Definições dos Sentimentos de uma Pessoa Originários de seu Convívio Social

(Tempo de leitura: 7 - 13 minutos)

Resumo: No presente artigo abordou-se o conceito de interação entre as pessoas em meio à sociedade como um fator capaz de definir seus sentimentos em um determinado momento como originários de um efeito produzido na mesma, por conta dos sentimentos de outra pessoa com a qual se tenha contato momentaneamente. Foi então realizada uma pesquisa acerca da análise das reações que outras pessoas possuem por conta do sentimento de seu próximo, analisando palavras tanto no meio oral quanto no meio escrito utilizando o software sentiwordnet e também a reação da pessoa analisada diante de eventual situação. Constatou-se que para todo o sentimento no meio da interação de duas pessoas é trocado no sentido mútuo (desde que o sentimento existente na mesma não seja capaz de anular qualquer efeito que possa ser produzido por intermédio do sentimento alheio) alterando a forma de agir e pensar de uma pessoa. No entanto esse fator não possui proporcionalidade direta em todos os casos, ou seja, o mesmo sentimento que o meio com o qual o indivíduo se encontra oferece dentre o fator emocional pode ser positivo ou mesmo negativo dependendo de todas as interações que se encontram por trás do resultado final.

Palavras-chave: Sentiwordnet, análise de sentimentos, influências emocionais exteriores, efeitos sobre o indivíduo.

1. Introdução

Dentro do contexto da literatura, há tempos muitos autores vem descrevendo o como uma pessoa reagia mediante as emoções de outra quando lhe era demonstrados tais fatores, mesmo Freud (19--) descrevia a analogia disso com os sonhos:

“É bem provável, pelo contrário, que uma modificação de nossa atitude perante os sonhos, ao mesmo tempo, afete nossos pontos de vistas sobre o mecanismo interno dos distúrbios mentais e nos aproxime de uma explicação das psicoses enquanto nos esforçamos para lançar alguma luz sobre o mistério dos sonhos” (FREUD, 19—p.92).

Muitas vezes não percebemos no dia-a-dia o quanto o que acabei de citar está presente em meio a nossa vida. Estava eu esperando meu voo para seguir viagem, enquanto sentado no banco do aeroporto pensava nas formas com a quais eu deveria me portar quando voltasse a minha cidade para causar um bom estigma (pois iria nesse dia a um encontro sobre olimpíadas de conhecimento, tendo contato com pessoas do Brasil inteiro) quando em um determinado momento me dei conta da forma com a qual os passageiros eram tratados pela companhia área, simplesmente como uma estratégia de demonstrar dentre relações emocionais uma eventual qualidade do serviço. Nesse exato momento lembrei-me de um artigo de Bahls e Navolar (2004) o qual o autor estabelecia conexões entres os fatores cognitivos com os comportamentais.

Muitos outros autores também direcionaram um pouco de sua atenção para e perceberam também certas relações nos fatos comportamentais juntamente com os fatos cognitivos, assim Beck e Alford (2000) descrevem: “[...] função que descreve deduções sobre nossas experiências futuras é descrito como a cognição”.

O objetivo dessa pesquisa se reclinou em encontrar meios que comprovem tal pensamento justamente fazendo com que a pessoa como objeto de pesquisa demonstre a sua subjetividade aos fatores de modificação de comportamento diante de situações que vai desde algo que demonstre a sua fragilidade até algo que pareça a primeira vista deixar evidente uma sua suposta superioridade momentânea.

2. Efeitos notáveis dos Sentimentos

Na maioria dos casos é fácil (dependendo da forma com a qual uma pessoa geralmente reage) perceber como uma pessoa está se sentindo por meio de seus atos e seus comportamentos, no entanto em muitos casos isso se torna utópico se não for levada em consideração uma observação acurada.

Araújo (1998) descrevia que o sentimento da vergonha modificava de forma considerável a moral. Onde cita mais adiante: “Diante do que até aqui discutimos, podemos assumir que existe a possibilidade de o sentimento de vergonha ter um caráter moral, que não se subordina à culpa e que, por isso mesmo, merece ser estudado de maneira isolada [...]” (pág. 9). Charles Darwin foi o pioneiro do estudo da vergonha (embora não dada praticamente atenção alguma a seu estudo) em seu livro “The expression of emotions in man and animals” (1872/65), acreditando que a vergonha era o sentimento mais peculiar de todos por tratar-se do que outras pessoas pensam a respeito de nós.

Da mesma que Mintkewski (2009) descrevia que alguma forma de diminuição do ser era capaz de produzir efeitos no corpo, Mota e Maia (2013) descreviam que:

“Baseados na literatura, os sinais e sintomas do estresse baseavam-se em todas as alterações fisio-patológicas que acontecerem em um organismo estressado, sendo os mais frequentes, em relação ao Sistema Nervoso Central (SNC) e psiquismo, o cansaço físico e mental, nervosismo, irritabilidade, ansiedade, insônia, dificuldade de concentração, falha de memória, tristeza, indecisão, sentimento de raiva, emotividade, choro fácil, pesadelo, depressão, isolamento, pânico, podendo também apresentar alterações de comportamento autodestrutivo e robotização do comportamento”(pág. 3).

Dessa maneira percebemos que caso queiramos entender como a pessoa analisada está se sentindo nesse determinado momento, devemos fazer uso das observações de seus atos e comportamentos esternos, pois são eles originários de um processo interno dentro do fator psíquico capaz de, na maioria dos casos, levar às representações do mundo conforme preditas por visão variável de um grau de emoção para outro.

2.1. Análise de Sentimentos

Como citado anteriormente só conseguimos perceber a forma momentânea emocional caso levamos em consideração os reações externas observáveis. Uma das inúmeras maneiras de se entender isso é observando o discurso. Mintekewski afirma: “Mais que palavras e ações o discurso constitui-se ao longo dos tempos como a principal forma de expressão do ser humano” (pág. 19).

Orlandi (2002) também afirma que “O saber discursivo que torna possível todo o dizer e que retorna sob forma do pré-construído, o que já dito que está na base do dizível, sustentando cada palavra. O interdiscursivo disponibiliza dizeres que ofertam o modo como o sujeito significa em uma situação discursiva dada” (pág. 31).

Por isso que além de se observar as reações faciais como fator determinante no entendimento do que se passa por suas representações emotivas, será analisado nesse também as repostas discursivas fazendo uso do software sentiwordnet.

O sentiwodnet trata-se de um programa computacional com o qual se analisa cada palavra de um discurso, dando a elas três valores numéricos para a classificação de uma palavra (um valor positivo, outro negativo e outro neutro) para a análise do grau de sentimento empregado um uma frase ou discurso.

3. Metodologia

Antes de falarmos sobre a metodologia utilizada para tal pesquisa vale a pena frisar que cada parte do discurso da pessoa ao receber um estímulo emotivo e de suas expressões aparentes na mesma ocasião, serão utilizados como fragmentos com os quais serão reunidos para obter-se o resultado final, ou seja, eles podem pouco representar se forem realizados isoladamente, pois assim afirma Gerhard e Rocha Filho:

“[...] a fragmentação dos saberes consiste na divisão do conhecimento em pequenas parcelas, em uma ação cuja natureza epistemológica provém da visão mecanicista do mundo. A influência do pensamento cartesiano no desenvolvimento científico levou à separação dos saberes [...]” (pág. 142).

Optamos por utilizar para analisar o discurso o software sentiwordnet, disponível em http://wordnet.princeton.edu, baseando-se nas novas pesquisas no ramo da informática para a análise de sentimentos. As quais segundo Oliveira (2013):

“o primeiro desafio para o desenvolvimento de um sistema de análise de sentimentos é a escolha da fonte de dados da qual as informações serão extraídas, o que é de grande importância para que as infomações apresentadas ao usuário sejam confiáveis. A confiabilidade é um dos fatores preponderantes nesse tipo de sistema, pois muitas vezes as informações que chegam até o usuários podem apresentar desvios tendenciosos” (pág. 8).

Para Cavalcanti, Prudêncio, Pradhan, Shah e Pietrobon (2011):

“a análise de um sentimento explora o estudo computacional de opiniões expressos em fontes não estruturadas como textos. O objetivo não é determinar sobre qual tópico ou tema o documento trata (como realizado em técnicas convencionais de classificação e texto), mas sim em descobrir qual a opinião expressa no documento e classificar a sua polaridade” (pág. 3). E logo mais afirmam: “A nossa análise revela que citações com alta pontuação de relevância formam, em geral, as que expressam opinião positiva [...]” (pág. 9).

Assim para se analisar o sentimento por meio do discurso, calcula-se o valor de cada palavra utilizando a equação abaixo, onde si é o valor (score) de cada palavra e t, o tamanho do conjunto de scores individuais, Souza, (2011).

Score

Score final= Score/Soma.

Para tais valores, Oliveira (2013) classifica a seguinte forma: “Se o score final >=0,75, a palavra é considerada fortemente positiva; Se o score final>0,25 e <0, 75, é considerado pouco negativo; Se o score final <-0,25 e >-0,75 é considerado negativo; Se o score final<-0,75 é considerado muito negativo”.

3.1 Observações da aplicação das entrevistas

Sabe- que o software sentiwordnetclassifica as palavras usadas em um discurso como sendo positivas que tal palavra é capaz de surtir. Na presente pesquisa foram entrevistadas 23 pessoas, com idades variando desde 15 até 46 anos, residentes em três, negativas ou neutras, sendo que para elas se atribui um valor para denominar o efeito em diferentes cidades e de três religiões. A pesquisa foi realizada de início de setembro à final de outubro de 2013.

Dentre a forma com a qual se utilizou para atingirmos o nosso objetivo, observou-se conceitos muitos peculiares, pois já descrito por Minayo:“A pesquisa qualitativa responde a questões muito particulares, [...] trabalha com o universo dos significados, dos motivos, das aspirações, das crenças, dos valores e das atitudes [...]” (MINAYO, 2008 p.21).

Assim seguiu-se um modelo representado pelos seguintes tópicos:

I –Utiliza-se do software sentiwordnetpara escolher formar frases com impacto positivo, negativo e neutro.

II – Foi observado o score emocional inicial de uma pessoa por intermédio de uma interação com a mesma somente, a um primeiro momento, com palavras de efeito nulo.

III – Em seguida interagiu-se com tal pessoa utilizando palavras de efeito positivo negativo ou nulo, e espera-se para gravar as palavras que a mesma irá utilizar para responder as mesmas palavras.

IV – Com as frases coletadas, analisa-se o seu efeito de sentido fazendo uso novamente do software sentiwordnet e com isso observa-se o que a interação de um determinado sentimento foi capaz de trazer dentro do arcabouço emocional da mesma.

4. Resultados observados

Para os resultados obtidos, usamos o seguinte critério:

Suponha-se que o score final de uma determinada frase que será usada é de 0,20. A pessoa com a qual se está aplicando o método possui de média dos scores finais de suas frases o valor de -0,25. Ao se usado na interação com a mesma a frase de valor do score final de 0,20, observamos que a resposta da pessoa para esta frase é possui um score final de zero. Assim se conclui que o sentimento da frase de tal pessoa foi de aproximadamente 55,55% em direção ao valor do score final da palavra. O mesmo pode ser descrito mesmo que a frase aplicada se negativa, ou seja, se invés de 0,20 fosse de -0,80, e o resultado da resposta fosse de -0,60, pois nesse caso teríamos um desvio de aproximadamente 63,63% (sendo que se considera 100% a distância existente entre o score emocional inicial da pessoa e o score final da frase de resposta dita após a interação com ela por meio de uma frase como descrito acima).

Segue-se abaixo um gráfico contidos os desvio médio das pessoas A à W.

valor de desvio médio de todos os dias

5. Análise dos dados obtidos e possíveis conclusões

Observa-se claramente que uma frase é capaz de surtir efeito emotivo no receptor por meio das palavras então dispostas na mesma, podendo tal efeito de sentido se intencional ou não.

A pesquisa aqui realizada não utiliza de seus dados para descrevê-los como totalmente universais, mas apenas para tomar consciência de que em quase todos os casos em que é apresentada a certo indivíduo uma frase com um sentido semântico emotivo, as próximas frases do mesmo como resposta a primeira possuem um desvio do sentido inicial para o sentido que lhe fora proposto.

É importante que seja destacado nesse contexto o fato de que a média de desvio se se colocou em torno de 40% da distância entre o score final inicial e o score final após ser aplicada cada frase.

Com esses dados constata-se que de fato há uma forte influência nos sentimentos e uma pessoa quando a mesma encontra-se em convívio entre a sociedade, sendo que tais sentimentos em certos casos podem se impostos em função do tempo que uma pessoa está colocada em frente a frases de grande score emotivo.

Referências:

Araújo, Ulisses F. O sentimento de vergonha como um regulador moral. Tese de doutorado, São Paulo, IP/USP, 1998.

Bavaresco, Ângela Maria; Picinini, Juliane. Relacionamento virtual. Psicologado.com, 2013 (disponível em https://psicologado.com.br/abordagens/psicanalise/relacionamento-virtual).

Beck, A.T.; Alford, B. A. O poder integrador da terapia cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

Cavalcanti, Diana C.; Prudêncio, Ricardo B. C.; Pradhan, Shreyasee S.; Shah, Jatin Y.;Pietrobon, Ricardo S. Análise de sentimentos em citações científicas para definições de fatores de impacto positivo.Recife: UFPE, 2012.

Darwin, Charles. The expression of emotions in man and animals.London, Jhon Paul, 1872. (Ed. Ing. 1965).

Fazenda, I. C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 10. Ed. Campinas: Papirus, 2002.

Freud, Sigmund. Interpretação dos sonhos. Buenos Aires: Obras Completas, 1972.

Gerhard, Ana Cristina; Filho, João Bernardes Rocha. A fragmentação dos saberes na educação científica escolar na percepção de professores de uma escola de ensino médio. Porto Alegre: Programa de pós-graduação em educação em ciências e matemática, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2012.

Liu, B. Web Data Mining, Exploring Hyperlinks, Contents and Usage Data.Chicago: Spring, 2007.

Maia, Luciana Maria; Mota, Celeste Souza. Estresse como mau- estar na percepção dos jovens pré-vestibulandos. Psicologado.com (disponível em https://psicologado.com.br/atuacao/psicologia-escolar/estresse-como-mal-estar-na-percepcao-dos-jovens-pre-vestibulandos).

Minayo, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social; teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2004

Mintkewski, Lilian Luciane Lerner. Os efeitos de sentidos sobre o corpo, desencadeados a partir de apelidos que são designados no contexto escolar. Blumenau: Universidade Regional de Blumenal, centro de ciências da educação, programa de pós-graduação em educação, mestrado em educação, 2009.

Navolar, Ariana Basseti Borba; Bahls, S. C. Terapia cognitivo-Comportamentais: Conceitos e pressupostos teóricos. Curitiba: Psico.UTP.online, 2004.

Oliveira, Frank Willian Cardoso. Análise de comentários em português utilizando o sentiwordnet. Maringá: UEM, Centro de tecnologia – Departamento de informática, Especialização em desenvolvimento de sistemas para a web, 2013.

Orlandi, Eni P. análise de discurso: princípios e procedimentos. 4. Ed. Campinas: Pontes, 2002.

Souza, L. V. Análise de sentimentos no Twiter utilizando o sentiwordnet. Recife: monografia-Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco, 2011.

INFORMAR UM ERRO