O Crack sob as Perspectivas Médica e Psicanalítica

(Tempo de leitura: 9 - 17 minutos)

Resumo: O crack é uma droga de abuso que faz muitas vítimas atualmente.  Muitas das vezes essa procura para consumo está associada a uma predisposição do indivíduo a ter um amadurecimento psicológico indevido. Trata-se de um uma revisão de 13 artigos científicos retirados da base de dados do Scielo,  Unifra,  Pepsic, Unifor, compreendidos em um período entre 2008 e 2015. Em que foram abordados os efeitos do crack, a tendência psicológica dos indivíduos virem a ser dependentes, as formas como a psicanálise pode ser útil no tratamento dos viciados, como o uso da droga pode influenciar no aparecimento de afecções patologicas e psicológicas. O material analisado foi capaz de prover subsídios necessários acerca da importância das interposições psicológicas e de que maneira o processo pode interferir na metodologia terapêutica dos pacientes.

Palavras-chave: Crack, Psicanálise, Medicina, Fissura, Psicologia.

Abstract: Crack is a drug of abuse which currently makes many  victims .  Often this demand   for consumption is associated with a predisposition of the individual to have an undue psychological maturation. This is a review of literary articles in 13 scientific articles taken from scielo database , UNIFRA , PEPSIC , unifor , etc. , forming part of a period between 2008 and 2015 . Where the effects of crack were addressed , the psychological tendency of individuals come to be dependent on the ways in which psychoanalysis  can be useful in the treatment of addicts , such as drug use can influence the onset of pathological conditions and pscicologicas . The analyzed material was able to  provide subisidios needed about the importance of psychological interposition and how the process can interfere with the therapeutic approach of   patients.

Keywords: crack, psychologic, medicin, craving, psychology.

1. Introdução

O crack é uma droga psicoativa e viciante, que fazem dos indivíduos que a utilizam, seus subordinados. As drogas afetam principalmente àqueles que possuem um amadurecimento psíquico indevido. Geralmente, essa droga ao fazer do individuo seu dependente, faz com que eles abandonem suas afeições e deveres em função do vício ser o único motivo da sua existência naquele momento.

O tratamento é difícil devido a pouca adesão dos viciados, que geralmente não estão dispostos a ceder aos métodos terapêuticos propostos. Os métodos paliativos são, assim, a única forma de amenizar as afecções causadas pelo abuso do crack. Outra dificuldade encontrada são as recidivas, que são eventos que ocorrem devido às fissuras que acontecem em períodos de abstinência.

Com a realização dessa revisão de artigos, objetiva-se apontar os efeitos do crack sob o indivíduo, o controle dos prejuízos proporcionados pelo consumo indeliberado da droga, e o tratamento que, não é realizado somente num contexto orgânico, mas também psíquico. E assim compreender os benefícios do acompanhamento médico e psicológico na recuperação do sujeito afetado.

Para isso utilizou-se 13 artigos, pesquisados na base de dados do Scielo, UNIFOR, PEPSIC, UNIFRA, compreendidos entre 2008 e 2015. Esse material devido investigação, síntese, análise e interpretação de dados, proporcionou informações necessárias para que fosse alcançado o objetivo do trabalho.

Inicialmente, falamos da composição, mecanismo de ação do crack e o perfil dos usuários, posteriormente foi apresentado do ponto de vista psicanalítico o que afere os usuários, em seguida foi discutido as injúrias que o uso indiscriminado dessa substância pode causar ao organismo e por fim as dificuldades no tratamento e sua respectiva eficácia.

2. Desenvolvimento

2.1Composição, efeitos e perfil dos usuários de crack:

O crack é um narcótico produzido a partir da pasta-base da cocaína, bicarbonato de sódio e outras substâncias, apresentado em forma de pedras, as quais são fumadas  em cachimbos improvisados (CRUZ, 2011).  O crack é uma maneira distinta de  levar a molécula de cocaína ao cérebro em segundos.

Por ter sido fabricada através de processos diferentes do pó branco, pode ser fumado, assim como a merla e a pasta de coca. Seu uso é considerado vantajoso pelo baixo valor e a intensidade do efeito (CRUZ, 2011). (NASCIMENTO; SILVA; SILVA, 2015).

O seu uso nesse formato permitia uma disseminação maciça da substância para o cérebro, obtendo efeitos mais estimulantes e muitíssimo prazerosos. O início de ação da droga também era rápido, porém mais fugaz, e os usuários descreviam uma “fissura” (craving, em inglês) quase incontrolável quando a estavam utilizando. Os relatos iniciais sobre os indivíduos que ousavam experimentá-la descreviam-nos como “escravos” dos seus efeitos; muitos terminavam sucumbindo devido aos danos causados ao organismo (KESSLER; PECHANSKY, 2008).

Os contornos obsessivos da fissura por crack tiram do indivíduo sua capacidade de escolha e discernimento, focando suas atitudes na obtenção de mais crack, apesar da notória e consciente degradação física e moral. Isso reforça a importância dessa sensação  na dependência de crack. Modell et a1 (1992) sugerem que, devido às semelhanças sintomáticas entre a dependência e o transtorno obsessivo-compulsivo, ambas dividam etiologia  similar.

Uma vez que o crack adquiriu lugar de extrema importância na vida do indivíduo, a urgência em consumi-lo muda os valores que até então norteavam suas condutas, i.e., são realizadas atividades que colocam em risco sua integridade moral e física, pois o que está em foco é o uso de mais crack. Para a pessoa em fissura, perder a família, gastar altas quantias descuidar do próprio corpo, nada parece tão ruim quanto não  usar crack (CHAVES et al., 2011).

2.2 Análise Psicológica:

A clínica psicanalítica nos ensinou que esse subtipo de dependente de drogas so- freu um acentuado comprometimento na internalização de seus objetos primitivos, e o cenário habitual são pessoas simbiotizadas com suas mães, percebidas de forma extre- mamente fragmentada, e com a figura do pai periférica.

Como os estudos prospectivos estão a nos sinalizar que, para entender a dependência química, na adolescência, é necessário em cada caso responder à pergunta “onde está o pai?”, parece que a situação descrita deve-se mais ao comprometimento da função paterna na alavancagem para que ocorra o término da simbiose. Por este vértice, o que esses pacientes necessitam é, então, a restauração dessa função (RAMOS, 2008).

Na perspectiva da psicanálise, a passagem da infância para a adolescência é marcada pela saída do complexo de Édipo, durante a qual ocorrem simultaneamente a maturação dos caracteres sexuais secundários, referidos à imagem corporal, as transformações púberes, que conduzirão o sujeito à vida adulta, a consolidação de uma identidade de gênero, a identificação a um ideal profissional e a consolidação das relações sociais. São transformações difíceis, mas fundamentais no processo de constituição da  experiência subjetiva.

Para a psicanálise, a qualidade de vida desta etapa depende da presença de um Outro na forma da família e da sociedade - que funcione como bússola para a orientação do sujeito, que ofereça uma rotina regular de vida neste momento em que a imagem corporal, por sofrer mudanças muito rápidas, parece recusar toda e qualquer regularidade (LIMA et al., 2013).

Quando o bebê diferencia-se da mãe, através da intervenção da função paterna, ocorre uma falta que funcionará como a castração simbólica. É essa falta que permitirá o surgimento do desejo para criança. No toxicômano a falta que promove esta simbolização é inexistente, o que possibilita a entrada da droga com o papel de cumprir uma função, na vida psíquica, de anteparo de castração (CONTE apud COSTA, 2005) (URRIBARRI, 2012).

Segundo Freud apud Ribeiro (2009), entende-se o recurso às drogas como uma possibilidade de resposta do sujeito ao mal-estar que é inerente ao processo de formação das sociedades e culturas e, também, da constituição psíquica do humano. “O desenvolvimento das civilizações, bem como do psiquismo, impõe sacrifícios à sexualidade e agressividade constituintes do humano e, dessa maneira, a vida torna-se árdua demais” (FREUD apud RIBEIRO, 2009, p.2).

A cada momento de desequilíbrio as substâncias tóxicas são utilizadas como uma proteção contra o tormento (COSTA, 2005). No texto “O mal-estar na civilização”, Freud (1974a) traz que “os métodos mais interessantes de evitar o sofrimento são os que procuram influenciar o nosso próprio organismo. (. . . ) O mais grosseiro, embora o mais eficaz, desses métodos de influência é o químico: a intoxicação” (p.37). Freud acredita que recorrer às substâncias psicoativas é uma res- posta possível para que o sujeito possa aliviar/minimizar o mal-estar inerente à sua existência, e acrescenta ser esse o método mais interessante de evitar o sofrimento já que as substâncias tóxicas tornam o sujeito insensível às suas dores (FREUD apud RIBEIRO, 2009) (FONSÊCA; SILVA, 2015).

2.3 Efeitos e complicações clínicas do consumo do crack:

O uso de drogas é um fenômeno bastante antigo e constitui um grave problema de saúde pública, com sérios problemas sociais no futuro dos jovens e de toda a sociedade. A adolescência é um momento especial na vida do indivíduo. Nesta etapa os jovens não aceitam orientações, pois está testando a possibilidade de serem adultos, de ter poder e controle sobre si mesmo.

É um momento de diferenciação em que se adere a um grupo de iguais. Se esse grupo estiver experimentalmente usando drogas, o pressiona a usar também. Ao entrar em contato com drogas nesse período de maior vulnerabilidade, expõe-se a inúmeros riscos. O encontro do adolescente com a droga é um fenômeno muito mais frequente do que se pensa e, por sua complexidade, difícil de ser abordado (MARQUES et al, 2000).

É comum em usuários de crack o aparecimento de bolhas e feridas na língua, nos lábios, no rosto e dedos. Devido ao contato repetido com o alumínio aquecido, lesando o tecido cutâneo. As latas utilizadas para aquecer as pedras de crack aumentam o nível sérico de alumínio, predispondo o usuário a possível intoxicação e danos neurológicos irreversíveis.  (OLIVEIRA et al,  2008). 

O uso do crack dá-se comumente mediante ao emprego de cachimbos. Embora uma variedade de produtos seja empregada a sua confecção como: copo de iogurtes, isqueiro, tubo de pasta de dente, tampas de garrafas PET, canos de PVC, lâmpadas, entre outros. A lata de alumínio é a principal matéria- prima; denominada pelos usuários como cachimbo de alumínio. O contato repetido com o alumínio aquecido lesa o tecido cutâneo (OLIVEIRA et al, 2008).

Os efeitos imediatos mais comuns são euforia, suor, taquicardia, calafrios e diminuição da fadiga. Aumentando a pressão arterial, causando taquicardia, contração dos vasos sanguíneos, as pupilas se dilatam, os olhos ficam protusos, ocorrem tremores e algumas vezes crises convulsivas. O uso contínuo pode haver isquemias, infarto do miocárdio ou arritmias cardíacas. Pode haver lesão neuronal, com atrofia cortical e perturbações comportamentais como comportamento violento, agressividade, tremores, alucinações, delírios, comportamento bizarro em função da hipervigilância e até a morte (RODRIGUES et al, 2006).

Pode ocorrer, também, prejuízo para as funções cognitivas do indivíduo, especi- almente déficits de atenção, concentração, memória, aprendizagem, formação de con- ceitos, habilidades visoespaciais e funções executivas. Os déficits parecem perdurar  por longo prazo, podendo ser irreversíveis (RODRIGUES et al, 2006) (POITEVIN; STEFANON, 2010).

As complicações relacionadas ao uso da cocaína incluem arritmias cardíacas, in- farto miocárdico, hemorragia subaracnóidea, complicações obstétricas, convulsões, dis- túrbios psiquiátricos e complicações respiratórias, podendo inclusive ocorrer morte sú- bita.  Uma vez que o pulmão é o principal órgão exposto, complicações pulmonares  são frequentemente observadas como consequência do ato de fumar o crack.

 A cocaína tem a capacidade de lesar essencialmente todos os componentes estruturais do pulmão, causando disfunções pulmonares de muitas maneiras diferentes. Sintomas respiratórios agudos em geral se desenvolvem poucas horas após o uso da droga, mas podem aparecer em minutos. Os sintomas respiratórios agudos incluem tosse seca ou com eliminação de sangue ou de material escuro, decorrente da inalação de resíduos dos produtos de combustão, dispnéia, febre, dor torácica, asma e episódios de broncoespasmo.

A exposição pulmonar marcada e repetida à cocaína fumada tem sido associada a um largo espectro de complicações pulmonares, incluindo edema pulmonar, hemorragia alveolar difusa, exacerbações agudas graves de asma, barotrauma, infiltrações pulmo- nares com eosinofilia, pneumoniaintersticial não específica e bronquiolite obliterante com pneumonia em organização, bem como infiltrações pulmonares agudas associadas a um espectro de achados clínicos e patológicos, referidas como “pulmão de   crack” .

O mecanismo pelo qual o crack causa estes variados tipos de agressão pulmonar não está bem estabelecido. Uma vez que hemorragia pulmonar e lesão pulmonar aguda de outras naturezas são radiologicamente indistinguíveis, o desenvolvimento de falência respiratória com opacidades bilaterais que aparecem logo após o uso do crack e clareiam rapidamente após a interrupção do uso também tem sido denominado “ pulmão de crack”.

As alterações pulmonares mais comuns são o edema e a hemorragia alveolar. O edema pode ser de natureza cardiogênica ou não cardiogênica, por aumento da perme- abilidade capilar pulmonar.  Achados de necropsia mostram que a hemorragia alveolar é muito frequente neste grupo, não só de forma aguda, como muitas vezes de forma crônica, sem a ocorrência de hemoptise, cursando de forma assintomática (MANÇANO et al., 2008).

2.4 Tratamento

A Rede de Atenção Psicossocial é constituída por inúmeros dispositivos, dentre eles os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) que fazem parte da atenção psicosso- cial especializada e se dividem em CAPS I, II, III, CAPSi e CAPSad, esse último é o local onde se realiza o atendimento especializado ao público que utiliza o álcool e/ou outras drogas de modo abusivo e que venha permitindo perdas consideráveis em sua vida pelo uso intenso dessas substâncias.

Um CAPSad tem por finalidade proporcionar atendimento à população, respeitando-se a adstrição do território, oferecendo-lhe atividades terapêuticas e preventivas, tais como: atendimento diário aos usuários dos serviços, dentro da lógica de redução de danos; gerenciamento dos casos, oferecendo cuidados personalizados; condições para o repouso e desintoxicação ambulatorial de usuários que necessitem; cuidados aos familiares dos usuários dos serviços e ações junto aos usuários e familiares, para os fatores de proteção do uso e da dependência de substâncias psicoativas (AZEVEDO; MIRANDA, 2010, p. 57) (FONSÊCA; SILVA, 2015).

O relaxamento respiratório é uma técnica de enfrentamento que consiste no exercício de controle da respiração por meio da musculatura diafragmática. Outra técnica que vem sendo estudada no tratamento da dependência química é a mindfulness, que são práticas de treinamento da mente e manutenção da atenção plena. Na sensibilização encoberta, o paciente tem que se imaginar usando crack, e o terapeuta começa a descrever uma cena que induz náusea ou ansiedade.

Nas técnicas de aversão farádica e química foi utilizado um placebo de cocaína, capaz de gerar sensações semelhantes às percebidas no consumo de cocaína fumada sem a estimulação no SNC própria da cocaína. Aversão química consiste em estimulação  de náusea pela prescrição de cloridato de emetina prévia ao contato com o placebo de cocaína. Aversão farádica consiste em instruir o usuário a pegar o placebo de cocaína em qualquer de suas formas e o estímulo elétrico no antebraço o leva a devolver o material, de forma repetida. Essas técnicas são utilizadas visando reduzir ou mesmo acabar o desejo pelo uso da droga e interromper os episódios de fissura ou craving.(RODRIGUES et al., 2013)

3. Conclusão

Nesse ínterim, foi possível constatar que os benefícios do acompanhamento psico- lógico de usuários de crack são diversos e de extrema relevância para o sucesso terapêutico. A ponderação com os aspetos psicológicos e emocionais deste grupo de pacientes é primordial, não somente no momento de início do tratamento, mas também durante e após.

 Vale destacar que nem sempre o tratamento é realizado de modo a cessar o consumo das drogas pelo indivíduo e sim realizar paliativos para que amenizem os sintomas mais graves causados pelo uso indiscriminado, incessante e com desmazelo do crack. Isso se esclarece, principalmente pelo fato de que o consumo da droga trás diversos efeitos e complicações tanto biológicas quanto psíquicas, estes, são capazes de desencadear problemas de saúde que podem influenciar negativamente no tratamento  e, consequentemente na vida dos viciados.

É também importante salientar como é imprescindível para uma boa formação acadêmica a realização de trabalhos de nível científico, para a arquiteturação do nosso conhecimento sobre diversos temas que serão de recorrência em nosso espaço laboral futuramente, visto que muitas afecções que trazem prejuízos para saúde das pessoas estão aliadas a má formação psicológica.

Dessa forma, a realização e produção deste trabalho foram além de enriquecedor, essencial para as atividades futuras como profissional de saúde, pois permitiu reconhecer que os pormenores que vão além do aspecto clínico da medicina, precisam de uma atenção mais especial e direcionada.

Sobre os Autores:

Matheus Alvarenga Carvalho - Acadêmico de Medicina  –  Faculdade  de Minas  FAMINAS-BH.

Vitor Magno Canal - Acadêmico de Medicina  –  Faculdade  de Minas  FAMINAS-BH.

Referências:

CHAVES, T. V. et al. Fissura por crack: comportamentos e estratégias de controle de usuários e ex-usuários. RevSaúde Pública, São Paulo, vol 45, n. n º 6, p. p.1168 – 1175, 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsp/v45n6/2774.pdf >.

FONSÊCA, J. M. G.; SILVA, F. B. R. da. Um olhar psicanalítico sobre  a toxicomania: reinventando a clínica no serviço publico. CADERNO DISCENTE ESUDA, Santo Amaro - Recife/PE, volume 2, n. 1, janeiro 2015. Disponível em: < http://humanae.esuda.com.br/index.php/Discente/article/view/208/99 >.

KESSLER, F.; PECHANSKY, F. Uma visão psiquiátrica sobre o fenômeno do crack na atualidade. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, vol 30, n. 2, Agosto 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-81082008000300003&lang=pt>.

LIMA, C. H. de et al. Crack: uma abordagem psicanalítica de seu consumo entre crianças e adolescentes em situação de rua. Revista Mal Estar e Subjetividade, Fortaleza,  vol.13,  n. no.1-2,  p. p. 155 – 194,  Junho 2013. Disponível em: <http://unifor.br/images/pdfs/subjetividade/2013.1.2_artigo6.pdf>.

MANÇANO, A. et al. Complicações pulmonares após uso de crack:  achados   na tomografia computadorizada de alta resolução do tórax. J Bras Pneumol., Rio de Janeiro, v. 34, n. 5, p. p.323 – 327, Julho 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v34n5/v34n5a12.pdf>.

NASCIMENTO, J. C. C. do; SILVA, P. N. da; SILVA, L. C. C. S. Crack:   Construindo um caminho de volta. REVISTABRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E SAÚDE, Pombal – PB, Brasil, vol. 5, n. nº 1, p. p. 57 – 61, janeiro-março 2015. ISSN 2358-2391. Disponível em:  < http://gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/2787/2807 >.

POITEVIN, L.; STEFANON, E. O USO DO CRACK E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A SAÚDE. In:  CENTRO UNIVERSITáRIO FRANCISCANO  (UNIFRA). Jornada  Interdiciplinar  de  saúde. Santa Maria  -  RS, 2010. Disponível em: < http://www.unifra.br/eventos/jis2010/Trabalhos/227.pdf >.

RAMOS, S. de P. O crack, o  pai  e  os  psiquiatras  e  psicanalistas.  Revista  de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, vol 30, n. 2, Agosto 2008. ISSN 0101-8108. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-81082008000300004&lang=pt >.

RODRIGUES, V. S. et al. Revisão sistemática sobre tratamentos psicológicos para problemas relacionados ao crack. J Bras Psiquiatr, Porto Alegre, vol. 62, n. nº 3, p. p. 208 – 216, julho 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v62n3/05.pdf >.

URRIBARRI, F. André Green: o pai na teoria e na clínica contemporânea. Jornal de Psicanálise, São Paulo, vol.45, n. nº 82, junho 2012. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S0103-58352012000100011&script=sci_arttext >.