Conceito de Ética e Sociedade Moderna Dentro da Visão Aristotélica

Conceito de Ética e Sociedade Moderna Dentro da Visão Aristotélica
4.8           Avaliação 4.80 (10 Avaliações)
(Tempo de leitura: 3 - 5 minutos)

Resumo: Este artigo de caráter dissertativo objetiva um estudo sobre a ética na sociedade moderna e como esta se entrelaça com a filosofia de Aristóteles. A Ética nasce da necessidade humana de criar valores e hábitos, para que assim possamos viver pacificamente em comunidade. Toda cultura humana se preocupou com a preservação de seus valores e tradições, uma vez que vivemos em sociedade; e para que assim continuemos, precisamos aprender a conviver em grupos. Sendo assim, o presente estudo procurou compreender como os conceitos de Ética, Sociedade e Estado e como elas mudam com o tempo e o lugar. Elas nascem, algumas desaparecem e morrem, outras retornam e reaparecem. Esse fato torna-se necessário, uma vez que possamos usá-lo para questionar nossos atos no presente.

Palavra-chave: Ética, Sociedade Moderna, Filosofia, Cultura

Conceito de Ética e Sociedade:

É fato conhecido de que todos nós em algum momento dissemos saber o significado de ética. Porém, quanto mais pensamos no assunto, verificamos o quanto torna-se algo difícil tentar explicá-la, principalmente quando somos questionados.

A ética é o conjunto de costumes e valores que diversas culturas construíram ao longo tempo e espaço nas sociedades humanas. Conforme Cabrera (2014, p. 91) menciona: “A ética se ocupa com critérios de correção ou incorreção de ações humanas no que se refere especialmente às relações com outros humanos”.

Aristóteles (2007, p. 95), diz: “Em todas as ciências e em todas as artes o alvo é o bem; e o maior dos bens acha-se principalmente naquela dentre todas as ciências que é a mais elevada: ora, essa ciência é a Política, é a justiça, isto é a utilidade geral”.

Dentro de aspecto de abrangência: a Ética, ela nasce da necessidade humana de criar valores e hábitos para que assim possamos viver pacificamente em comunidade. A política, para Aristóteles, seria o regulador/mediador dessas normativas que irá definir o certo ou errado, o justo e o injusto, o moral do imoral. Dentro da premissa Aristotélica a éthos (ética), ou seja, os costumes e hábitos de um povo, são reguladas através das leis e mediada pela política.

Aristóteles (2007, p. 58), argumenta: “A lei só tem força para se fazer obedecer no hábito, e o hábito só se forma com o tempo, com os anos. Assim, mudar com facilidade as leis existentes por outras novas é enfraquecer a sua própria força”.

O filósofo ainda menciona o papel do homem na sociedade, diferindo do animal em estado de natureza. Também manifesta conceito de “igualdade entre os homens”, contudo, esta visão não enquadrava estrangeiros, mulheres, “bárbaros” e escravos, sejam eles “naturais”, pois, “nasceram neste estado” dos cativos por guerras ou dívidas.

Logo, a visão Aristotélica de Igualdade e Democracia estavam limitadas ao Grego de nascimento, ricos e geralmente pertencentes a uma classe social privilegiada (eupátridas).

 Conforme PAVIANI E SANGALLLI (2014, p. 225), corrobora: 

Se de um lado esses conceitos consagrados pela Antiguidade estão em partes superados, de outro lado esses mesmos conceitos reatualizados são indispensáveis para entender e complementar as inúmeras teorias éticas contemporâneas.  

Desta perspectiva nascem novas questões e dúvidas pertinentes a nossa sociedade como: o meio ambiente, biodiversidade, multiculturalismo, bioética nos avanços científicos, o uso das novas tecnologias, e a inter-relação entre tecnologia e política. Esses conceitos estão entrelaçados com valores como bem, virtude e caráter.

O autor ainda menciona:

O marxismo, o existencialismo, a fenomenologia, a hermenêutica, o pragmatismo, a filosofia analítica e até as ciências sociais e humanas, de um modo ou de outro, retornam a Platão, Aristóteles, Epícuro, Zenão, Agostinho para falar do bem, da virtude e da felicidade. E, apesar dos conflitos entre visões antigas e atuais, há a possibilidade de se perceberem, nos contextos sociais e históricos, diferentes maneiras de entender a virtude e a moral (PAVIANI E SANGALLLI, 2014, p. 225).

Deste modo, sempre retornaremos a Aristóteles, por sermos seres que revisitam sua história e questionam seus avanços e retrocessos. Porém, conceitos Aristotélicos de Igualdade “apenas para homens gregos ricos” e de Democracia “para poucos” foram aos poucos deixados de lado.

Conclusão

Toda cultura humana se preocupou com a preservação de seus valores e dos cuidados que devem a elas, uma vez que nós vivemos em sociedade e para que assim continuemos. precisamos aprender a conviver em comunidade

Neste sentido, não existe o termo “ética” no singular, afinal, todas sociedades procuraram definir suas normas (Leis), para mediar o correto e incorreto dentro da comunidade. Mas “éticas” no plural; significando que todas as culturas ao longo dos séculos e em diferentes lugares construíram diferentes alicerces para nortear as noções de certo ou errado; bem ou mal, justiça e injustiça dentro de uma sociedade.

Sobre o Autor:

Edson Evangelista Carvalho - Graduado em Psicologia na FQM - Faculdade de Quatro Marcos em São José dos Quatro Marcos - MT. 

Referências:

CHAVES. Nestor Silveira. Aristóteles - A política. Rio de Janeiro: Escala, 2007.

TORRES, João Carlos Brum. Manual de ética: questões de ética teórica e aplicad

Informar um Erro Publique Seu Artigo