Resenha do Texto “Recordar, Repetir e Elaborar”

Resenha do Texto “Recordar, Repetir e Elaborar”
4.5           Avaliação 4.50 (4 Avaliações)
(Tempo de leitura: 3 - 5 minutos)

Livro: FREUD, S. (Recordar, repetir e elaborar: novas recomendações sobre a técnica da psicanálise II.) In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud [ESB]. Rio de Janeiro: Imago, s/d.vol. XII 1996. P.163-171.

1. Introdução

Em “Recordar, Repetir e Elaborar (1914), Freud fala sobre as novas recomendações sobre a técnica da psicanálise. Aponta as diferenças das técnicas utilizadas quando iniciou seu trabalho com Breuer, por meio do método catártico em que se fazia o uso da hipnose para trazer à tona o momento em que os sintomas se formavam, e assim reproduzir os processos mentais com o objetivo de direcionar as descargas para a atividade consciente, recordar e ab-reagir com o auxílio do médico.

Posteriormente, abandonou-se a hipnose em prol da associação livre, para descobrir por meio da fala do paciente àquilo que ele deixava de recordar, na qual a resistência deveria ser contornada através da interpretação e do conhecimento dos resultados dado ao paciente, que tinha como trabalho superar sua censura com relação às associações livres. Colocando em foco um momento ou problema específico.

Freud pontua que, com a sistematização da técnica, abandonou-se o foco do problema específico e o momento em que ele aparece, para então estudar o que o paciente trazia no presente, “tudo que aparecia na superfície de sua mente”, interpretando e identificando as resistências que surgiam e tornando-as conscientes para o paciente. Entretanto, as revelações dessas resistências que a priori são desconhecidas só é feita quando no decorrer do processo de análise elas são vencidas pelo paciente, que então poderá fazer sem dificuldades, relações e vinculações ao que fora “esquecido”. O objetivo dessas técnicas, segundo Freud, continua sendo o mesmo, que consiste em preencher as lacunas da memória superando as resistências causadas pela repressão.

Para o autor, é comum quando o paciente fala sobre as coisas esquecidas acrescentar que ele sabe das mesmas, só não estavam pensando nelas, ou seja, para ele não estavam conscientes. O “esquecer” torna-se restrito quando se avalia o verdadeiro valor das lembranças encobridoras que para Freud geralmente se acham presentes, cita a amnésia infantil que é contrabalanceada por essas lembranças encobridoras.  Acrescenta que cabe ao analista extraí-las por meio da análise.

Entretanto em alguns casos, Freud fala que o paciente ao invés de recordar o que esqueceu e foi reprimido ele expressa os fatos por meio da atuação (acting-out), explicitado pelo autor no caso Dora. O paciente repete não como lembrança e sim como atuação, porém ele repete esses fatos sem saber que está repetindo. E quanto maior a resistência maior ainda será a atuação. O paciente repete também todos os seus sintomas no decorrer do tratamento.

No tratamento analítico, Freud demonstra que o repetir também implica evocar um fragmento da vida real, e por essa razão não pode ser sempre inócuo e irrepreensível.

De acordo com o autor, outros perigos podem surgir no curso do tratamento, novos impulsos instintuais, que até então não haviam feito sentir, podem vir a ser repetidos.  E que fora da transferência podem causar danos temporários na vida normal do paciente, ou até mesmo podem ter sido escolhidos por ele como forma de invalidar suas perspectivas de restabelecimento. Então, o “médico” deve ser estar preparado para uma luta perpétua com o paciente, no sentido de manter na esfera psíquica dele todos os impulsos que ele gostaria de dirigir para a esfera motora. E também ter o cuidado de proteger o paciente pelo prejuízo ocasionado pela execução de um de seus impulsos, fazendo-o prometer não tomar quaisquer decisões que afetem a sua vida durante o tratamento, pontuando da importância de adiar certos planos para depois de seu restabelecimento.

2. Considerações Finais

O tratamento psicanalítico é pautado por esses três passos: recordar, repetir e elaborar. Por meio deles o paciente com a ajuda do terapeuta, entra em contato com o que estava oculto em sua mente.

As construções produzidas no contexto terapêutico auxiliam o paciente em seu restabelecimento, na qual a transferência e a contra- transferência é essencial para o progresso do tratamento. Contudo, é primordial que o terapeuta tenha o cuidado e o manejo para conduzir tais passos, de acordo com Freud, por meio das repetições do paciente exibidas na transferência é que se é possível superar as resistências, e isso é dado pelo terapeuta, pelo fato dele revelar ao paciente essa resistência que até então não era reconhecida.

Entretanto, o processo de análise, deve ser conduzido respeitando o tempo e o curso do tratamento, sem pressas e sem atropelos, no qual, segundo Freud requer “uma prova de paciência para o analista e uma tarefa árdua para o sujeito da análise” (FREUD, 1914/1996).

Sobre o Autor:

Claudia da Costa Stengel - Psicóloga formada pela PUC-MG, atendimento clínico na abordagem psicanalítica.

Referências:

FREUD, S. (Recordar, repetir e elaborar: novas recomendações sobre a técnica da psicanálise II.) In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud [ESB]. Rio de Janeiro: Imago, s/d.vol. XII 1996. P.163-171.

Informar um Erro Assinar o Psicologado