(Tempo de leitura: 22 - 44 minutos)

Resumo: Na perspectiva psicanalítica, onde se enfatiza a dimensão da subjetividade, concebe-se que uma verdadeira relação de objeto se estabelece quando a criança se arranja bem com a alternância da presença-ausência da mãe, elemento este fundamental para a aquisição da consciência do eu e do não-eu. No caso de autismo infantil, compreendido como uma falha no processo de subjetivação, esta consciência do eu e do não-eu está comprometida. Esta pesquisa tem como objetivo investigar a significação dos objetos autísticos e transicionais no processo de subjetivação destas crianças submetidas ao acompanhamento psicológico e os efeitos de seus desdobramentos na relação transferencial com o terapeuta, visto que estes objetos fornecem indícios sobre a elaboração (ou não) do processo de separação-individuação da criança frente à mãe. Foi realizada uma pesquisa empírica em torno desta temática, tomando como referencial teórico a psicanálise, na qual foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com psicólogos e/ou psicanalistas que atuam na clínica do autismo. A partir desta coleta, os dados foram analisados em termos de seu conteúdo em quatro subtópicos: como as crianças usam os objetos; objetos autísticos; objetos transicionais e a migração do uso de objetos de uma forma autística para uma forma transicional. Concluiu-se que é possivel apontar avanços no quadro clínico destas crianças em decorrência do processo terapêutico, que podem se revelar em uma maior abertura ao outro e no uso simbólico e funcional destes objetos.

Palavras-chave: autismo, objeto autístico e transicional, psicanálise.

(Tempo de leitura: 15 - 30 minutos)

Resumo: O presente trabalho apresenta um estudo que tem o objetivo de investigar como se ajusta criativamente a criança que é educada pelos avós, como a mesma vivencia essa experiência e como se inter-relaciona no mundo. Para isto foi feita uma análise exploratória para obter mais informações sobre o tema e foi constatado que se a relação for cuidadosa e amorosa a criança pode se ajustar de forma saudável, se for ao contrário, não houver aceitação da nova relação a mesma pode realizar ajustamentos criativos disfuncionais que podem gerar conflitos e sofrimentos para todos os membros.

Palavras-Chave: Criança, desenvolvimento, ajustamento criativo, família, papéis familiares, relação intergeracional.

(Tempo de leitura: 11 - 21 minutos)

Resumo: este trabalho foi realizado através de uma revisão da literatura constituída por livros e artigos, abordando a violência doméstica infantil existente na raça humana desde os tempos mais remotos. A violência doméstica é um conjunto de atitudes agressivas do ser humano contra outro ser humano, seja pela força física ou não. A violência doméstica é acima de tudo uma relação desigual de poder, onde o mais forte subjuga e abusa do mais fraco. Torna-se importante o conhecimento do que venha a ser a violência doméstica, como fenômeno protegido por um muro de silêncio e suas possíveis consequências. A pesquisa tem como objetivo aprimorar ideias e proporcionar maior familiaridade com o problema, relatando o histórico das práticas da violência doméstica na infância, como também definir diferentes tipos de violência, especificamente buscando compreender esse fenômeno, e o impacto que este causa no desenvolvimento da psiquê do sujeito agredido, enfatizando o papel do psicólogo na problemática.

Palavras-chave: Infância, Violência Doméstica, Agressor, Sobrevivência Emocional.

(Tempo de leitura: 13 - 25 minutos)

Resumo: A cliente, que chamarei de Amanda chegou à terapia queixando-se de crises de ansiedade, compostas de ataques de pânico, sudorese e pensamentos de morte. Observou-se também ao longo do processo psicoterápico, baixa auto- estima, falta de repertório de auto-observação e tatos descritivos. No presente artigo haverá a descrição das hipóteses, intervenções e resultados alcançados. Tendo inicio intervenções focadas nas crises de ansiedade devido à hipótese de Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) e posteriormente intervenções focadas para o desenvolvimento de novos repertórios comportamentais, com ênfase na relação terapêutica, como método de intervenção, tendo como resultados aumento do repertório de auto-observação e tatos descritivos.

Palavras-chave: terapia analítico comportamental, auto-observação, tatos descritivos, relação terapêutica.

(Tempo de leitura: 17 - 34 minutos)

Resumo: Este artigo trata-se de dois assuntos de grande preconceito e negação da nossa sociedade, pois, a velhice e a morte são consideradas como algo não desejável. O objetivo desse artigo foi de dar voz aos longevos e compreender como eles lidam com o fato de que estão mais próximos da própria finitude. Foi possível concluir que tanto as relações sociais como a espiritualidade tem grande influência na forma como eles lidam com a aproximação do fim da vida. Alguns teóricos, tanto da psicologia como da filosofia, foram utilizados para uma melhor compreensão sobre o tema.

Palavras-chave: Velhice, Morte, Finitude, Preconceito.

(Tempo de leitura: 28 - 55 minutos)

Resumo: Buscou-se neste trabalho discutir o Autismo e seus enfoques de identificação e tratamento. A palavra autismo vem do grego “autos” que significa a “de si mesmo” ou “próprio” e começou a ser usada em 1906. O autismo se apresenta como uma anormalidade específica à condição cerebral, de origem complexa, assumindo-se como um transtorno no seu desenvolvimento comportamental.Este trabalho é resultado de uma pesquisa de natureza bibliográfica de caráter qualitativo. Ao longo do desenvolvimento do artigo pode ser percebido os inúmeros programas e métodos que existem para lidarem com o Transtorno do Espectro do Autismo. As técnicas ABA e TEACCH, cada qual com suas características, mas podendo trabalhar em conjunto; são amplamente utilizadas e respaldadas não somente pelos profissionais que as desenvolveram, mas também pelas instituições que fazem delas instrumentos de capacitação e socialização autista.

Palavras-chave: Autismo, Asperger, Transtorno do Espectro Autista, Psicologia Clínica

(Tempo de leitura: 13 - 26 minutos)

Resumo: O presente artigo tem como proposta explanar a distinção da timidez e do fóbico social, pois ambos percorrem caminhos tênues. O primeiro se apresenta na forma de não oferecer grandes prejuízos nas habilidades sociais, mas que podem ser um dos preditores no desenvolvimento da fobia social. Já o segundo é um transtorno de ansiedade (fobia social) intensamente prevalente, e que está dividido em subtipos: generalizado  ou  restrito/não  generalizado.  Significações que serão esclarecidas no decorrer  desse  artigo,  e que na carência de  tratamento,  exibem  um  curso  cíclico, incapacitante. Através do divertido mundo cinematográfico, foi concretizada uma breve apreciação do aspecto comportamental do personagem do filme Adaptação, muito bem representado pelo ator Nicolas Cage. Para essa análise diagnóstica fictícia utilizamos como base fundamental o Manual de Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais DSM-IV-TR da American Psychiatric Association (2003), seguido de alguns teóricos.

Palavras-chave: Cinema e Loucura, Fobia Social, Analogia Diagnóstica.

(Tempo de leitura: 12 - 24 minutos)

Resumo: O ciúme é um tema que gera muita discussão na população em geral. Ele é um sentimento egoísta onde a pessoa que está acometida desse mal se sente incapaz de obter a atenção da pessoa amada. Neste artigo, foi realizada uma revisão de literatura em outros artigos e livros, além de revistas e sites relacionados ao tema, e será discorrido sobre os três tipos de ciúmes, Normal, o Neurótico e o Delirante (Paranóico). Onde o normal é aquele que ocorre quando a pessoa amada dá motivo para o parceiro sentir ciúmes. O neurótico é aquele cujo o sentimento de angústia é permanente. Aqui o ciumento tem consciência de que seu ciúme é exagerado, mas não consegue se controlar. E o terceiro caso, onde é visto como o mais grave e de maior preocupação, pois é aquele onde o indivíduo fantasia uma possível traição podendo ser agressivo e até mesmo cometer insanidades contra o parceiro. Além disso, falará sobre o ciúme e sua divergência entre Homens e Mulheres; quando o ciúme se torna patológico e necessita de Tratamento Psicológico e/ou Psiquiátrico para uma melhora significativa do quadro; as causas do ciúme e por fim as consequências que este sentimento pode trazer no relacionamento conjugal

Palavras-chave: Ciúmes, Ciúme Patológico, Relacionamentos Conjugais.

Leia mais com Kindle

Tenha a melhor experiência de leitura com seus livros em um Kindle.

Curso online de

Psicoterapia Breve Dinâmica

 Psicoterapia Breve Dinâmica

Curso 100% online e com certificado de 60 Horas

Boletim por e-mail

Junte-se aos mais de 98.210 leitores que recebem nosso boletim eletrônico:


Parceiros

Portal Psicologia