Contribuições da Psicomotricidade na Educação Infantil: um olhar psicopedagógico

1 1 1 1 1 Avaliações 0.00 (0 Avaliações)
(Tempo de leitura: 14 - 28 minutos)

Resumo: O presente artigo tem como objetivo ressaltar a importância da psicomotricidade na educação infantil e suas respectivas contribuições para o desenvolvimento global da criança. Esta ciência deve ser considerada como formação de base a fim de propiciar à criança a consciência de si e do meio no qual está inserida. Assim como a psicopedagogia, a psicomotricidade atua de forma preventiva às dificuldades de aprendizagem considerando a criança em seus aspectos, biológico, emocional, cognitivo, motor e social na intenção de que esse processo ocorra de maneira harmoniosa e saudável.

Palavras-chave: Psicomotricidade, Educação Infantil, Psicopedagogia

Introdução

As visões sobre o corpo foram inúmeras desde a Antiguidade até os dias atuais. Diante das concepções sobre o mesmo, teóricos e estudiosos aprofundaram seus estudos e pesquisaspara descobrirem o real papel do corpo para o desenvolvimento do homem, desfazendo assim o pensamento equivocado de que o corpo e a mente eram dissociados.

Neste contexto Dupré (1909) criou o termo Psicomotricidade vinculando o movimento, o pensamento e a afetividade. Psicomotricidade significa a relação entre o pensamento e a ação, envolvendo a emoção, ou seja, é considerada a ciência que estuda o homem por meio de seu corpo em movimento, em relação ao seu mundo interno e externo, funcionando como eixo de sustentação da vida sócio-psico-afetiva do sujeito.

Diante desta concepção outros estudiosos seguiram esta linha de pensamento e apesar de, essa ciência ter passado por diversos cortes epistemológicos comprovou-se a necessidade e a importância da mesma como uma formação de base para o desenvolvimento global da criança.

A educação infantil é a grande colaboradora neste processo por se tratar de um período de maior desenvolvimento e as experiências iniciais serem primordiais, propiciando base para que a criança desenvolva sua autonomia corporal e maturidade sócio-emocional. Para tanto, devem ser estimuladas e consideradas as funções básicas e as funções relacionais da psicomotricidade visando o desenvolvimento pleno da criança e, os jogos e exercícios corporais propiciados de uma maneira integradora e harmoniosa contribuem para a aquisição da coordenação psicomotora, a conscientização e domínio do corpo, ajustamento dos gestos e movimentos, apropriação do esquema corporal, aumento das discriminações perceptivas, integração de espaço e noção de tempo pessoal sendo coadjuvantes neste processo.

Assim como a psicopedagogia, a psicomotricidade amplia as possibilidades de entendimento e compreensão dos processos de aprender e não aprender, contribuindo para a prevenção do fracasso escolar na medida em que olha para o sujeito de maneira aprofundada na tentativa de compreendê-lo, sendo o corpo um instrumento comum na relação das duas ciências.
É neste sentido que este artigo irá caminhar, mostrando sobre a importância da psicomotricidade na educação infantil e seus respectivos benefícios para o desenvolvimento global da criança assim como a inter-relação dessas duas ciências Psicopedagogia e Psicomotricidade.

Aspectos Históricos da Psicomotricidade

A Psicomotricidade é a relação entre o pensamento e a ação, envolvendo a emoção, ou seja, é considerada a ciência que estuda o homem por meio de seu corpo em movimento, em relação ao seu mundo interno e externo funcionando como eixo de sustentação da vida sócio-psico-afetiva do sujeito. No entanto, para se chegar a esta definição durante a trajetória dessa ciência foram necessários estudos e pesquisas para que as concepções sobre o corpo fossem sendo modificadas e aprimoradas.

Historicamente a significação do corpo sofreu inúmeras transformações. Na Antiguidade, o corpo era visto segundo Coste (Apud COSTA, 2011: 21), por Platão “como o lugar de transição da existência no mundo de uma alma imortal”, apresentando uma dicotomia entre psicomotricidade pela cisão entre corpo e alma, afirmando um dualismo dentro do ser humano no qual o homem é alma e corpo, mas é a alma que domina. Para os filósofos medievais o corpo era identificado como instrumento da alma. Descartes na Idade Moderna atribuiu ao corpo a ideia de corpo-máquina, de um lado razão pensante e de outro corpo ou matéria. Atribuía um valor ao indivíduo que era medido pelo seu potencial intelectual no qual o corpo tinha um valor mínimo e diferente da mente, fazendo crer que corpo e mente, eram dissociados.

A partir do século XIX, o corpo passa a ser objeto de estudos da Neuropsicologia e a Neurologia na tentativa de compreender o funcionamento e a estrutura cerebral assim como suas patologias. Dupré (1909), devido a distúrbios da atividade gestual e apraxias sem relacionamento com alguma lesão cerebral, levaram-no a buscar a relação entre o sintoma e a localização cerebral resultando na criação do termo Psicomotricidade com significado na vinculação entre movimento, pensamento e afetividade.

Nesse contexto, estudos e pesquisas sobre o tema são cada vez mais frequentes e alusivos, a princípio voltados às patologias, porém Piaget, Wallon e Ajuriagerra aprofundaram esses estudos visando o campo do desenvolvimento contribuindo para relação evolutiva da Psicomotricidade com a inteligência, afeto e emoção, e o meio respectivamente.

Apesar dessas valiosas contribuições a Psicomotricidade passou por diversos cortes epistemológicos, o primeiro foi a proposta reeducativa a fim de recuperar o déficit motor com o objetivo de atingir também o cognitivo de crianças que não haviam desenvolvido suas funções psicomotoras em cada fase do seu desenvolvimento, porém é reconhecida como uma prática mecanicista centrada no corpo-motor . O segundo corte epistemológico caracteriza-se pela preocupação não somente motoras, mas também a um corpo em movimento e a psicologia genética foi a grande colaboradora desta concepção, não se tratando mais de reeducação e sim de uma terapia psicomotora a um corpo que age, que sente, que conhece, que se emociona e esta emoção abrange o conjunto tônus muscular.

Ajuriaguerra (1975) coloca que situar a psicomotricidade tão somente em seu plano motor levaria a considerá-la como uma função puramente instrumental, dependente da impulsão das forças internas e externas, mas alheias a ela, com o que se despersonalizaria totalmente o conceito de psicomotricidade.

O terceiro corte ocorre com a contribuição da teoria psicanalítica e conta com autores psicanalistas como Manoni, Freud, M. Klein, Reich e outros para uma nova abordagem que inclui o inconsciente e considera a necessidade de intervenção na qual haja afeto e emoção entre os sujeitos  dando início à “clínica psicomotora”, que utiliza-se de conceitos psicanalíticos como transferência, regressão e sublimação. Nesta, o olhar é voltado para um sujeito desejante, dividido com seu corpo real, imaginário e simbólico e não mais de uma “totalidade”, focalizando o mesmo e seu corpo em movimento nas dimensões intelectual, afetiva, social e psicomotora.

Atualmente pode-se deparar com os três tipos de práticas clínica, a reeducação, a terapia e a clínica psicomotora, dependendo da concepção que se postule acerca do sujeito. No entanto, independente da prática exercida todas são embasadas em teorias que dão subsídios para ressaltar a importância da psicomotricidade para o desenvolvimento global do sujeito, principalmente nos primeiros anos de vida e na fase pré-escolar.

Este período é o de maior desenvolvimento e as experiências iniciais são de grande relevância e propiciam base para que a criança desenvolva sua independência e autonomia corporal e maturidade sócio-emocinal. Tudo é novo e o corpo está presente em todas as suas descobertas, os conhecimentos envolvem todos os sentidos até avançar um nível de operações mais complexas.

De acordo com o RCNEI (Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil) volume III, sobre a importância do movimento na educação infantil (1998:15):

“O movimento é uma importante dimensão do desenvolvimento e da cultura humana. As crianças se movimentam desde que nascem, adquirindo cada vez maior controle sobre seu próprio corpo e se apropriando cada vez mais das possibilidades de interação com o mundo. Engatinham, caminham, manuseiam objetos, correm, saltam, brincam sozinhas ou em grupo, com objetos ou brinquedos,  experimentando sempre novas maneiras de utilizar seu corpo e seu movimento. Ao movimentar-se, as crianças expressam sentimentos, emoções e pensamentos, ampliando as possibilidades do uso significativo de gestos e posturas corporais. O movimento humano, portanto, é mais do que simples deslocamento do corpo no espaço: constitui-se em uma linguagem que permite às crianças agirem sobre o meio físico e atuarem sobre o ambiente humano, mobilizando as pessoas por meio de seu teor expressivo.”

Piaget (1987) estudando o desenvolvimento sensório-motor postula que a criança representa e conquista através da percepção e dos movimentos, todo o universo prático que a cerca. Ele criou condições próprias para uma compreensão mais precisa e real do corpo e suas funções.

A criança atua no mundo por meio de seus movimentos e para isto dispõe de suas capacidades afetivas, intelectuais e motoras, estabelecendo esta relação conforme sua tonicidade que é construída diariamente de acordo com as limitações e estimulações que lhe são impostas pelo meio na qual está inserida e pelas pessoas que a cercam. Nesse contexto o movimento vai se tornando coordenado e complexo resultando em fonte de aprendizagem, propiciando a aquisição de experiências que levará a criança a desenvolver os aspectos de planejamento, organização, reflexão e vivência se convertendo por complexidade em finalidades e objetivos e estabelecendo um roteiro educativo de maturação global.

           De acordo com Oliveira (apud COSTA, 2011:27):

“A educação psicomotora deve ser considerada como uma educação de base na pré-escola. Ela condiciona todos os aprendizados pré-escolares; leva a criança a tomar consciência de seu corpo, da lateralidade, a situação no espaço, a dominar seu tempo, a adquirir habilidades de coordenação de seus gestos e movimentos.”

Diante desta perspectiva, a educação infantil deve priorizar todas as competências motoras da criança, permitindo que a mesma experimente, arrisque, erre, acerte por meio de atividades práticas, desenvolvendo na criança uma percepção dos recursos corporais de que dispõe. Segundo Fernandez (1991:59): “A apropriação do conhecimento implica o domínio do objeto, sua corporização prática em ações ou em imagens que necessariamente resultam em prazer corporal”.

Os jogos e exercícios corporais propiciados de uma maneira integradora e harmoniosa contribuem para que a criança adquira a coordenação psicomotora, a conscientização e domínio do corpo, ajustamento dos gestos e movimentos, apropriação do esquema corporal, aumento das discriminações perceptivas, integração de espaço e noção de tempo pessoal. Desse modo a criança será capaz de assumir a sua corporeidade dentro de uma realidade que lhe permita a livre expressão, evitando-se com isso dificuldades referentes ao seu processo de evolução.

A corporeidade se trata da vivência do corpo na relação com o outro e com o mundo, ou seja, é o corpo vivenciado e em movimento no tempo e no espaço. Para a construção da corporeidade é imprescindível que a criança tenha estímulos que favoreçam a apropriação das funções básicas da psicomotricidade que são:

- Esquema Corporal – é um princípio básico necessário para a formação da personalidade da criança. Por intermédio do esquema corporal a criança será capaz de identificar e localizar as diferentes partes de seu corpo, proporcionando-lhe a noção de “ter”, tomando consciência de seu ser e de suas possibilidades de agir e transformar o mundo que a cerca.

O desenvolvimento do esquema corporal é dividido em etapas que são: corpo submisso que compreende de zero a dois meses de idade. Nesta etapa os movimentos são automáticos, descoordenados e normalmente dominados pelas necessidades orgânicas que são a alimentação e o sono. Corpo vivido que compreende dos dois meses até os três anos de idade e ocorre por meio de uma atuação motora global juntamente com emoções mal controladas (atividades espontâneas), a partir disso a criança vai adquirindo experiências, tomando consciência de seus movimentos, distinguindo seu próprio corpo do mundo dos objetos. Corpo descoberto que vai dos três anos aos seis anos de idade, é caracterizado pelo início da estruturação do esquema corporal em que a função de interiorização permitirá à criança adquirir a consciência de suas características corporais verbalizando-as de acordo com a localização, assim como o controle do desenvolvimento temporal do movimento.  Corpo representado que compreende dos seis anos aos doze anos de idade e é caracterizado pela representação mental do corpo em movimento.

Esse desenvolvimento só é possível por meio do amadurecimento neurológico e os sistemas responsáveis são: - interocepção, sensações viscerais. - propriocepção, noção dos movimentos e postura realizados pelo corpo, - exterocepção, informações recebidas pelos estímulos externos por meio dos sentidos, visão, tato, olfato, gustação e audição. Quanto mais diversificadas as brincadeiras, os movimentos vivenciados, as experiências corporais e a qualidade de estímulos recebidos pela criança, melhor será o seu desenvolvimento do esquema corporal.

Segundo Piaget (1987) em sua teoria sobre o desenvolvimento infantil já afirmava sobre uma inteligência motora, que é prática, sendo os movimentos reflexos, e a partir do contato com o ambiente a criança vai construindo um movimento intencional. Todas essas ações fazem com que a criança desenvolva habilidades para a aprendizagem, uma vez que está favorecida pelos estímulos adequados.

A esse respeito e de acordo com Fernandez (1991:73):

“O alcance de uma etapa superior na organização inteligente não se consegue senão com um progressivo intercâmbio do sujeito com o meio onde ele vai provando suas possibilidades de domínio, num jogo permanente de ações. Intercâmbio que, inicialmente, dá-se por meio de ações materiais que vão progressivamente sendo interiorizadas e transformadas em operações”.

- Imagem Corporal – está intimamente ligada ao emocional e ao psíquico e diretamente relacionada a questões familiares, sociais, conflitivas e no quanto e como a criança recebeu de afeto. É a imagem que a criança faz de si e que por depender dessas questões nem sempre condiz com a realidade.

- Tonicidade – é compreendida como o controle do tônus muscular, ou seja, a quantidade adequada de tensão muscular para executar uma ação corporal. Quando ocorre esta ação, alguns músculos se contraem enquanto outros relaxam e esse controle se origina das experiências  sensório-motoras vivenciadas pela criança, que são reguladas pelo sistema nervoso envolvendo a ação física e muscular assim como as condições emocionais e da personalidade.

- Equilíbrio – é a base de toda a coordenação dinâmica global e para que seja desenvolvido satisfatoriamente é necessário que haja o desenvolvimento do tônus muscular assim como a noção do eixo corporal e de peso corporal, permitindo que a criança adeque seu corpo frente a ação da gravidade, possibilitando o reajuste de diferentes posturas.

O equilíbrio pode ser estático ou dinâmico. O primeiro apresenta um maior nível de dificuldade e concentração para que a criança mantenha uma postura fixa, por exemplo: (manter-se de olhos fechados sobre um pé ou equilibrar-se em uma bicicleta parada, dentre outros), dominando o controle da postura. Já no equilíbrio dinâmico os movimentos são com locomoção e mudanças de posição tais como: (correr, andar, saltar, dentre outros), exigindo uma reorganização muscular quase constante, visando atingir o gesto harmonioso.

- Lateralidade – é a dominância lateral que corresponde a dados neurológicos, ou seja, decorre em função do hemisfério cerebral tendo como característica o lado com a tonicidade mais desenvolvida, permitindo à criança a realização de ações complexas. A lateralidade em alguns casos pode ser influenciada por treinamento e hábitos sociais, pela escola ou família.

Le Boulch (1987) define lateralidade, como a tradução de uma predominância motriz levada aos segmentos direitos ou esquerdos e em relação a uma aceleração da maturação dos centros sensitivos motores de um dos hemisférios cerebrais.

A lateralidade pode ser observada como homogênea, que é a dominância destra ou canhota de todos os membros superiores, inferiores, olhos e ouvidos. Pode ser também cruzada, destra da mão e canhota de pé, olho e ouvido e vice-versa, assim como ambidestra com habilidade tanto do lado direito quanto o esquerdo.

- Coordenação Motora ou Praxia Global – é o conjunto de funções unidas para a representação de atividades globais e mais amplas que se dá por meio de uma atuação harmônica e econômica do sistema nervoso central dos músculos, nervos e sentidos, na execução de um movimento. A função da praxia está vinculada às relações culturais, psicológicas, simbólicas, afetivas, dentre outras e pode ser dividida em diferentes funções que são: a global, que é a ação de movimentos sem ter consciência dos mesmos; a analítica, que é quando se dá o início da análise e da interpretação dos movimentos pela da criança; sintética, é quando já se consegue coordenar um conjunto global dos movimentos.

De acordo com Vitor da Fonseca (1995), a Praxia Global é composta por quatro subfatores:

- Coordenação oculomanual – são movimentos manuais agregados a visão, no qual requer noção de distância e precisão para o lançamento.

- Coordenação oculopedal – é a coordenação dos pés associados à visão.

- Dismetria – é quando não se consegue executar atividades que exijam a funções visoespacial e visocinestésica frente a uma determinada distância para atingir um alvo.

- Dissociação – é a capacidade de locomover diferentes partes do corpo de maneiras diferentes para realizar determinada atividade, ou seja, é a independência motora de vários segmentos corporais.

A Praxia Fina – é considerada como a capacidade de controlar os pequenos músculos para a execução de atividades refinadas como: escrita, recorte, encaixe, colagem, dentre outras. A mão é o órgão responsável por esta praxia, caso haja perda de suas funções o organismo se estrutura na busca de outro órgão a fim de corresponder a tais atividades.

A Orientação Espaço Temporal – é a capacidade de organização das relações no espaço e no tempo envolvendo a integração dos sistemas visuais e auditivos. Por meio dessa orientação a criança será capaz de situar-se e orientar-se, adquirindo conceitos de direção e distância tais como: acima, abaixo, frente, trás, direita, esquerda, longe, perto, etc. A partir da percepção do próprio corpo é que se percebe o espaço exterior, ou seja, a diferenciação do EU corporal com relação ao mundo exterior é que possibilitará a aquisição da noção de espaço e, a consciência, a memória afetiva e as experiências já vivenciadas terão um papel imprescindível nessa organização.

A Orientação Espacial – é desenvolvida tendo o corpo como referencial e se concretiza por meio do sistema visual que parte do concreto para o abstrato. Parte do objetivo para o subjetivo identificando a porção que ocupa o seu próprio corpo no espaço e propicia a capacidade de localizar os objetos.

A Noção Temporal – desenvolve-se a partir da audição e sua percepção é mais complexa que a do espaço, por ser o tempo uma ação prática relacionada com a própria atividade da criança. A noção de tempo está intimamente ligada à afetividade e as necessidades biológicas.

Existem pelo menos quatro tipos de tempo:

Tempo Rítmico, que é individual e se caracteriza por tudo que fazemos. Por exemplo, os nossos batimentos cardíacos, nossa respiração, nosso caminhar e todos com ritmos diferentes.

Tempo Cronológico, que são referentes à noção temporal, ontem, hoje, amanhã e são complexas para as crianças aprenderem por se tratar de algo abstrato.

Tempo Subjetivo, está atrelado a afetividade, ou seja, a motivação e a ansiedade e dependendo da ênfase dada a uma ou a outra, os fatos tendem a durar mais ou menos tempo.

Tempo Dinâmico, refere-se ao esforço colocado para efetuar alguma tarefa, requerendo movimentos mais lentos ou mais rápidos.

- Respiração – é compreendida por duas fases que são a inspiração que é ativa e a expiração que é passiva. Este processo é fundamental para a execução de atividades físicas e se adapta automaticamente às necessidades de cada momento.

Quando a respiração é deficiente o nível de energia e as tensões diminuem tendo como consequência movimentos desorganizados. O ideal é uma respiração regular e tranquila em que o tempo e inspiração seja menor do que o de expiração e esse controle se dá através da respiração abdominal e são caracterizados como aspectos da consciência e do controle de si mesmo.

- Relaxamento – é um método de condicionamento no qual se tem como objetivo melhor conhecimento do esquema corporal, melhor estruturação espaço-temporal e equilíbrio, contração e descontração. Reduz as tensões psíquicas levando a descontração muscular proporcionando à criança a sensação de calma e consequentemente a um equilíbrio que resulta no desaparecimento da agitação.

- Percepções – tem por objetivo a capacidade de reconhecer e compreender estímulos. É por intermédio das percepções que a criança organiza os estímulos que o meio lhe oferece realizando uma mediação entre o sentir e o pensar, proporcionando meios para a discriminação, o reconhecimento das diferenças e semelhanças entre estímulos e percepções.

O desenvolvimento das percepções é o ponto de partida de todo o desenvolvimento mental e existem cinco tipos que são:

Percepção auditiva – que é a capacidade de organizar e compreender os estímulos sonoros, associando-os a estímulos anteriormente percebidos e discriminando-os entre si.

Percepção visual – está presente em quase todas as atividades e é reconhecida como um dos canais mais importantes na comunicação com o seu meio exterior. Através da visão a criança é preparada para a fase posterior da discriminação de símbolos abstratos tais como as diferenças entre letras, palavras, etc.

Percepção tátil – desde o ventre materno as sensações de contato são quase as únicas que a criança recebe. Através do tato pode-se explorar o corpo sentindo na pele a consistência de diferentes materiais, assim como a resistência dos objetos em contato com o corpo podendo diferenciá-los.

Percepção gustativa – é a capacidade de distinguir sabores associando-os a origem e possibilita a criança selecionar os alimentos de acordo com o seu desejo.

Percepção olfativa – é a capacidade de distinguir odores associando-os a origem e é muito influenciado pelo paladar.

De acordo com Fernandez (1991:72): “Se a criança não realiza ações com os objetos, se não tem possibilidade de ver, tocar, mover-se, provar seu domínio sobre as coisas, vai encontrar sérias dificuldades no processo de organização de sua inteligência”.

Assim como as funções básicas da psicomotricidade, são necessários para a construção da corporeidade os conceitos relacionais da qual esta faz parte e contribuem para o desenvolvimento global da criança. Para Santin (1992) a corporeidade humana deve ir mais além, precisa considerar a sensibilidade afetiva, os sentimentos, as emoções, os impulsos sensíveis e o senso estético. Precisam ser desenvolvidos, orientados, cultivados, estimulados e fortalecidos.

Os conceitos relacionais permeiam e facilitam as relações dos desejos, frustrações e ações, na interação da criança com o meio, com os objetos, com o espaço e consigo mesmo. Por meio do corpo que se expressa, que dialoga e se comunica com outros corpos, a criança revela ser mais afetiva ou mais agressiva se entrelaçando na personalidade de outros, através do movimento desse corpo e da psicomotricidade.

Conceitos Relacionais

Expressão – para que a criança atinja uma expressão plena é necessária a integração entre a coordenação física e psíquica. Por meio dela, a criança exprime os seus sentimentos e suas dificuldades, sejam elas de ordem física, psicológica ou biológica. As dramatizações, ações de liberdade, danças e mímicas são grandes aliadas nesse processo, favorecendo a criatividade, aumentando e facilitando a comunicação e a livre expressão e, pouco a pouco os conceitos abstratos vão sendo internalizados desenvolvendo a autenticidade e a imaginação da criança.

Comunicação – está intimamente ligada à expressão. Quando se fala em comunicação pensa-se em informação transmitida, mas ela impõe também um comportamento. Por intermédio da comunicação, a criança estabelece as relações com os outros e com os objetos, seja ela verbal (oral) ou não verbal (corporal, gestual, escrita). Sua eficácia depende de saber ouvir assim como, se fazer entender, estabelecendo um tipo de comunicação para cada momento, de acordo com a necessidade. Na psicomotricidade esse ouvir significa ouvir os sons e compreender o mundo interno da criança, entendendo os significados transmitidos a fim de estabelecer uma comunicação a partir desses instrumentos. Neste contexto a linguagem não verbal tem uma importância significativa, revelando emoções, reações e desejos conscientes ou inconscientes através do corpo.

Afetividade – é um fator estimulante e necessário e tem um papel importante no desenvolvimento da criança. A afetividade possibilita a comunicação entre as pessoas e as coisas que a cercam, determinando relações significantes com o corpo, suas sensações e suas produções.

Piaget (1987) postula que existe um estreito paralelismo entre o desenvolvimento da afetividade e das funções intelectuais e que nenhum ato é puramente intelectual nem puramente afetivo, mas que sempre e em todas as partes, tanto nas condutas relativas aos objetos como nas relativas às pessoas, ambos os elementos intervêm porque um supõe o outro.

Agressividade – é o resultado dos obstáculos, conflitos, desejo de afirmação pela ação e as interdições encontradas nessa ação. Faz parte do componente afetivo do indivíduo no qual ninguém agride por agredir, pois sempre espera uma resposta que na maioria das vezes é uma maneira encontrada pela criança para se comunicar, assumir-se e afirmar sua identidade. A agressividade é estruturante, mas a partir do momento que esta se volta como autoagressão e em excesso, deve ser pontuado e limitado. Quando bem dirigida, faz as manifestações serem consumidas, canalizando-as de forma elaborada ou modificadas auxiliando a criança a crescer e, os jogos e objetos simbólicos são grandes coadjuvantes nesse processo, quando reprimida leva à introversão ou à compulsão que em algum momento estourará.

Limites – é o equilíbrio entre o permitir e o proibir está relacionado às condições de vida, às possibilidades, os valores dos pais e da sociedade em que cada indivíduo se desenvolve e de acordo com sua idade. O limite pode ser interno, quando tem a ver com a sua própria essência que é resultante das primeiras sensações de prazer e desprazer impressos no corpo, o toque o afeto e o desafeto. Pode ser também externo, está diretamente ligado à ação e à comunicação e se refere à relação entre os desejos das pessoas, as noções espaciais, temporais, através do movimento intencional e prazeroso. Este é o mais abordado na educação e normalmente se refere à disciplina e é necessária a autoridade efetiva para equilibrar o permitir e o limite de maneira firme, delicada, consistente e razoável considerando que a criança também tem suas verdades.

De acordo com Costa (2011:74):

“Não se pode pensar num sujeito epistêmico sem pensar que ele porte uma subjetividade que é de ordem do inconsciente. No sujeito aprendente, objetividade e subjetividade entrelaçam-se num contexto do aprender. O corpo em seus movimentos transmite e capta. É o porta-voz de seu saber e conhecer, mas exige apenas um interlocutor que saiba eficazmente decodificar sua mensagem expressa numa linguagem sem sons verbalizados”.

Diante dos estudos e da trajetória da psicomotricidade pode-se concluir que igualmente à psicopedagogia, ambas ampliam as possibilidades de entendimento e compreensão dos processos de aprender e não aprender, contribuindo para a prevenção do fracasso escolar na medida em que olha para o sujeito de maneira aprofundada na tentativa de compreendê-lo, sendo o corpo um instrumento comum na relação das duas ciências.

No início de suas histórias evolutivas, ambas privilegiavam a doença pelo fato de suas origens se darem pela medicina e apoiaram-se durante muito tempo no modelo médico por considerar que os problemas de aprendizagem eram doenças físicas ou mentais. No entanto, posteriormente a psicopedagogia e a psicomotricidade com a contribuição da psicanálise não se restringiram somente ao espaço clínico, voltaram-se também para a prevenção preocupando-se com a aprendizagem escolar oportunizando um trabalho psicomotor e psicopedagógico de base, prevenindo assim os desvios e defasagens no processo evolutivo da criança.

Antes de aprender o português, a matemática, os ensinamentos formais, o corpo tem que estar organizado, com todos os elementos psicomotores estruturados. Uma criança que não consegue organizar seu corpo no tempo e no espaço, não conseguirá concentrar-se, segurar num lápis com firmeza e reproduzir num papel o que elaborou em pensamento. Silvia Molina no seu artigo “A pequena criança da psicopedagogia inicial” usa uma metáfora que faz uma ancoragem entre estas duas áreas: o primeiro dicionário é escrito no corpo. O corpo é mediador e através de sua linguagem propicia a relação com o outro, denuncia o ser da falta, os processos de transferências e a ação desejante. 

De acordo com Costa (2011:7):

Não se concebe um psicopedagogo que trabalhe com o corpo estático e que desconheça os movimentos desse no aprender. Não se concebe um psicomotricista que trabalhe com o corpo em movimento e não conheça o corpo discursivo do sujeito que aprende. É preciso que haja uma interdisciplinaridade na ação ensinar-aprender para que o sujeito que aprende seja compreendido em sua totalidade, mesmo dentro de uma abordagem específica.

Visca (1991) traduz esse pensamento com seus estudos que resultaram na Epistemologia Convergente, na qual é caracterizada por uma perspectiva integradora, ou seja, o momento em que cientistas deixam de lado sua linha de pensamento como concepção única para compreender o mundo e penetra em outras linhas de pensamento a fim de conhecer outras correntes teóricas com suas explicações. Seus estudos e pesquisas abre a possibilidade de analisar as dificuldades de aprendizagem de forma multifacetada e para tal utiliza-se de três linhas da Psicologia que são: a Psicogenética (Piaget), com as etapas universais do desenvolvimento e a compreensão do erro na perspectiva do sujeito, esta aponta que ninguém pode aprender o que está além de sua estrutura cognitiva; a Psicanálise (Freud), que revela a importância das relações afetivas e dos vínculos bons ou maus estabelecidos pelo aprendiz diante do objeto de aprendizagem, utilizando-se de mecanismos de transferência, contratransferência e resistência; Psicologia Social (Pichon Riviere), em que a aprendizagem é centrada nas tarefas pensar/sentir/agir e grupos operativos e a aprendizagem do sujeito se dará de acordo com as influências de seu meio sócio-cultural.

Se justapondo ao exposto e de acordo com Fernandez (apud Costa, 2011:36):

O biológico, o emocional, o cognitivo e o motor estão presentes no não aprender, seja ele classificado por qualquer um dos conceitos. Cabe a Psicopedagogia resgatar o desejo de aprender do “sujeito” eliminando os possíveis obstáculos, enquanto que a Psicomotricidade voltada para o corpo em movimento, tem sua contribuição indispensável nos processos de aprender, pois desde o princípio até o fim a aprendizagem passa pelo corpo.

De acordo com a teoria de Piaget da equilibração diz que a criança, ao se confrontar com conflitos, para resolvê-los, cria estratégias a partir de esquemas que já dispõe e que ao se defrontar com os obstáculos da aprendizagem formal, a criança terá que recorrer ás experiências anteriores que são puramente psicomotoras e se no lugar destas experiências houver um buraco, não haverá aprendizagem.

Ao considerar estes enfoques teóricos, percebe-se que a criança precisa ser olhada como um ser desejante, como um todo, para então chegar às partes com o objetivo de identificar as causas das dificuldades apresentadas.

Nesse sentido, apesar de a psicopedagogia e a psicomotricidade não serem a mesma coisa e cada uma possuir suas especificidades de trabalho, ambas tem um caráter interdisciplinar e estão intimamente ligadas complementando-se entre si a fim de mediar eficazmente o sujeito que aprende.

Considerações Finais

A intenção do presente artigo foi demonstrar a importância da psicomotricidade na educação infantil assim como a inter-relação desta ciência com a psicopedagogia, por meio de embasamento de importantes teóricos e consagrados autores que explicitaram suas opiniões sobre o tema.

De acordo com o exposto e no decorrer deste trabalho, pôde-se perceber o quanto a aquisição das funções básicas e relacionais da psicomotricidade podem auxiliar e favorecer no processo de ensinagem, trazendo benefícios e contribuindo para o desenvolvimento pleno da criança.

Por meio do movimento a criança atua no mundo, dispondo de suas capacidadesafetivas, intelectuais e motoras, estabelecendo esta relação conforme sua tonicidade que é construída diariamente de acordo com as limitações e estimulações que lhe são impostas pelo meio na qual está inserida e pelas pessoas que a cercam. Partindo deste pressuposto, o movimento vai se tornando coordenado e complexo resultando em fonte de aprendizagem. Diante desta visão, as atividades motoras desempenham um papel importante nas iniciativas intelectuais.

Nesse sentido, fica evidente que a psicomotricidade assim como a psicopedagogia caminham paralelamente, pois ambas contribuem para a prevenção do fracasso escolar considerando a criança em todos os aspectos, biológico, cognitivo, motor, emocional e social visando o desenvolvimento global da criança.

Sobre o Artigo:

Artigo apresentado ao programa de pós-graduação em educação da Universidade Nove de Julho, como exigência parcial para obtenção do título de especialista em Psicopedagogia Clínica e Educacional.

Sobre os Autores:

Angela Maria Luiza Brunelli - Pós-graduanda do curso de Psicopedagogia Clínica e Educacional (UNINOVE), Graduada em Pedagogia com formação específica em Comunicação Assistiva (UNINOVE); Docente da Prefeitura Municipal de Várzea Paulista. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Lis Angelis de Menezes - Doutoranda e Mestre em Educação (UNINOVE); Graduada e pós-graduada em Educação Especial – área de Deficiência Intelectual (UFSM), Psicopedagoga Clínica e Institucional (Instituto Sedes Sapientiae); Docente da Universidade Nove de Julho. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Referências:

BUENO, Jocian Machado. Psicomotricidade Teoria e Prática: estimulação, educação e reeducação psicomotora com atividades aquáticas, São Paulo: Editora Lovise, 1998.

COSTA, Auredite Cardoso. Psicopedagogia e Psicomotricidade: pontos de intersecção nas dificuldades de aprendizagem, 8 ed., Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2011.

FERNÁNDEZ, Alicia. A Inteligência Aprisionada: abordagem psicopedagógica clinica da criança e sua família, Porto Alegre: Artmed, 1991.

OLIVEIRA, Gislene de Campos. Psicomotricidade: educação e reeducação num enfoque psicopedagógico, Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1997.

SÁNCHEZ, P.A., MARTÍNEZ,M.R., PEÑALVER, I.V. A Psicomotricidade na educação infantil: uma prática preventiva e educativa, Porto Alegre: Artmed, 2003.

LIMA, Flávia Teresa. O trabalho psicopedagógico à luz da psicomotricidade, 2007.

http://www.abpp.com.br/artigos/69.htm (acesso em 17/01/2012)

MACHADO, Mara Lúcia Salazar. Psicomotricidade e Psicopedagogia: Uma aproximação teórico prática, 1999.

http://www.puppin.net/ciepre/psicopedagogia.html (acesso em 23/02/2012)

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, 1998.

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/volume3.pdf (acesso em 20/03/2012)

SAMPAIO, Simaia. Breve histórico da Psicopedagogia, 2004.

http://www.psicopedagogiabrasil.com.br/breve_historico.htm (acesso em 17/01/2012)

Informar um Erro Assinar o Psicologado