A Depressão do Adolescente no Meio Familiar

A Depressão do Adolescente no Meio Familiar
4.4444444444444           Avaliação 4.44 (9 Avaliações)
(Tempo de leitura: 8 - 16 minutos)

Resumo: O presente estudo visa entender como um adolescente com depressão pode afetar toda a família e ser afetado por suas relações. A classificação e as características do Transtorno Depressivo Maior (TDM) podem ser encontradas no DSM-IV (Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais). Esta pesquisa é uma Revisão Sistemática Integrativa, por meio de sites e referências acerca da depressão no meio familiar com o objetivo de mostrar como o adolescente depressivo afeta e é afetado pelo meio familiar. As referências encontradas foram buscadas com o objetivo de avaliar o resultado de uma pesquisa feita com adolescentes, e os sites que mostram um conjunto de pesquisas, depoimentos e citações de médicos e psicólogos, vão conduzir a construção desse estudo.

Palavras-chave: Depressão, Família, Relacionamentos, Adolescência.

1. Introdução

A depressão é uma doença que gera mudança de humor, levando à tristeza, irritabilidade, perda de prazer em atividades do dia a dia, gerando assim, a perda do sentido de vida. Sendo um dos transtornos mentais que mais incapacita o ser humano, a depressão vem crescendo cada vez mais no Brasil e no mundo. No país, temos 5,8% da população diagnosticada, com um total de 11,5 milhões de brasileiros, sendo em sua maioria os jovens. Os adultos que também vivenciam a depressão em suas vidas, tiveram a primeira crise de depressão durante a adolescência, muitas vezes essa crise não sendo reconhecida, sabendo que na adolescência a família tem grande influência na vivência do jovem, podendo muitas vezes ser a desencadeadora de tais sintomas ou responsável por mantê-los. 

A adolescência é um período de grandes mudanças entre a fase da infância e a fase adulta, onde o sujeito irá passar por desenvolvimento biológico, social e psicológico. Além disso, a busca pela independência, desenvolvimento dos direitos e deveres, entre outros fatores, influenciam na construção da personalidade do adolescente, podendo influenciar e ser fator de risco para o desenvolvimento de um quadro depressivo. Diante disso, o presente estudo vem propor o questionamento sobre até que ponto a família pode influenciar e até onde os familiares são afetados pela depressão, tomando como referência artigos, pesquisas e alguns sites, que vão mostrar fatores estressantes que podem ser o gatilho para uma crise, como conflitos em relacionamentos amorosos, ambiente hostil, doenças físicas, sexo, perdas, conflito familiar, dentre outros. Um dos estudos tomados como base é o “Baptista MN, Oliveira AA - Sintomatologia de depressão e suporte familiar em adolescentes: um estudo de correlação. Rev Bras Cresc Desenv Hum 2004”.

“Muitos apresentam a primeira crise de depressão durante a adolescência, apesar de nem sempre ela ser reconhecida. Segundo os especialistas, a depressão comumente aparece pela primeira vez em pessoas com idade entre 15 e 19 anos. De fato, observou-se nas duas últimas décadas um aumento muito grande do número de casos de depressão com início na adolescência (PFIZER, 2017).”

É um estudo que faz uma Revisão Sistemática Integrativa, analisando artigos, sites e pesquisas, com o objetivo de investigar qual o impacto que a depressão de um membro pode gerar em toda a família, levantando dados de pesquisas apresentadas e artigos produzidos. Desse modo, o estudo tenta proporcionar um melhor esclarecimento de como a depressão afeta o sujeito, para levar a família a um maior conhecimento para preservar as relações familiares e proporcionar uma melhor relação sujeito depressivo e família.

A pouca produção acadêmica sobre o tema a ser estudado foi uma dificuldade na produção desta pesquisa, tendo como maiores referências sites em geral, sobre o tema em si foi encontrado apenas um artigo que fala diretamente sobre a depressão e o apoio familiar.

2. Metodologia

O presente estudo trata-se de uma pesquisa de Revisão Sistemática Integrativa, que tenta levar a um maior conhecimento das formas que a depressão de um sujeito vai afetar o meio familiar e como esse meio pode impulsionar, ou não, a depressão, e as formas como a família lida e pode conviver para uma melhor vivência de ambos.

A pesquisa utiliza-se da revisão sistemática integrativa, com a leitura e análise de artigos e sites encontrados, revisando e comparando os dados e informações apresentadas em cada uma das referências encontradas, permitindo um maior alcance sobre as informações procuradas.

Esta forma de estudo leva a um alcance maior das informações, com a revisão de artigos e sites encontrados, proporcionando uma ampla visão do que se tem como objetivo, absorvendo maior conhecimento e compreensão do que está sendo abordado, recolhendo as informações encontradas, comparando, analisando, linkando um estudo a outro gerando um resultado mais abrangente.

Para o início do estudo, foi definido primeiro qual a questão a ser desenvolvida, as formas de pesquisa e o objetivo a ser encontrado, a extração das informações encontradas, a análise dos artigos e sites, a junção de informações relevantes do que foi analisado e a conclusão das avaliações.

A pesquisa gerou resultados de artigos de sites, mas poucos tratavam do tema buscado de forma mais clara, vários temas como depressão pós-parto, resiliência na adolescência, desigualdade social e depressão, mas poucos artigos encontrados que tratavam da depressão na adolescência e envolvendo a relação familiar. Dos artigos encontrados e selecionados foi feita uma leitura, análise e uma divisão de tópicos, expondo as informações que mais se destacaram e se apresentam como importantes para a discussão do tema proposto.

Figura 01 – Página de resultados da pesquisa no Portal de Periódicos CAPES/MEC  

a-depressao-do-adolescente-no-meio-familiar-img1

No portal de Periódicos CAPES, realizou-se a leitura dos artigos que citavam depressão, adolescência e família, os que não apresentavam os três requisitos não foram analisados, dos resultados apresentados pelo portal, poucos juntavam no mesmo artigo essas características.

Figura 02 – Página de resultados da pesquisa no Google Acadêmico

a-depressao-do-adolescente-no-meio-familiar-img2

Na pesquisa feita no Google Acadêmico o mesmo critério foi utilizado, buscou-se resultados que apresentavam nas descrições os três requisitos: depressão, adolescência e família; também tendo poucos resultados envolvendo os três pontos a serem buscados para o estudo. Também foram buscados no google sites com pesquisas acerca da depressão e relacionando com a família do sujeito, foi feita a análise e comparação de resultados encontrados nesses sites, mas com pouco resultados encontrados.

Figura 3 – Página de Resultado de Pesquisa do Catálogo de Teses e Dissertações CAPES

a-depressao-do-adolescente-no-meio-familiar-img3

Na pesquisa feita no catálogo, foi encontrado pouco material contendo as descrições de depressão, adolescência e família, foram selecionados para análise artigos que falavam sobre a depressão em outras realidades, mas que em seu contexto geral envolviam adolescente e família ou apenas uma das características.

Foram obtidos resultados com a análise das publicações encontradas em todos os meios de pesquisa, google, google acadêmico, catálogo de teses e dissertações CAPES e portal de periódicos CAPES, comparando os dados e informações encontradas em cada artigo ou site lido, levando a informações e conclusões mais concretas.

Tabela 01.

TÍTULO DO ARTIGO

TÍTULO DO PERIÓDICO

ANO DE PUBLICAÇÃO

INSTITUIÇÃO SEDE DE ESTUDO

AUTOR

Sintomatologia de depressão e suporte familiar em adolescentes: um estudo de correlação

Rev Bras Cresc Desenv Hum 2004

2004

Universidade de São Paulo

Makilim N. Baptista e Andréia A. Oliveira

Estrutura e suporte familiar como fatores de risco na depressão de adolescentes

Psicol. cienc. prof. v.21 n.2 Brasília jun. 2001.

2001

Universidades Braz Cubas  Uniararas  Universidade Federal de São Paulo  Universidade Estadual de Campinas

Makilim Nunes Baptista e Adriana Said e Daher Baptista Rosana Righetto Dias

O papel dos pais e as influências externas na educação dos filhos

Rev. SPAGESP Vol.16 no.1 Ribeirão Preto 2015

2015

Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa-PB, Brasil  Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-RJ, Brasil  Universidade do Porto, Porto, Portugal

Zoraide Margaret Bezerra Lins e

Nádia Maria Ribeiro Salomão e

Samuel Lincoln Bezerra Lins e

Terezinha Féres-Carneiro e

Ana Cristina Eberhardt

Um estudo exploratório da incidência de sintomas depressivos em crianças e adolescentes em acolhimento institucional

Temas psicol. vol.21 no.1 Ribeirão Preto jun. 2013

2013

Centro Universitário de Patos de Minas, Patos de Minas, Brasil

Amanda de Melo Álvares e Gledson Régis Lobato

A Influência do Suporte Familiar na Depressão em Adolescentes

Psicologado, Saúde Mental, 2012

2012

Universidade Estadual do Piauí – UESPI

Érica Vanessa Rodrigues da Silva e Juliany Christine Paiva e Silva

A Tabela 01 expõe todos os artigos que foram usados para análise e produção deste estudo, com seus autores, meios de publicação e ano de publicação. Nesses artigos foram extraídas informações que contribuíssem para a maior compreensão do que é a depressão, de como se dão as relações entre familiares, a influência dos pais na formação dos jovens, conflitos familiares e a relação de adolescentes com depressão e suas famílias. Todas as informações foram analisadas e comparadas para uma melhor compreensão acerca da depressão e como ela afeta as pessoas que convivem com ela. Foi analisado também características que contribuíssem para uma melhor vivência da doença, com o objetivo de uma melhor relação com o adolescente que apresenta depressão e até mesmo identificar os primeiros sintomas e combatê-los.

4. Resultados

Através da leitura dos artigos enumerados e expostos na tabela, foi possível concluir neste estudo  que a fase da adolescência é uma fase onde o sujeito passa por várias transformações, construções e desenvolvimento do seu eu, influenciado por fatores sociais. Após a análise de cada um dos artigos, foi dividido em tópicos que irão desenvolver as informações retiradas das publicações que influenciam para o tema discutido e proposto por esta revisão sistemática. O primeiro tópico irá tratar dos fatores de risco que gera e influencia no quadro depressivo, o segundo tópico trata da definição do que é estrutura e suporte familiar e um terceiro tópico é a importância do diagnóstico precoce.  Esses pontos vão expor informações que contribuem para a discussão da influência da família na vida do sujeito depressivo.

4.1. Fatores de Risco

Os artigos 1, 2, 4 e 5 expõem na sua composição fatores de riscos que muitas vezes podem ser o gatilho de um quadro depressivo, a partir da ideia que na fase da infância para adolescência existem muitas mudanças na vida do sujeito, como a puberdade, aumento das responsabilidades sociais, busca pela independência, mudanças físicas, hormonais e psicológicas. Todas essas mudanças vêm a ser vividas na fase da adolescência, com isso, os artigos dão exemplos de fatores que associados a todas essas mudanças acabam por levar o adolescente a um quadro depressivo, como ocorrência de situações negativas (perda de um membro da família, fim de um relacionamento, separação dos pais, e etc.), violência física e sexual, negligência, situação de abandono ou invulnerabilidade. Todas essas formas são listadas como fatores que vão influenciar no gatilho para uma depressão ou alimentar o quadro de uma pessoa já com depressão.

4.2. Estrutura e Suporte Familiar

Na leitura e análise foram encontrados nos artigos 1, 2, 3 e 5 os termos estrutura familiar e suporte familiar. Também foi visto a importância de tais temas para a uma melhor relação com o adolescente. A estrutura familiar vai ser colocada como o número de pessoas de uma família, que no 1 artigo, o qual trata de sintomatologia de depressão, vai dar como exemplo em estrutura familiar quantos membros moram na casa: família intacta ou família separada. Por outro lado, o suporte familiar vai ser relacionado aos aspectos de carinho, atenção, afeto, amor, o que vai deixar claro a importância dessas estruturas na vida do adolescente, já que é da estrutura familiar a grande influência na vida do sujeito, desde seu nascimento até a fase adulta.

Os artigos mostraram que alterações no conceito de estrutura familiar foram ocorrendo ao longo do tempo. Um deles exemplifica a entrada da mulher no mercado de trabalho e também a aproximação do pai na criação do filho, mães solteiras; todas essas formas são modelos de estruturas familiares e cada uma vai influenciar de uma maneira na vida do adolescente. Na análise, se chega à conclusão que adolescentes com famílias separadas terão uma disposição maior a apresentar transtornos mentais e, também, que uma boa vivência com a estrutura familiar e um bom suporte familiar leva a uma maior satisfação em relação à vida. Assim, nota-se com a análise desses artigos a importância de uma boa relação da família com o adolescente.

4.3. Importância de Diagnosticar Cedo

Uma das coisas de grande relevância levantada nos artigos foi a importância do diagnóstico precoce e os riscos de um diagnóstico tardio. Nos artigos 4 e 5 é mencionado o interesse dos estudos sobre depressão na adolescência, mostrando que é um interesse recente, pois a um certo tempo a depressão nessa fase da vida era considerada incomum, sendo que ao decorrer dos estudos foi sendo notado que ao contrário do que se acreditava, a depressão na fase da adolescência é bem mais comum do que o esperado e está ocorrendo cada vez mais cedo.

Por isso se nota como de máxima importância a busca por um diagnóstico o mais cedo possível, pois um adulto que tem depressão desde a sua infância, porém que apenas nesta fase foi diagnosticada, segundo os estudos, pode sofrer perda de funções, danos psicossociais, problemas no convívio social, familiar e escolar, podendo também levar a um quadro mais grave quando adulto. Dessa forma, é de extrema importância a atenção dos responsáveis para promover um bom suporte familiar a fim de proporcionar uma boa experiência de vida ao adolescente e à criança. E se o indivíduo apresentar apresentar sinais de depressão na fase da infância, seja levado a um acompanhamento psicológico e/ou médico para combater e poder prover uma vida melhor ao mesmo, oportunizando, assim, de uma adolescência mais bem vivida.

Foi alcançado como resultado o importante fato de que no início e continuação da adolescência é onde o sujeito se depara com os primeiros sintomas da doença. No Brasil são poucos os trabalhos sobre o tema, mas dentre os poucos encontrados, os resultados mostram uma preocupante porcentagem de adolescentes com transtornos depressivos.

Ao longo deste trabalho foi alcançado maior entendimento acerca de como a família pode desempenhar um papel predominante na causa da depressão chegando a, em alguns casos, ser o próprio gatilho para uma primeira crise. Em um dos textos analisados é citado que o sujeito sem suporte social ou familiar estaria mais predisposto a apresentar transtorno depressivo quando envolvido em situação de estresse, outro estudo coloca conflitos familiares como umas das principais causas dos primeiros sintomas da doença na vida do adolescente, outros mostram a má condução da separação dos pais, muitas vezes envolvendo o adolescente de forma estressante e exagerada na discussão entre os pais. Os artigos mostram como a pressão exagerada exercida de familiares quanto a estudos, trabalho e formação, são pontos que foram se destacando, assim como quando o adolescente já vem com os sintomas e a família acaba por não contribuir para uma melhor vivência do jovem.

O objetivo da pesquisa era trazer maiores informações sobre como a depressão afeta todo o meio familiar, e com a pesquisa feita, o estudo foi levando a um maior conhecimento de como a família acaba sendo afetada por não saber conviver com um adolescente com depressão. Na maioria dos casos, por pouco conhecimento do assunto, por não saber reconhecer o que é a depressão, seus sintomas, o que causa, levando a família a agir com o adolescente de forma com que ele só vai se sentir mais pressionado ou estressado.

Gerando um meio familiar conflituoso, onde o adolescente se sente incompreendido e os familiares se sentem incapazes de fazer algo por pouco conhecimento, gerando familiares preocupados, angustiados, estressados podendo levar também a transtornos mentais como exaustão emocional, transtornos de ansiedade e até a própria depressão, um ponto que ficou destacado nas pesquisa é que os casos onde os familiares por já não saberem o que fazer e por já se encontrarem exaustos, decidem pelo abandono, seja físico ou emocional, o que acaba contribuindo para o isolamento do adolescente, podendo levar a uma crise maior e até mesmo ao suicídio.

O estudo levou à conclusão de que o tema ainda precisa ser melhor desenvolvido no Brasil, e que deve existir uma melhor forma de esclarecimento a nível nacional do que é a depressão, quais são os sintomas, as formas de ajuda que existem, e como uma família pode auxiliar o adolescente nestas situações. Mostrou também a falta de estrutura de apoio que ainda existe hoje no Brasil para os transtornos mentais, e como ainda precisa dar passos para uma melhor convivência do adolescente depressivo com sua família.

 

3. Conclusão

Com o estudo feito notou-se o pouco material desenvolvido no Brasil sobre a depressão na adolescência e, principalmente, os poucos estudos desenvolvidos sobre como a adolescência é vivida no meio familiar, mostrando que muito ainda precisa ser discutido e produzido sobre uma doença que pela Organização Mundial da Saúde ainda vai ser uma das doenças mais incapacitantes da qual se tem notícia. Muito ainda precisa ser feito, principalmente para levar ao maior esclarecimento sobre o que é a depressão, de mostrar que não é só uma tristeza qualquer, mas que existe algo por trás, algo que precisa ser trabalhado, discutido, desenvolvido. Para tornar a experienciar com o sujeito depressivo não uma vivência que vá proporcionar outra crise na vida dele, mas uma vivência que vá mostrar novos rumos e caminhos. Levar as famílias ao entendimento que seus filhos, sobrinhos, netos podem ser ajudados por os mesmos, que a família tem um papel primordial no caminho para um tratamento da depressão.

Assim, o estudo conclui acerca da importância de um maior desenvolvimento do tema no Brasil, para que as formas de tratamentos, as melhores formas de convívio, de ajuda na vida do sujeito depressivo precisam ser levadas cada vez mais para dentro dos convívios familiares, dando a consciência que a depressão é algo sério e que precisa ser combatido com empatia e não com intolerância e julgamento.

Sobre os Autores:

Itamyres Renny Silva

José Ackson Dino de Castro

Rocelly Dayane Teotonio da Cunha

Referências:

BAPTISTA  MN, OLIVEIRA AA - Sintomatologia de depressão e suporte familiar em adolescentes: um estudo de correlação. Rev Bras Cresc Desenv Hum 2004. http://www.periodicos.usp.br/jhgd/article/view/40168

BAPTISTA, ADRIANA SAID, DAHER DIAS, RIGHETTO, ROSANA- Estrutura e suporte familiar como fatores de risco na depressão de adolescentes. Psicol. cienc. prof. v.21 n.2 Brasília jun. 2001.. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932001000200007&script=sci_arttext&tlng=es

WHATHIER A, JOSIANE L – Vivencia Adversas e Depressão: Um estudo sobre crianças e adolescentes institucionalizados. Programa de Pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008. https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/13406/000641407.pdf?sequence=1

BEZERRA, ZORAIDE M., RIBEIRO, NÁDIA M., BEZERRA, SAMUEL L., CARNEIRO, TEREZINHA F., EBERHARDT, ANA C. – O papel dos pais e as influências externas na educação dos filhos. Rev. SPAGESP Vol.16 no.1 Ribeirão Preto 2015. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702015000100005

RODRIGUES, ÉRICA V., PAIVA S, JULIANY C. – A influência do suporte familiar na depressão em adolescentes. Psicologado, 2012. https://psicologado.com.br/psicopatologia/saude-mental/a-influencia-do-suporte-familiar-na-depressao-em-adolescentes

Informar um Erro Assinar o Psicologado