(Tempo de leitura: 57 - 113 minutos)

Introdução

O presente estudo aborda a homossexualidade feminina enquanto fenômeno psicossocial. Este prisma de investigação implica na necessidade de lançar muitos e diferentes olhares sobre esta realidade a fim de obter a necessária – e sempre incompleta – aproximação acerca deste complexo e multideterminado objeto de estudo. O foco de luz que direcionará este olhar é múltiplo, como atesta a diversidade da literatura que os veicula, e partem essencialmente da Psicologia Social e de Gênero, da Psicanálise, da Sociologia, da Antropologia e da História.

Esta pesquisa reporta a in-visibilidade da mulher homossexual, sendo que a escolha deste tema partiu do interesse em compreender, como se dá a vivência e a construção desta in-visibilidade no contexto psicológico e sócio-histórico de nossa sociedade, tendo como propósito contribuir com os poucos estudos relacionados à referente problemática como também fazer algumas revisões na bibliografia sobre homossexualidade feminina. Portanto, levantamos algumas questões que esperamos encontrar as respostas com a efetivação deste trabalho.

(Tempo de leitura: 21 - 42 minutos)

Resumo: O presente trabalho buscou salientar a formação da identidade social de travestis de uma cidade do interior paulista através de relatos obtidos por meio de grupos reflexivos que abordaram os temas: família, trabalho, preconceito, sociedade e sistema público de saúde. O objetivo foi conhecer aspectos da formação da identidade social das travestis. Utilizou-se como principal referencial a teoria da identidade de Ciampa (1994) buscando compreender a presença e significado do papel feminino em um corpo masculino. A metodologia consistiu na realização de encontros reflexivos com dois grupos de 4 e 3 travestis que vivenciam contextos diferenciados dentro da mesma cidade. A partir dos relatos percebeu-se a existência de vivências comuns com relação ao preconceito sofrido, consciência de si e social. Entretanto no que tange às profissões e mercado de trabalho, encontramos entre elas posturas estereotipadas entre trabalho socialmente valorizado e prostituição.
Palavras-chave: Travestis, Identidade, Preconceito.

(Tempo de leitura: 13 - 26 minutos)

1. Introdução

O tema Homossexualidade, mesmo tão presente na contemporaneidade, ainda é um assunto de grande repercussão, geralmente considerado como “tabu”, principalmente quando abordado dentro de uma família tradicional, como exemplo, um programa humorístico da televisão brasileira que retrata a culpabilidade de um pai ao ver seu filho “desmunhecar” frente a situações sociais com o bordão: “Mas, onde foi que eu errei?!!”, demonstrando claramente essa escandalização da temática.

(Tempo de leitura: 13 - 26 minutos)

Resumo: Este artigo aborda um estudo sobre a sexualidade do idoso na contemporaneidade, com o objetivo de compreender as percepções da sociedade com relação a essa sexualidade na terceira idade nos dias atuais. A metodologia utilizada foi baseada em uma pesquisa bibliográfica, para oferecer ao leitor um panorama desse tema tão importante que, por vezes, representa lacunas teóricas e vivenciais em si mesmos.   Hoje é fato que envelhecimento mundial é um fenômeno que tem sido muito discutido na última década, sobretudo por seu significativo crescimento. A sexualidade é um fator que ocorre naturalmente na vida do ser humano, independente da idade, é um elemento básico da personalidade que determina no individuo um modo particular e individual de ser uma forma de expressão que se adquire e se aperfeiçoa durante a vida inteira. Há um número inimaginável de indivíduos idosos que se sentem ser algo anormal expressarem as necessidades sexuais. Um dos grandes problemas para a permanência dessa percepção da assexualidade do idoso está ligado aos modelos de referências que as pessoas adquirem no decorrer da vida. Contudo, é possível atingir a velhice de forma saudável, expressando a sexualidade, elemento por vezes negligenciado pelos próprios idosos.
Palavras-chave: envelhecimento; idoso; sexualidade.

(Tempo de leitura: 11 - 21 minutos)

Resumo: Este artigo versa sobre a importância de se trabalhar o tema sexualidade dentro da instituição escolar junto ao adolescente, no sentido de discutir sobre sua atual fase de desenvolvimento. A escola é o principal espaço organizado destinado à formação integral do ser humano. A ela cabe abordar a sexualidade de maneira eficaz e positiva, enfocando o respeito do adolescente pelo próprio corpo e o corpo dos outros, fornecendo informações e subsídios para que o jovem possa esclarecer suas dúvidas, planejar e viver uma vida sexual saudável. Os temas foram abordados e discutidos por meio da TV e do vídeo, mídias de fácil acesso que exercem especial fascínio sobre os jovens. As mensagens audiovisuais envolvem o receptor, sua linguagem responde a sua sensibilidade, informa e permite uma projeção em outros tempos e espaços. Os encontros puderam certificar a importância desta mídia na discussão de temas referentes a sexualidade do adolescente.
Palavras-Chave: Psicologia; Orientação sexual; Mídias na educação; Psicopedagogia.

(Tempo de leitura: 7 - 13 minutos)

A vasta quantidade de pesquisa sobre a formação de identidade sexual assume que a identidade finalmente adquirida será uma identidade heterossexual, ou seja, uma identidade centralizada em uma preferência sexual por membros do outro sexo. Entretanto, um número considerável de pessoas exibe preferências não-heterossexuais -ou seja, uma preferência por membros do seu próprio sexo como parceiros sexuais. Por isso, para lidar com a questão da identidade sexual, precisamos primeiro considerar a questão da orientação sexual.

Página 4 de 4