Ltda, 2002.

PILETTI, Nelson. Psicologia da Aprendizagem: da teoria do condicionamento ao construtivismo. 1ª ed. São Paulo. Ed. contexto, 2013.

RUSSO, Rita Margarida Toler. Neuropsicopedagogia clínica: introdução, conceitos, teoria e prática – Curitiba. Ed. Juruá, 2015.

SAMAPAIO, Simaia. FREITAS, Ivana Braga. Orgs. Transtornos de Dificuldades de Aprendizagem: entendendo melhor os alunos com necessidades educativas especiais. Rio de Janeiro. Ed. Wak, 2011.

SILVA, Ana Beatriz. Mentes Inquietas: entendendo melhor o mundo das pessoas distraídas, impulsivas e hiperativas. São Paulo. Ed. Gente, 2003.

________.Mentes e Manias: entendendo melhor o mundo das pessoas sistemáticas, obsessivas e compulsivas. São Paulo. Ed. Gente, 2004.

SOARES, Alessandra Elisa. Neuropsicologia para o novo milênio. Vol. 01. São Paulo. Ed. All Print, 2012.

SOLOMON, Andrew. Longe da árvore: pais, filhos e a busca da identidade. 1ª ed. São Paulo. Ed. companhia das letras, 2013.

WEISS, Maria Lúcia Lemme. Psicopedagogia Clínica – uma visão diagnóstica dos problemas de aprendizagem escolar. Rio de Janeiro. Ed. Lamparina, 2008.

Leia mais com Kindle

Tenha a melhor experiência de leitura com seus livros em um Kindle.

Curso online de

Psicologia Clínica

 Psicologia Clínica

Curso 100% online e com certificado de 80 Horas

Boletim por e-mail

Junte-se aos mais de 98.210 leitores que recebem nosso boletim eletrônico:


Parceiros

Portal Psicologia