Resumo: O presente trabalho tem como objetivo apresentar através de dados qualitativos, indicadores de bem estar, prazer e independência em amostra de idosos integrantes do Projeto do Idoso da Universidade Estácio de Sá – Campus R9. O trabalho também propõe uma discussão sobre os aspectos relacionados à promoção da saúde e melhoria da qualidade de vida do idoso e a importância da participação do idoso na sociedade. O método utilizado foi o de aplicação de entrevistas abertas e observação no momento do desenvolvimento das atividades. Os resultados apontam que trabalhos que promovem melhoria da qualidade de vida do idoso auxiliam a integração psicossocial, autonomia e bem estar na vida do idoso.

Palavras-chave: Psicologia, Envelhecimento, Qualidade de vida, Autoestima.

Resumo: O envelhecimento é um processo natural de deterioração das funções orgânicas decorrente da passagem do tempo. Apesar do avanço da Medicina e da Ciência possibilitarem o aumento da expectativa de vida verifica-se que nem sempre ela é acompanhada de qualidade, devido aos efeitos do envelhecimento. Entre as causas prejudiciais ressalta-se o estresse e os estados mentais permeados por crenças limitantes. A prevenção pode ser feita durante todo o ciclo de vida do ser humano, mas por interesses naturais desta etapa da vida, pessoas mais jovens direcionam o foco de sua atenção para o mundo exterior e para as aquisições, por esse motivo o período propício para iniciar a prevenção pode ser a segunda metade da vida, quando o interesse do indivíduo se volta para os aspectos internos. As metáforas estão entre os recursos da Programação Neurolinguística que podem contribuir para a modificação de estados mentais inadequados, a desconstrução de crenças limitadoras e o fortalecimento de crenças positivas em relação ao processo de envelhecimento favorecendo que sua ocorrência seja acompanhada de qualidade de vida. Através da identificação do indivíduo com personagens de histórias, as crenças pessoais podem ser resignificadas e os recursos utilizados pelos personagens das histórias podem ser novas referências, para que novos objetivos sejam traçados e novas atitudes sejam construídas. A aplicação deste recurso foi realizada com um grupo de quatro mulheres de meia idade e no final observou-se que a partir de algumas mudanças na compreensão do assunto, novos objetivos foram traçados em busca de qualidade de vida.

Palavras-chave: envelhecimento, crenças, metáforas, desenvolvimento humano.

Resumo: O objetivo do estudo é identificar a visão de adolescentes grávidas e responsáveis sobre a gravidez na adolescência, considerada como um fenômeno social complexo. Com base na abordagem sócio-histórica, desenvolveu-se uma pesquisa descritiva, exploratória e qualitativa junto a cinco adolescentes grávidas e responsáveis. Os colaboradores foram selecionados em uma Unidade Básica de Saúde, na cidade de Lins, SP. A pesquisa foi desenvolvida entre agosto e setembro/2011, utilizando como referencial metodológico a história oral e entrevista semi-estruturada; sendo estas gravadas. Os dados são apresentados na forma de narrativas, os pontos comuns são explorados por meio do referencial da Análise de Conteúdo de Bardin. Os colaboradores atribuem diferentes significados à gravidez na adolescência, revelam expectativas, dificuldades e a existência de sentimentos ambíguos com relação à ocorrência deste fenômeno. Constata-se que há necessidade de oferecer aos usuários orientação psicológica, pois o atendimento médico somente não responde com resolutividade adequada às necessidades desta população.

Palavras-chave: Adolescência, Gravidez, Psicologia.

Resumo: O presente trabalho busca refletir sobre a pena de morte, cujo caráter é psicossocial e político. Teve-se como objetivo busca-se analisar a trajetória histórica percorrida na construção do pensamento de extermínio como solução para o fim da criminalidade, em que a vingança torna-se sinônimo de justiça e a importância da psicologia na construção dessa subjetividade humana. Trata-se de pesquisa qualitativa, que busca uma revisão na literatura sobre o tema pena de morte e psicologia. Pretendeu-se analisar como tem sido construída a subjetividade humana em relação à pena de morte e como a psicologia pode contribuir com uma reflexão para uma melhor visão sobre os valores punitivos em seus aspectos jurídicos, morais, sociais, psicológicos e políticos e problematizar as práticas que levam a um imaginário da população que confunde a concepção de justiça com vingança, indo além da exclusão, partindo para a exterminação de indivíduos.

Palavras-chave: Psicologia, violência e pena de morte, imaginário social, subjetividade humana, exclusão social, extermínio.

Etapa do desenvolvimento humano, muito importante no amadurecimento individual e, portanto, social em nossa cultura.  Surge como um tempo de transformações e de passagem para a vida adulta. Sob o prisma da psicanálise, caracteriza-se por ser uma crise psíquica, pois o adolescente é chamado a ocupar um novo lugar, o de responder por suas atitudes e palavras e assim construir essa nova identidade subjetiva.  Essa história já está iniciada, começou bem antes, desde o desejo dos pais sob este filho que irá chegar (Berço Simbólico) e agora essa história deverá ser reescrita em nome próprio na infância, geralmente, as coisas parecem se resolver por si mesmas já que até então estávamos protegidos pelo Outro.

Resumo: O presente trabalho consiste em uma revisão de literatura sobre a promoção da resiliência em adolescentes em situação de risco social. Para a psicopatologia do desenvolvimento, o risco tem um potencial para predispor pessoas e populações a resultados negativos específicos. Todavia, os resilientes buscam através do autoconhecimento o equilíbrio necessário para aprender a transformar emoções e experiências negativas em positivas. Destacam-se as redes de apoio e as características individuais como os principais fatores de proteção e colaboradores no processo de resiliência. E a psicologia positiva como movimento de investigação de aspectos potencialmente saudáveis dos seres humanos.

Palavras-chave: Adolescência, Resiliência, Situação de Risco, Psicologia Positiva, Psicopatologia do Desenvolvimento.

Resumo: A população mundial tem passado por um crescente processo de envelhecimento, não sendo diferente no Brasil. Com isso, surgem também as necessidades específicas desse grupo populacional, especialmente aquelas relacionadas à saúde e à qualidade de vida. Dentro desse escopo, temos o tema da sexualidade, que também vem sendo cada vez mais discutido aberta e cientificamente na sociedade. Levando em consideração esses aspectos, decidimos unir esses dois temas em uma pesquisa, com o objetivo de compreender as mudanças que o envelhecimento natural - a senescência – pode trazer para a sexualidade humana. Nosso público alvo foi composto por sujeitos entre 60 e 80 anos de idade, moradores do município de Jequié, interior da Bahia. Realizamos entrevistas semiestruturadas com essas pessoas e identificamos que, no processo de senescência, alguns fatores interferem de formas diversas e com diferentes intensidades na vida sexual. Percebemos que as mudanças físicas em si interferem pouco na expressão da sexualidade, que é mais influenciada pela ocorrência de doenças, que afetam não apenas o físico, mas o psicológico dessas pessoas, que acabam por se sentir desestimuladas às práticas sexuais.

Palavras-Chave: Senescência. Sexualidade. Qualidade de vida.

Resumo: Esta pesquisa foi realizada com objetivo de determinar a prevalência de síndromes depressivas entre os idosos que participam do Projeto Conviver de Laguna Carapã-MS. Para obtenção desses dados utilizou-se o Inventário de Depressão da Escala Beck – BDI, no qual 14 idosos foram avaliados. A prevalência da depressão nesta população foi de 21%, sendo 67% depressão leve e 33% moderado. Os sintomas mais presentes foram dificuldades de trabalhar, perda da libido, fatigabilidade e preocupações somáticas. Esse estudo pode contribuir para os profissionais da área da saúde no planejamento de políticas em relação à promoção, prevenção e intervenção nesta condição, com melhora na qualidade de vida.

Palavras-chave: Depressão. Envelhecimento. Vida social.