Teoria Psicossocial do Desenvolvimento em Erik Erikson

Teoria Psicossocial do Desenvolvimento em Erik Erikson
4.5           Avaliação 4.50 (16 Avaliações)
(Tempo de leitura: 3 - 5 minutos)

Erik Erikson propôs uma concepção de desenvolvimento humano em 8 fases (ou estágios) psicossociais, perspectivados, por sua vez, em oito idades que decorrem do nascimento até a morte, pertencendo as quatro primeiras ao período de bebê e de infância, e as três últimas aos anos adultos e à velhice. Cada estágio é atravessado por uma crise psicossocial, sendo uma vertente positiva e uma negativa.

A teoria de Erik Erikson dá especial importância ao período da adolescência, notadamente por ser uma transição entre a infância e a idade adulta, onde ocorrem acontecimentos relevantes para a o desenvolvimento da personalidade adulta.

Na Teoria Psicossocial do Desenvolvimento, este se dá em 8 fases e cada fase contribui para a formação da personalidade total (princípio epigenético), sendo, desta forma, todos importantes mesmo depois de se os atravessar.

O núcleo de cada fase/estágio é uma crise básica, que existe não só durante aquele estágio específico, apenas será mais proeminente em cada fase, trazendo raízes prévias dos estágios anteriores e com consequência para os estágios posteriores.

Para Erikson, a formação da identidade inicia-se nos primeiros quatro estágios e o senso desta ocorre na adolescência, evoluindo e influenciando os últimos três estágios.

Erikson perspectivava em sua teoria o desenvolvimento tendo em conta aspectos de cunho biológico, individual e social.

A teoria psicossocial em análise enfatizava o conceito de identidade, a qual se forma no 5º estágio, e o de crise que sem possuir um sentido dramático está presente em todas as idades, sendo a forma como é resolvida determinante para a resolução, na vida futura, dos conflitos. 

As 8 Fases do Desenvolvimento Psicossocial em Erik Erickson

1. Confiança  X  Desconfiança  (até um ano de idade)

Durante o primeiro ano de vida a criança é substancialmente dependente das pessoas que cuidam dela, requerendo cuidado quanto à alimentação, higiene, locomoção, aprendizado de palavras e seus significados, bem como estimulação para perceber que existe um mundo em movimento ao seu redor. O amadurecimento ocorrerá de forma equilibrada se a criança sentir que tem segurança e afeto, adquirindo confiança nas pessoas e no mundo. 

2. Autonomia  X  Vergonha e Dúvida   (segundo e terceiro ano)

Neste período a criança passa a ter controle de suas necessidades fisiológicas e responder por sua higiene pessoal, o que dá a ela grande autonomia, confiança e liberdade para tentar novas coisas sem medo de errar. Se, no entanto, for criticada ou ridicularizada desenvolverá vergonha e dúvida quanto a sua capacidade de ser autônoma, provocando uma volta ao estágio anterior, ou seja, a dependência. 

3. Iniciativa  X  Culpa (quarto e quinto ano)

Durante este período a criança passa a perceber as diferenças sexuais, os papéis desempenhados por mulheres e homens na sua cultura (conflito edipiano para Freud) entendendo de forma diferente o mundo que a cerca. Se a sua curiosidade “sexual” e  intelectual, natural, for reprimida e castigada poderá desenvolver sentimento de culpa e diminuir sua iniciativa de explorar novas situações ou de buscar novos conhecimentos.

4. Construtividade  X  Inferioridade (dos 6 aos 11 anos)

Neste período a criança está sendo alfabetizada e frequentando a escola, o que propicia o convívio com pessoas que não são seus familiares, o que exigirá  maior sociabilização, trabalho em conjunto, cooperatividade, e outras habilidades necessárias. Caso tenha dificuldades o próprio grupo irá criticá-la, passando a viver a inferioridade em vez da construtividade. 

5. Identidade  X  Confusão de Papéis (dos 12 aos 18 anos)

O quinto estágio ganha contornos diferentes devido à crise psicossocial que nele acontece, ou seja, Identidade Versus Confusão. Neste contexto o termo crise não possui uma acepção dramática, por  tratar-se de a algo pontual e localizado com pólos positivos e negativos.

6. Intimidade  X  Isolamento (jovem adulto)

Nesse momento o interesse, além de profissional, gravita em torno da construção de relações profundas e duradouras, podendo vivenciar momentos de grande intimidade e entrega afetiva. Caso ocorra uma decepção a tendência será o isolamento temporário ou duradouro. 

7. Produtividade  X  Estagnação  (meia idade)

Pode aparecer uma dedicação à sociedade à sua volta e realização de valiosas contribuições, ou grande preocupação com o conforto físico e material. 

8. Integridade  X  Desesperança (velhice)

Se o envelhecimento ocorre com  sentimento de produtividade e valorização do que foi vivido, sem arrependimentos e lamentações sobre oportunidades perdidas ou erros cometidos haverá integridade e ganhos, do contrário, um sentimento de tempo perdido e a  impossibilidade de começar de novo trará tristeza e desesperança.

Sobre a Autora:

Maria Aparecida Melo Girão - Graduada em Psicologia pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI (2011), especialista em Psicopedagogia pela Universidade do Vale do Acaraú (2014), especialista em AEE (Atendimento Educacional Especializado) pelo Instituto de Ensino Superior Múltiplo. Atuou, ainda, como acompanhante terapêutica (2008-2011) junto a crianças com desenvolvimento atípico.

Lecionou as disciplinas de Desenvolvimento Infantil, Inclusão Escolar e Psicologia Clínica Infantil na Universidade Estadual do Piauí – UESPI entre os anos de 2016 e 2018.

Realiza atendimento clínico infantil desde 2011, atuando com diversas demandas, como autismo, TDAH, TDO, Ansiedade, dificuldades de aprendizagem. Além disso trabalha com treinamento parental, orientação de professores, atendimento domiciliar e também com palestras e workshops voltados à atuação do acompanhante terapêutico (AT), professor e pai.

Site: http://cidamelo.com.br/

Referências:

ATKISON, Rita L. Introdução à psicologia de Hilgard. 13ª ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

CLONINGER, Susan. Teorias da personalidade. Trad. Claudia Berliner. 1ª ed. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1999.

HALL, Calvin S.; LINDZEY, Gardner; CAMPBELL, John. Teorias da Personalidade. Trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed Editora. 2000.

Informar um Erro Publique Seu Artigo