(Tempo de leitura: 14 - 28 minutos)

Resumo: A mediação de conflitos escolares é um grande desafio para as instituições de ensino contemporâneas que já sofrem fortes críticas de pedagogos, filósofos e sociólogos, quanto ao seu desempenho em um âmbito geral, de conteúdos, indefinição de uma linha pedagógica, etc. O projeto ora apresentado buscou conhecer e identificar alguns tipos de embates na escola comum (de Fortaleza) e dificuldades encontradas no intuito de desenvolver resoluções positivas que podem e devem ser tomadas em circunstâncias conflitantes enfrentadas por uma comunidade escolar. Considerando o contexto, efetuamos uma pesquisa qualitativa e bibliográfica que serviu como apport para o método etnográfico que utilizamos para coleta de dados em uma escola pública (Municipal) de Fortaleza de nível Fundamental, com um grupo de alunos, com a coordenadora e com a secretária escolar, onde, nos baseamos nos seguintes autores:  Chrispino  (2002),  (2004),  (2007),  Santos  (2006),  Beleza  (2011), Freire (1886), (1996), (2005), Sales (2007), (2010) e Joca (2009). Os conflitos escolares, perpassam os muros da escola, que por outro lado, com uma organização fragilizada pedagogicamente e socialmente, não consegue ir muito além de reproduzir ou espelhar uma sociedade estigmatizada, violenta a qual esses sujeitos especialmente são expostos já no momento em que são concebidos.

Palavras-chave: Mediação, Conflito, Escola, Violência.

(Tempo de leitura: 7 - 13 minutos)

Resumo: Este artigo tem por objetivo abordar questões relacionadas as dificuldades de aprendizagem no processo escolar, de forma a contribuir e melhorar a qualidade de ensino, principalmente no processo de alfabetização. Bem como refletir sobre os problemas de aprendizagem no processo de aquisição da leitura e escrita. Tendo como fonte estudos literários. Neste estudo foi possível entender um pouco mais o processo de aprendizagem e alguns aspectos que a interferem. Este estudo partiu da necessidade de entender e compreender os ritmos e dinâmicas desenvolvidas pros educandos que apresentam dificuldades em apreender, assimilar, compreender e socializar o conhecimento. Procurando identificar a metodologia que melhor promova a aprendizagem, e com isso favorecer o encontro de caminhos e práticas que atuem sobre os problemas encontrados. Trata-se aqui de uma reflexão dos problemas de aprendizagem como um todo e não daqueles definidos como necessidades educacionais especiais. Nesse sentido a prática educativa deve contemplar a todos independente do seu ritmo e nível de aprendizagem, sempre levando em consideração a bagagem cultural que o educando traz.

Palavras-chave: Problemas de aprendizagem, Alfabetização, Desenvolvimento, Educador, Educandos.

(Tempo de leitura: 12 - 23 minutos)

Resumo: O presente artigo tem a finalidade de expor ideias e verdades sobre a avaliação da aprendizagem como meio norteador da aprendizagem no processo de ensino aprendizagem, onde o mesmo tem como objetivo principal analisar a avaliação como processo e instrumento de criação e construção de conhecimento oriundos do processo ensino-aprendizagem, assim realizando um estudo bibliográfico e documental da questão da avaliação da aprendizagem. Na qual usou-se como metodologia, a pesquisa bibliográfica, para que  assim embasando-se nos autores famosos como: Luckesi (1998), Barriga (1982), Hoffman (2000), Perrenoud (1998), entre outros discutem a temática em questão. A situação atualmente vivida no sistema escolar em termos de avaliação, ainda é problemática visto que educadores preparados para criticar a própria prática pedagógica. A avaliação como requisito preparatório dos conhecimentos dos alunos, está voltada para o futuro que pretende, a partir da critica do autoconhecimento, da autonomia para tomada de decisões conscientes, levar o educando a descrever sua própria caminhada e propor alternativas de ação. Pois segundo Hoffman “A avaliação propicia a mudança, o progresso e a aprendizagem. Por isso, é considerada, processual, contínua, participativa, diagnóstica e investigativa”.

Palavras-chave: Avaliação, Prática Pedagógica, Mudança.

(Tempo de leitura: 4 - 8 minutos)

Resumo: É fato que a dinâmica de grupo vem para contribuir com o aprendizado da criança. Entre vários objetivos a dinâmica desperta a curiosidade e o interesse pelo aprendizado, pois sabemos que toda criança gosta de brincar. Nossa pesquisa foi realizada em uma Escola Municipal Prof. José Mário Faleiros, nosso método de pesquisa foi de observação e a aplicação de questionário, onde foram alcançados resultados satisfatórios comprovando mais uma vez que as dinâmicas bem utilizadas podem ajudar na didática, na socialização e na moral da criança, pois ela passa a “enxergar” a vida de uma forma mais altruísta e menos egocêntrica.

Palavra-chave: Aprendizado, Prazer. Didática, Ensino, Relações sociais.

(Tempo de leitura: 8 - 15 minutos)

Resumo: O brincar é essencial para o desenvolvimento da criança, resulta um meio da criança expressar o contexto no qual ela elabora seus conflitos e demonstra seus sentimentos, desejos e fantasias. E através das brincadeiras a criança aprende a interagir com o outro. Assim, aperfeiçoa suas habilidades e compartilha o que já sabe. Com base nesse pressuposto, o artigo apresentado visa mostrar os resultados do trabalho desenvolvido na Escola Amália Pimentel, na cidade de Franca (SP), com ênfase na contribuição das atividades lúdicas na socialização das crianças. Foi utilizado o método dedutivo, observações, questionários realizados com as crianças e entrevistas com a diretora da escola. De acordo com a pesquisa, pudemos observar a importância das atividades lúdicas realizadas na escola que contribuem na socialização das crianças no ambiente social. Concluímos assim, que o trabalho exercido pela escola é importante para a socialização dos alunos. É realizado de maneira em que as brincadeiras possam realizar maior interação entre eles, com seriedade, compromisso e dedicação por parte da escola.

Palavras-chave: Brincar, criança, escola, socialização.

(Tempo de leitura: 15 - 30 minutos)

Resumo: O presente artigo irá explanar os conhecimentos sobre o desenvolvimento histórico da psicologia educacional, bem como a atuação do psicólogo no contexto escolar. O artigo foi baseado na Prática Acompanhada em Observação I, realizada no Centro de Educacional de Novo Horizonte (CENHO) - SC. A metodologia utilizada para a elaboração do artigo foi o levantamento bibliográfico, com ênfase na Psicologia Histórico-Cultural, onde se configura na exposição de determinadas reflexões relativas ao desenvolvimento da Psicologia Educacional, seu surgimento, evolução e desenvolvimento no Brasil. Deste modo, enquanto acadêmicos do Curso de Psicologia da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECÓ), buscamos enfatizar os “problemas escolares” em desenvolvimento e aprendizagem e o papel da psicologia da educação, tornando possível conhecer um pouco da história da psicologia no Brasil, as práticas pedagógicas e o campo da educação, considerando enfaticamente os fatores históricos implicados no processo, que não se trata somente de pincelar os fatos, mas de percorrer os passos que a psicologia da educação tem percorrido. Este trabalho possibilitará ao leitor um entendimento sobre a história da educação, bem como, a inserção do psicólogo no contexto escolar. Veremos que as ideias psicológicas penetraram nas concepções e práticas educativas e as demandas no campo de atuação, a qual contribuiu para o desenvolvimento e consolidação como área específica da educação.

Palavras-chave: Psicologia Educacional. Educação. História da Psicologia no Brasil.

(Tempo de leitura: 9 - 18 minutos)

Resumo: Este artigo tem como enfoque defender que não é necessário um modelo regido por ideais hierárquicos e inflexíveis para se alcançar resultados satisfatórios no processo de aprendizagem. Para isso, fundamenta-se nos pressupostos teóricos de Jean Piaget, ressaltando as principais concepções da sua teoria e as suas devidas contribuições para a ciência. A saber, a compreensão do desenvolvimento intelectual e moral do sujeito.

Palavras-chave: Aprendizagem, Educação, Jean Piaget, Teoria Construtivista.

(Tempo de leitura: 11 - 22 minutos)

Resumo: Dentro da instituição educacional o bullying escolar é uma forma de agressão disfarçada, que causa danos, frequentemente irreversíveis, na vida daqueles que estão envolvidos, de forma a destruir-lhes a saúde psicológica e física. As consequências como baixa auto-estima, depressão e marginalização, podem estimular desejos e também atitudes de suicídios e assassinato. Por isso, merece a intervenção de profissionais qualificados, de preferência em uma atuação constante e em equipe, na qual também participa a família e a escola. A psicopedagogia institucional e clinica, com sua parcela de participação, tem como objetivo resgatar o desejo de aprender e até mesmo de viver o que foi perdido pela vitima do agressor e de todos os envolvidos. Através de uma pesquisa bibliografia considerando as contribuições de autores como FERNÁNDEZ (1991), PIAGET (1987) COSTANTINI (2004) entre outros, procurando desenvolver uma ligação entre o bullying e a teoria psicopedagogia, para que possa possibilitar o desenvolvimento de uma intercessão entre ambos, capaz de auxiliar profissionais, pais e aqueles que já estão envolvidos.

Palavras-chave: Aprendizagem, Transtornos de aprendizagem, Agressão. Comportamento, Saúde do adolescente, Bullying.

Leia mais com Kindle

Tenha a melhor experiência de leitura com seus livros em um Kindle.

Curso online de

Dinâmicas de Grupo

 Dinâmicas de Grupo

Curso 100% online e com certificado de 60 Horas

Boletim por e-mail

Junte-se aos mais de 98.210 leitores que recebem nosso boletim eletrônico:


Parceiros

Portal Psicologia