Missão e Visão: Conceitos Norteadores para as Organizações

Missão e Visão: Conceitos Norteadores para as Organizações
(Tempo de leitura: 3 - 6 minutos)

1. Considerações Iniciais

A visão e a missão têm sido utilizadas pelas empresas para transmitir sua ideologia e seus valores. Eles são conceitos imprescindíveis, pois são a base para a definição das estratégias que guiarão as ações da organização como um todo, bem como de cada membro em particular, fazendo com que haja uma convergência de metas e um direcionamento mais eficaz da força de trabalho e dos investimentos.

Uma empresa para se direcionar ao sucesso necessita primordialmente saber aonde quer chegar e por que quer alcançar tais objetivos. Possuir essa definição bem clara possibilita que todos os envolvidos nesse processo possuam o mesmo olhar perante a empresa.

Assim, a missão e a visão constituem a base referencial sobre a qual devem ser assentadas todas as diretrizes de condução estratégica da organização. Através desses conceitos a empresa é capaz de projetar sua imagem.

2. Missão

A missão corresponde à razão de existência de uma organização e a delimitação das atividades dentro do espaço que deseja ocupar em relação às oportunidades de negócios. É ela quem define o propósito fundamental e único que a organização tenta seguir para identificar seus produtos e/ou serviços, assim como seus clientes (TAVARES, 2001). Ela define de uma forma geral onde a organização vai atuar e qual será o seu foco principal.

As empresas devem possuir uma missão bem clara, pois do contrário poderá acontecer problemas de ordem interna, como confusão por parte da equipe por não saber se a organização está realmente fazendo o que objetiva, e também de ordem externa, onde os clientes não sabem ao certo qual o propósito da empresa.

Para a elaboração de uma missão a empresa deverá se guiar através do esclarecimento de algumas questões centrais, tais como: quem é e onde está o seu cliente; quem poderá vir a ser o seu cliente; o que pode fazer para manter os primeiros clientes e conquistar os demais; o que o seu cliente compra e quais são suas competências distintivas (TAVARES, 2001).

É importante que ao estabelecer uma missão a empresa se atente ao motivo principal que deu origem a sua criação, de modo que com o passar do tempo ela continue fiel ao que a gerou. Isso remete até a uma questão de identidade da empresa, visto que a missão tem esse poder. Embora várias empresas possam atuar no mesmo negócio, os que as distinguem é justamente a missão que possuem. Ela corresponde exatamente à explicação por escrito das intenções e aspirações da organização.

As empresas possuem suas missões e as empoem como forma de mostrar a razão de suas existências. A missão da Fiat é, por exemplo, produzir automóveis que as pessoas desejam comprar e tenham orgulho de possuir. Dessa forma ela existe em função desse propósito. A missão da ique é vender artigos esportivos, buscando inovação e tecnológica proporcionando conforto para seus clientes. E a missão da coca-cola, mundialmente conhecida, é refrescar todos os consumidores em corpo, alma e mente, inspirar momentos de otimismo através de suas marcas e ações, e criar valor e fazer a diferença onde quer atuem.

3. Visão

A visão diferente da missão, que se caracteriza pelo propósito da empresa, diz respeito aonde ela quer chegar. Ela é a situação futura desejada, deve ser uma meta ambiciosa, e servi como um guia para a definição dos objetivos e a realização da missão.

As visões se baseiam na realidade da empresa, mas visualizam uma realidade futura. Através dela é possível explorar as possibilidades e as realidades desejadas. Assim elas se tornam a estrutura para o que a empresa quer criar e o que as orientam para fazerem escolhas e compromissos de ação. E apesar de seu conceito ser bem claro, não há uma formula pronta para encontrar a visão de uma organização, visto que seu processo de construção é muito particular de cada empresa (SENGE, 1990).

A visão deve ser algo a longo prazo, pois em um período de tempo mais longo a empresa se compromete com metas mais desafiadoras. A visão também precisa ter um conceito bem claro. Assim é importante se criar uma imagem, que seja compartilhada por todos, de onde se pretende chegar.

O estabelecimento de uma visão exige pensar além das capacidades atuais da organização e de seu ambiente competitivo (COLLINS & PORRAS, 1996). Ou seja, estabelecer um ponto aonde se deseja chegar levando em consideração a situação atual que se tem da empresa. Deve-se objetivar algo para o futuro, mas que tenha reais condições de acontecer.

As grandes empresas possuem suas visões bastante conhecidas. A visão da Fiat é estar entre os principais players do mercado e ser referência de excelência em produtos e serviços automobilísticos. A visão do Boticário, empresa de cosméticos, é conectar as pessoas aos ideais de beleza, sendo a marca preferida, com rentabilidade e crescimento acima do mercado. E a visão da Avon, outra empresa de cosméticos, é ser a companhia que melhor entende e satisfaz as necessidades de produtos, serviços e auto-realização das mulheres no mundo todo.

4. Considerações Finais

As empresas, independente do tamanho, precisam guiar seus negócios em torno de determinados objetivos. Isso as ajudam na construção de suas identidades e no estabelecimento de metas a serem alcançadas.

O objetivo de se ter uma missão é deixar claro a razão da existência da empresa. O da visão é explanar o que ela almeja, ou seja, o que pretende alcançar. Portanto, a partir do conhecimento da missão e da visão de uma empresa, é possível traçar um retrato geral de sua imagem.

Tanto a missão quanto a visão precisam ser descritas com bastante objetividade, de forma a indicar a direção em que organização deve atuar. As decisões estratégicas, as atividades, os pensamentos e as ações da empresa e de seus colaboradores deverão estar subordinados e norteados pela sua missão e visão.

Sobre o Autor:

Kelly Mayana Pacheco de Sousa – Departamento de Psicologia. Faculdade de Ciências Médicas. Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Teresina, PI, Brasil, email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Referências:

COLLINS, J. C.; PORRAS, J. I. Building your company’s vision. Harvard Business Review, Boston, v. 74, n. 5, p. 65-77, sept./oct. 1996.

SENGE, P. M. The fifth discipline: the art and practice of the learning organization. New York: Doubleday, 1990.

TAVARES, Mauro Calixta. Gestão Estratégica. São Paulo: Atlas, 2001.

Informar um Erro Publique Seu Artigo