Dependência Química

(Tempo de leitura: 2 - 3 minutos)

Dependência Química é um padrão de uso geralmente intenso que envolve um descontrole sobre a quantidade e a frequência com que se consome álcool ou outras drogas, geralmente a um desejo forte de se utilizar a substância. Existem critérios bem definidos para se caracterizar essa condição. Diferentes mecanismos levam as pessoas a se tornarem dependentes. Assim, dependência é uma relação alterada entre um individuo e o seu modo de consumir uma substancia, sendo capaz de trazer problemas para seu usuário. (MEYER et al, 2004).

A dependência química é uma doença crônica, caracterizada por comportamentos impulsivos e recorrentes de utilização de uma determinada substância para obter a sensação de bem-estar e de prazer, aliviando sensações desconfortáveis como ansiedade, tensões, medos, insegurança, entre outros (FOCCHI, 2001).

Se configura como sendo um padrão de uso geralmente intenso que envolve um descontrole sobre a quantidade ou freqüência com que se consome álcool ou outras drogas, geralmente com um desejo forte. (MEYER et al, 2004)

No dia-a-dia , usa-se o termo “droga” para referir-se às drogas psicoativas, que são as que alteram o comportamento, o humor e a cognição. (SONENREICH, 1982).

Historicamente o uso de substâncias psicoativas sempre fez parte da realidade das civilizações. Na Europa Ocidental, mais precisamente na Polônia e na antiga Tchecoslováquia, os alcoolistas eram levados pela policia para grandes centros ou locais específicos, não com o intuito de serem tratados pela abstinência ou quadro de alcoolismo. No período que compreende a Revolução Industrial, essas condutas eram comumente usadas, principalmente por não haver métodos de tratamento. Posteriormente, após a Segunda Guerra Mundial, foram desenvolvidos centros de desintoxicação nos EUA, Canadá e Reino Unido (Edwards, 1987), onde ocorreu uma melhor organização e padronização desses serviços.

O álcool, por exemplo, vem sendo utilizado desde a era Paleolítica, e a civilização mesopotâmica forneceu as primeiras descrições clinicas de intoxicação “cura por ressaca”  (Marlatt e Gordon,1993).

Em 1948, a Organização Mundial da Saúde  inclui o alcoolismo propriamente dito como um item diferenciado da intoxicação alcoólica ou de psicoses alcoólica, na Classificação Internacional das Doenças  (CID). Atualmente o alcoolismo encontra classificado pela CID no capítulo referente aos transtornos mentais e de comportamento.

Na década de 70, o tratamento ambulatorial começou a ser realizado com mais freqüência na Inglaterra e nos EUA (stinnett, 1996).

Sobre os Autores:

PEREIRA, Ana Flávia - Terapeuta Ocupacional formada pela Universidade Presidente Antônio Carlos

HENRIQUE, Adalberto Romualdo Pereira - Acadêmico de Terapia Ocupacional pela Faminas / Muriaé-MG. Atualmente desenvolve projetos na área de álcool e drogas.

Referências:

MEYER et al., 2004 in TAUB, Anita; ANDREOLI, Paola Bruno de Araújo. Guia para a família: cuidando da pessoa com problemas relacionados com álcool e outras drogas. Sãp Paulo: Atheneu, 2004. 96 p. (Coleção Guia para a família). ISBN 85-7379-693-6.

FOCCHI, Guilherme R. de et al. Dependência química: novos modelos de tratamento. São Paulo: Roca, 2001. 165 p. ISBN 85-7241-324-3.

SONENREICH, Carol. Maconha na clínica psiquiátrica. São Paulo: Manole, 1982. 179 p. (Cadernos de Psicopatologia).

Edwards, 1987 in: MANSUR, Jandira; CARLINI, E. A. Drogas: subsídios para uma discussão. 4 ed. São Paulo: Brasiliense, 1993. 114 p. ISBN 85-15039-0.

Marlatt e Gordon,1993 in:  Mansur,  Jandira, O que é alcoolismo; 1993;

stinnett, 1996 in: FOCCHI, Guilherme R. de et al. Dependência química: novos modelos de tratamento. São Paulo: Roca, 2001. 165 p. ISBN 85-7241-324-3.