O Papel do Psicólogo Organizacional na Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

O Papel do Psicólogo Organizacional na Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho
5           Avaliação 5.00 (1 Avaliação)
(Tempo de leitura: 6 - 12 minutos)

Resumo: Alguns dos problemas que são relatados nas organizações, são: não colocar em prática os conhecimentos e habilidades que algumas vezes são ocultadas, adaptação das políticas e normas regidas pela corporação, comunicação ineficaz e remuneração desproporcional ao cargo. Estes são uns dos tópicos mencionados pelos funcionários. A importância deste tema, é fazer com que os psicólogos organizacionais se posicionem em ver qual é o seu lugar nas corporações. E para a sociedade compreender que qualidade de vida não está voltada somente nas empresas, mas também nos ambientes residenciais. No início, foi desenvolvido uma pesquisa bibliográfica, onde foram coletadas fontes primárias, como: artigos publicados na internet, e livro em pdf para uma compreensão do tema abordado para este trabalho. Quanto aos meios formulados, a pesquisa exploratória, tem a finalidade de evidenciar novos fenômenos e obter explicações de pessoas de maneira vivencial. Se importar com a qualidade de vida dos subordinados, é a maneira de prevenir várias doenças relacionadas ao trabalho, e algumas lacunas nas organizações, como: ambiente de trabalho inadequado, conflitos interpessoais e cultura organizacional. Os dados inseridos no presente estudo, traz não somente aos psicólogos organizacionais como usar os recursos necessários para melhorar a qualidade de vida do colaborador, mas também na contribuição da literatura acadêmica, para que o discente aprecie esta obra e a contemple em algum tema semelhante que o mesmo possa estar desenvolvendo. Existem várias ferramentas para combater a má qualidade de um ambiente de trabalho, como: tornar a comunicação mais eficaz e prevenir conflitos interpessoais, entre outros. Para a sociedade, é bom saber que as pessoas têm os seus direitos para recorrerem, se por ventura se sentirem desamparadas. E diante da profissão, se vier alguma falha ou problema que comprometa o emprego do profissional, o conhecimento dentro da organização se tornará necessário para resolver a lacuna.  

Palavras-chave: Satisfação, Relacionamento Interpessoal, Remuneração, Psicólogo Organizacional, Psicologia Organizacional, Qualidade de Vida no Trabalho.

1. Introdução

São inúmeros os fatores que têm contribuído para à má qualidade de vida no trabalho. É incontável a quantidade de subordinados que estão se afastando das organizações por problemas de saúde e insatisfação. Alguns dos problemas que são relatados, são: em não colocar em prática os conhecimentos e habilidades que algumas vezes são ocultadas, adaptações das políticas e normas regidas pelas corporações, comunicação ineficaz e remuneração desproporcional ao cargo. Estes são uns dos tópicos mencionados pelos funcionários.

O intuito desta pesquisa, é: conscientizar os psicólogos organizacionais, em elaborar melhorias dentro das empresas, desde a cultura organizacional até a estrutura do ambiente de trabalho. E com ênfase de não negligenciar o bem-estar e a qualidade de vida no trabalho. Esses dois fatores irão determinar uma excelente saúde para os empregados e o êxito para a corporação.

A importância deste tema, é fazer com que os psicólogos organizacionais se posicionem em ver qual é o seu lugar nas corporações. E para a sociedade compreender que qualidade de vida não está voltada somente nas empresas, mais também nos ambientes residenciais.

Diante dessas lacunas que foram apresentadas, os procedimentos que serão feitos para minimizar estes problemas são: implantar ginásticas laborais ao menos 1 vez por semana, pausas periódicas, mobílias adequadas ao ambiente de trabalho e estar verificando o quadro de saúde de todos os colaboradores. Estes são alguns dos métodos para promover a qualidade de vida e o bem-estar dos subordinados.

2. O Papel do Psicólogo Organizacional na Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

2.1 Processo Produtivo para a Qualidade de Vida no Trabalho para os Colaboradores

Segundo (SILVA, 2009), para haver a participação de todos os colaboradores nos processos produtivos para a organização, e a satisfação dos demais integrantes, é necessário a colaboração de todos. Colocar em prática os conhecimentos, capacidades e habilidades são atitudes que proporcionará ativa a corporação. E como consequência produzirá benefícios intrínsecos para os funcionários, em gerar a satisfação para se empenhar nas suas atribuições.

2.2 Produtividade no Ambiente de Trabalho

Se adaptar às políticas e normas desenvolvidas pela corporação, têm deixado os colaboradores inflexíveis e improdutivos com às tarefas que são impostas aos mesmos. São poucos os funcionários que se apropria das regras e mudanças que é passado para os mesmos. Implantar ações de melhorias para a organização e para os funcionários, irá promover um impacto positivo, e ambas as partes sairão ganhando. (LIMONGI-FRANÇA, 2010).

2.3 Fatores predominantes para manter a saúde dos colaboradores em dia

São Inúmeros colaboradores que têm se ausentado da organização por problemas de saúde. Um dos principais motivos, são: as exigências dos empregadores em manter os funcionários trabalhando depois do horário de trabalho, resultando na baixa produtividade, e afetando diretamente na saúde física e mental dos subordinados. As organizações têm que se estruturarem em unanimidade para estabelecerem programas de QVT. É relevante implantar durante à jornada de trabalho pausas e ginásticas laborais para conservar à saúde do empregado. (CHIAVENATO, 2008).

3. A Relevância da Comunicação nas Organizações com Enfoque na Qualidade de Vida no Trabalho para os Colaboradores

Para Oakland, promover um relacionamento interpessoal e eficaz com os clientes e integrantes do trabalho, é a mola propulsora para a organização fidelizar os seus clientes, e bloquear os seus concorrentes. E os colaboradores ficarão satisfeitos em visualizar que a corporação está se desenvolvendo pelo fato de se relacionarem da maneira correta com os seus integrantes.

3.1  A Arte de Ouvir: a atitude ética nas organizações

Nas organizações os colaboradores têm evidenciado deficiências ao ouvir, mostrar interesse ou respeitar a opinião do próximo, esses fatores têm ocasionado um obstáculo para os funcionários. Se sobrecarregar com informações contínuas, como: e–mails, intermináveis telefonemas, tem negligenciado o diálogo interpessoal, que é um fator relevante e necessário para vedar qualquer lacuna. (MATOS, 2008).

3.2 Conflitos construtivos com os colaboradores para soluções de problemas no ambiente de trabalho e ruídos na comunicação

Para Pesca, 2011 ter pensamentos unânimes e estimular entre os colaboradores, conflitos construtivos, são métodos que visam melhorias em todos os sentidos nas organizações e com ênfase para os funcionários. Implantar nas empresas algumas horas durante à jornada de trabalho dos empregados para compartilhar ideias com o propósito de tornar a comunicação interna eficaz, e criando soluções para maximizar o capital de giro da corporação, são alternativas que beneficiam à empresa e o colaborador.   

4. A remuneração como fator determinante para a qualidade de vida no trabalho dos colaboradores

Segundo Gil (2011), para evitar possíveis atritos entre os funcionários, é necessário estabelecer uma equidade, com a qualidade de vida no trabalho, e a remuneração que é oferecida aos mesmos. Conceder um salário justo com o cargo que está sendo assumido, proporcionará o almejo em desenvolver melhor aquela atribuição. Identificar esta deficiência, irá manter os colaboradores por muitos anos nas organizações.

4.1 Remunerações atrativas para a ascensão profissional dos colaboradores

A maioria dos funcionários por receberem um salário atrativo, não sabem fazer um investimento adequado com o mesmo. Às organizações almejam conceder excelentes remunerações aos colaboradores, mas, para isso, é necessário o empregado fazer à sua parte. Estar se atualizando, aprender algo novo na corporação, e adquirindo curso superior, são caminhos que abrirão um leque de oportunidades e crescimento profissional. Os empregadores se sentem satisfeitos em visualizarem que os colaboradores estão desejando ter uma carreira profissional melhor, e isso proporcionará um reajuste salarial e uma boa qualidade de vida. ( RIGAUD, 2009).

4.1.2 Recompensas nas organizações com o objetivo de agregar pessoas

A maioria das empresas têm deixado a desejar em recompensar os seus colaboradores. Às pessoas trabalham com um propósito de cooperar com os seus conhecimentos e habilidades, e os empregadores para tentar omitir a retribuição, acabam oferecendo excelentes remunerações para deixar de lado a recompensa. Existe uma recompensa que é relevante implantar nas organizações que é chamada, de: recompensas não financeiras, que tem o intuito de promover a qualidade de vida no trabalho, oportunidade de crescer profissionalmente, e elevar o nível de autoestima. Portanto as corporações necessitam desenvolver esse método imprescindível para manter os seus subordinados. (CHIAVENATO, 2008).

5. O papel do psicólogo organizacional

Segundo Zanelli (2008), manter a saúde dos colaboradores requer atenção e paciência. Ter um psicólogo organizacional nas empresas é indispensável para à sobrevivência da corporação e manter os funcionários ativos. As atribuições dos psicólogos consistem em: compreender e analisar as diversas lacunas apresentadas pelos subordinados. E um fator de relevância que provoca um impacto positivo para os empregados é o bem-estar dos envolvidos por estarem satisfeitos e felizes por produzirem mais e serem reconhecidos pelo trabalho bem feito.

5.1 As atribuições dos psicólogos organizacionais em realizar o recrutamento e seleção de maneira eficaz

Para Gil (2009), saber recrutar e selecionar de maneira eficaz nas organizações, não está sendo fácil com o mercado de trabalho cada vez mais exigente e competitivo. É importante pontuar que no recrutamento e seleção, tem que haver um equilíbrio em usar os métodos para captar as pessoas. Enfocar o recrutamento interno por tempo indeterminado pode acabar por desprezar novos colaboradores externos e prejudicar a organização quanto a futuramente conhecer novos talentos. Por isso, os psicólogos necessitam atentar em ver qual é a real necessidade da corporação em convocar novos colaboradores.

5.1.2 Cultura Organizacional: fator interno nas organizações que não estão mantendo os colaboradores nas empresas e as atribuições dos psicólogos organizacionais:

Criar uma cultura organizacional que atende ao perfil de cada colaborador, tem sido poucas as empresas que estão tentando atender este requisito. Um dos fatores, são: a maneira como os colegas de trabalho se comunicam de forma sucinta, sendo que em outras organizações o jeito de se interagir é mais descontraído. A pouca comunicação nas corporações, têm afastado os subordinados das mesmas. Portanto, é obrigação dos psicólogos, trabalhar mais para que a comunicação seja melhor nas empresas, e melhorar o ambiente de trabalho e a QVT. (GARETH R., 2010)

6. Resultados da Pesquisa

Analisando o trabalho como um todo, percebemos que o psicólogo organizacional, faz um impacto positivo na organização. Podemos dizer que, sem ele, à empresa não sobrevive. É à mola propulsora, ou seja, é o avivamento entre aqueles colaboradores que estão desativados no ambiente de trabalho.

Se importar com a qualidade de vida dos subordinados, é a maneira de prevenir várias doenças relacionadas ao trabalho, e algumas lacunas nas organizações, como: ambiente de trabalho inadequado, conflitos interpessoais e cultura organizacional.

Observando cada uma dessas falhas organizacionais e pessoais, irá minimizar possíveis danos. Fazendo um estudo de caso minucioso com toda equipe gerencial e empregados, ficará mais fácil em compreender e resolver problemas que podem ocorrer futuramente.

Pensar fora da caixa, na maioria das vezes, é a melhor alternativa em ter um resultado satisfatório para o colaborador ou para a organização. Às vezes o Psicólogo Organizacional, fica preso em um círculo vicioso, sem saída, atrás de uma solução para o problema. É necessário está atento que existe um leque de ferramentas a serem manejadas dentro do ambiente de trabalho, para desenvolver melhorias contínuas para o aperfeiçoamento do funcionário e da qualidade de vida.

7. Metodologia

Analisando a relevância, e o poder exercido na qualidade de vida no trabalho, como a necessidade de aprofundar sobre este assunto, no início, foi desenvolvido uma pesquisa bibliográfica, aonde foram coletadas fontes primárias, como: artigos publicados na internet, e livro em pdf para uma compreensão do tema abordado para este trabalho. Quanto aos meios formulados, a pesquisa exploratória, tem a finalidade de evidenciar novos fenômenos e obter explicações de pessoas de maneira vivencial.   

8. Conclusão

Apresentar este trabalho, entendemos qual é o papel do psicólogo organizacional nas corporações. Ficou evidente durante o processo de pesquisa que a qualidade de vida no trabalho está ficando relevante nas organizações. Ao desenvolver este artigo, percebemos o grau de responsabilidade que este profissional tem com os seus subordinados.    

Ao estudar cada item mencionado na pesquisa tive a percepção que existem várias ferramentas para combater a má qualidade de um ambiente de trabalho, como: tornar a comunicação mais eficaz e prevenir conflitos interpessoais, entre outros. Para a sociedade, é bom saber que às pessoas têm os seus direitos para recorrerem, se por ventura se sentirem desamparadas. E diante da profissão, se vier alguma falha ou problema que comprometa o emprego do profissional, o conhecimento dentro da organização se tornará necessário para resolver à lacuna.

Portanto, se preocupar com cada colaborador, é a maneira de prevenir várias doenças relacionadas ao trabalho e o bem-estar dos envolvidos. Ter um psicólogo organizacional capacitado, será a mola propulsora para o alcance dos objetivos almejados para a organização e funcionários.

Sobre o Autor:

 Mário Vinícius da Silva Cardoso -  

Referências:

Disponível em: http://www.cairu.br/riccairu/pdf/artigos/2/06_QUALIDADE_VIDA_TRABALHO.pdf Acesso em 05 mar. 2018.

Disponível em:       http://ava.grupouninter.com.br/tead/CCDD/pos/engProducao/gstEstrategicaQualid/t6/slides.pdf Acesso em 23 jan. 2018.

Disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/a-evolucao-da-area-de-recursos-humanos-frente-ao-ambiente-de-mudancas-organizacionais/53514/ Acesso em 10 abr. 2018.

Disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/empreendedorismo/o-papel-estrategico-da-comunicacao-nas-organizacoes/98324/ Acesso em 14 mar. 2018.

Disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/academico/processos-de-gestao-da-qualidade-de-vida-no-trabalho-gqvt/81615/ Acesso em 11 fev. 2018.

PESCA, Andréa Duarte. Psicologia organizacional / Andréa Duarte Pesca. – Natal: Edunp, 2011.

Disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/a-influencia-do-clima-organizacional-nas-empresas-e-nas-pessoas/98588/ Acesso em 15 abr. 2018.

Disponível em: http://www.fatecgarca.edu.br/revista/Volume6/artigos_v6/artigo10.pdf Acesso em 22 abr. 2018.

Disponível em: http://www.foar.unesp.br/Home/projetoviverbem/relacoes-interpessoais-e-qualidade-de-vida-no-trabalho.pdf Acesso em 17 mar. 2018.

Disponível em: http://www.rhportal.com.br/artigos-rh/o-psiclogo-nas-organizaes/ Acesso em 25 mar. 2018.

Disponível em: https://psicologado.com.br/atuacao/psicologia-organizacional/recompensas-organizacionais Acesso em 21 jan. 2018

Disponível em: https://psicologado.com.br/atuacao/psicologia-organizacional/recrutamento-de-pessoas Acesso em 13 mar. 2018> 

Informar um Erro Publique Seu Artigo